Artigo Anterior

10 anos de Jacquemus: conversámos com o designer sobre a coleção comemorativa

Próximo Artigo

Anna Bu Kliewer, a ilustradora analógica

Entrevistas 12. 7. 2019

Vasquiat: a plataforma de Blanca Miró e Rafa Blanc que quer mudar a indústria da Moda

by Mónica Bozinoski

 

Promover uma produção on-demand, olhar para a sustentabilidade como norma, mudar a forma como as pessoas consomem a Moda e a forma como a Moda é vendida. Vasquiat, a plataforma criada por Blanca Miró e Rafa Blanc, está aqui para abrir uma nova porta na indústria e deixar entrar um futuro brilhante. A Vogue conversou com as fundadoras sobre a revolução que ambas querem ver acontecer.

 Blanca Miró ©D.R.

Se nos perguntar o que é a Vasquiat, vamos encontrar diversas formas de a definir. Vasquiat não é uma loja online - pelo menos, não uma loja online como aquela que aprendemos a conhecer e adorar, seja pela conveniência de ter qualquer peça de roupa entregue à nossa porta ou pela feliz experiência de não ter que esperar em filas, seja para experimentar ou para pagar. Porque é que Vasquiat não é isto? Porque Vasquiat é uma plataforma inovadora, sem precedentes. Uma espécie de clube exclusivo para pessoas que reconhecem uma tendência antes dela estar espalhada pelo feed do Instagram. Um projeto que recompensa as pessoas que estão sempre um passo à frente. Uma revolução conduzida por Blanca Miró e Rafa Blanc, duas pessoas que querem mudar a indústria da Moda, um consumidor e uma marca de cada vez. 

Porquê uma revolução? Porque aquilo que a Vasquiat propõem é diferente de tudo aquilo a que tivemos acesso até agora. Primeiro: reverter o ciclo de atribuição de preços, começando no mais baixo e subindo até ao mais alto. Porquê? Porque, desta forma, os olhos mais atentos e as mentes mais inovadoras são recompensadas por preverem que um vestido, um colar ou um par de sapatos vão ser a próxima grande tendência. Segundo: sustentabilidade. Como? Oferendo às marcas uma plataforma para descobrirem aquilo que os consumidores mais gostam e procuram, promovendo uma produção on-demand. Terceiro: um espaço pensado para consumidores e marcas, de igual para igual. 

Podíamos continuar a explicar aquilo que Vasquiat é, mas não há quem a conheça melhor do que quem a criou. A Vogue Portugal conversou com as fundadoras Blanca Miró e Rafa Blanc sobre um futuro que, de quem compra a quem vende, pode ser mais brilhante que nunca. 

Ballen ©D.R.

Como é que surgiu a plataforma Vasquiat? Qual foi a vossa inspiração para criar esta nova abordagem, que olha para o ciclo tradicional da indústria com uma perspetiva única e inovadora? 

Blanca Miró: Durante muito tempo soube que, um dia, ia ter o meu próprio negócio na indústria da Moda. Para mim, a Moda é sobre divertires-te a criar algo novo. A Rafa entrou em contacto comigo há um ano com este projeto louco mas quando nos sentámos para conversar sobre ele percebi logo a oportunidade que tínhamos em criar uma revolução na indústria e fazer a diferença. Decidimos lançar a plataforma Vasquiat com o objetivo de mudar a forma como as pessoas consomem a Moda e a forma como a Moda é atualmente vendida. Vivemos numa era digital mas, quando comparas as lojas online com as lojas offline, consegues perceber que não existiu grande inovação. Existe tanta coisa que podemos fazer para transformar a experiência de consumir Moda em algo tão mais satisfatório, tanto para os consumidores como para as marcas. 

