Artigo Anterior

That's all folks: o Cinema depois de Harvey Weinstein

Próximo Artigo

Joel e Sara: "Cancelaram os voos e não conseguimos sair do Peru"

Notícias 9. 3. 2020

Vanity Fair Itália lança edição especial dedicada à cidade de Milão

by Mathilde Misciagna

 

A Vanity Fair Itália divulgou esta segunda-feira uma edição gratuita dedicada inteiramente à cidade de Milão. Para ela contribuíram 64 personalidades de áreas distintas com o objetivo de passar uma mensagem de união e força, na sequência do vírus COVID-19.

 

Numa altura difícil para a cidade de Milão, em que diversos eventos importantes foram adiados ou mesmo cancelados, as ruas, escolas e universidades se encontram vazias, os seus habitantes (famosos ou não) unem forças para ultrapassar mais uma crise - desta feita ao nível da saúde. 

A revista, disponível gratuitamente nas bancas da região italiana da Lombardia e online a partir de 11 de março, tem na capa os rostos de 64 cidadãos milaneses que representam a resiliência da cidade - oferecendo uma narrativa racional da situação de emergência que a capital da Moda italiana enfrenta e uma mensagem de solidariedade a outras cidades do país e do mundo que estão a passar pelo mesmo desafio.  

Designers como Giorgio Armani, Domenico Dolce e Stefano Gabbana, Miuccia Prada, a influencer Chiara Ferragni e o rapper Fedez, a editora da