Rafa Blanc: Acredito que seres único e inovador é essencial para criar valor e fazer a diferença. Precisas de resolver um problema que é real. Aquele que encontrámos é verdadeiramente sério: as marcas querem produzir on-demand para reduzir o risco. Por outro lado, tens os consumidores de Moda que valorizam as últimas tendências, mas que são obrigados a esperar até ao fim da estação para comprarem as peças que gostam em saldos. Eu e a Blanca estudámos o mercado e percebemos que existia uma forma de mudar tudo isto. E foi precisamente isso que fizemos. 

Falem-nos um pouco sobre o modelo de negócio desta plataforma. Como foi o processo de decisão? 

RB: Não conseguia perceber o porquê de, na indústria da Moda, o preço decrescer durante uma determinada estação. Noutras indústrias, o preço vai subindo ao invés de ir descendo, incentivando os consumidores a anteciparem-se e a comprarem com antecedência. A Moda é conduzida por inovadores e, por isso, comecei a pensar na possibilidade de criar um espaço exclusivo para ligar marcas a pessoas que compram algo logo, e oferecer-lhes condições especiais para se anteciparem. Foi aí que entrei em contacto com a Blanca, uma das poucas pessoas na Europa que poderia fazer esta revolução acontecer. Ela percebeu logo o potencial e apaixonou-se pela missão de recompensar aquelas pessoas que são verdadeiramente inovadoras. A prespetiva única e o conhecimento sobre a indústria que a Blanca tem são a alma da Vasquiat. 

O que é que procuram alcançar ao reverter a forma como os preços são atribuídos na indústria da Moda? 

BM: Percebemos que toda a gente estava a recompensar os compradores "atrasados", fosse com saldos ou com outlets. Ao contrários destas pessoas, os inovadores pagam sempre o preço total de qualquer peça. Aquilo que fizemos para mudar isso foi construir um clube onde os inovadores vão finalmente ser tratados como devem por comprarem primeiro. Acho que empoderar este tipo de consumidores e ajudá-los a ter acesso aos últimos modelos de marcas verdadeiramente cool é algo muito bonito. É uma revolução. 

Porque é que decidiram ter essa abordagem mais exclusiva? Acham que a exclusividade é algo que os consumidores procuram cada vez mais, hoje? 

BM: Os consumidores mais jovens estão a exigir mais do que uma loja normal. Eles querem sentir-se únicos e mais envolvidos no ciclo da Moda. Os nossos membros são tratados como insiders da indústria. Estamos a dar-lhes o tratamento especial que sempre procuraram ter. 

RB: As lojas online não diferem muito das lojas tradicionais. Quando muito, às vezes, são menos inovadoras. Aquilo que procuram é oferecer entregas baratas e rápidas. Isso é bom, mas nós acreditamos que existe muito mais para oferecer. Esta nova geração de consumidores é mais exigente do que qualquer outra geração. É importante que se consigam relacionar com os valores do nosso negócio e dos nossos produtos, que se sintam parte deste projeto ao interagirem com ele. É por isso que nos focamos tanto na ideia de branding e comunidade, ao invés de investirmos em catálogo e conversão. A Vasquiat não é uma loja. Ou, melhor, não é uma loja normal. A Vasquiat é uma comunidade internacional de inovadores da Moda. 

A Vasquiat acaba, também, por promover um modelo mais sustentável de não só consumir, mas também criar Moda. Acreditam que isto vai ser a norma no futuro? 

BM: A Vasquiat permite que as marcas consigam prever melhor o ciclo de produção e, consequentemente, produzirem de acordo com a procura. Por outro lado, queremos educar os consumidores a esperar por um produto que querem mesmo ter, a comprarem qualidade em vez de quantidade. Temos tido um feedback ótimo, tanto dos compradores como das marcas. Acho que a Moda pode criar muito mais valor assim. 

Wald Berlin ©D.R.

O circuito da Moda tem respondido de forma positiva à plataforma, então. 

RB: Lançar a Vasquiat foi um desafio incrível. Não existia qualquer precedente e tínhamos receio que as marcas não aceitassem as nossas condições, ou que os consumidores não compreendessem o projeto. Mas, surpreendentemente, a resposta das marcas foi ótima desde o início. A primeira casa que abordámos foi a marca icónica de espardilles, a Castañer. O feedback e o apoio deles foi essencial para nós. Depois disso, criámos uma página para que as pessoas solicitassem uma filiação. Semanas antes de lançarmos a Vasquiat, já tínhamos um número considerável de candidatos muito cool. Isto foi há alguns meses e, desde aí, já crescemos e aprendemos muito. Temos centenas de membros, espalhados por mais de 60 países, e dezenas de marcas que se querem juntar a nós nesta plataforma.

Como é que selecionam as marcas que fazem parte desta plataforma? 

BM: Existem imensas marcas na indústria, mas nós só queremos oferecer aquelas que são verdadeiramente únicas e que criam as tendências. Aquilo que estas marcas têm é uma autenticidade muito especial, novos conceitos. Mesmo que sejam pequenas, precisam de ter uma vocação internacional. Estamos interessadas em designers emergentes e promissores, mas também queremos trabalhar com marcas que, apesar de já estarem totalmente estabelecidas no mercado, continuam a ser disruptivas e a criarem tendências. Acredito que esta combinação é a chave de ouro. 

Que mudanças gostariam de ver na indústria da Moda, particularmente a nível de sustentabilidade, ética, e responsabilidade social e ambiental? 

BM: A Moda tem vindo a ganhar uma má reputação enquanto uma das indústrias mais poluentes no mundo. Mas não tem que ser assim. Penso que as pessoas em geral, e especialmente os amantes de Moda, estão a começar a apreciar o valor que a boa qualidade tem. E a qualidade não existe sem responsabilidade social e ambiental. Por outro lado, acredito que o futuro da Moda vai ser mais e mais centrado no consumidor online. Tem que ser uma experiência social, que envolva os amantes da Moda e as marcas. 

Consideram que a Vasquiat pode ser esse veículo, que incentiva os consumidores a procurarem qualidade e originalidade ao invés de quantidade, a apoiarem marcas mais exclusivas e independentes? Quais são as vossas expectativas futuras para este projeto?

BM: Sem dúvida! Isso resume a missão da Vasquiat. Recompensar os inovadores que antecipam as tendências, que reconhecem a autenticidade e que esperam para ter acesso a produtos de qualidade. Queremos contrariar o imediatismo e a impulsividade, queremos que os nossos clientes tenham um guarda-roupa com uma história por detrás de cada peça que o compõem. 

RB: O nosso objetivo principal é continuar a inovar, de todas as formas possíveis. Queremos satisfazer os nossos consumidores e as marcas, e construir um mundo [na Moda] perfeito para ambos. 

Artigos Relacionados

Tendências 1. 7. 2019

Será a Semana de Moda de Alta-Costura a mais sustentável?

Desprendidos da necessidade de produzirem em massa, os designers de Alta-Costura têm vindo a repensar um futuro mais sustentável para a Moda. À Vogue, e no âmbito de mais uma Semana de Moda de Alta-Costura, Ronald van der Kemp, Iris van Herpen e Xuan-Thu Nguyen falam sobre as suas visões eco-conscientes.

Ler mais

Tendências 5. 6. 2019

Oito marcas com vestidos de noiva sustentáveis

Está a planear um casamento sustentável mas que usar um vestido novo no grande dia? De Lost in Paris a Reformation, reunimos uma série de marcas com vestidos de casamento ecológicos que precisa de conhecer.

Ler mais

Tendências 9. 8. 2018

Alugar: o futuro da indústria da Moda?

Como um serviço de streaming ou um Airbnb para o guarda-roupa, o futuro da indústria da Moda pode estar cada vez mais próximo de um modelo baseado no aluguer de peças de roupa.

Ler mais

Pessoas 9. 6. 2017

Privado: Blanca Miró

Influencer, stylist e um dos rostos da Mango que conhecemos no Primavera Sound de Barcelona, Blanca Miró gosta de pensar em grande – e não estamos só a falar em roupa.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK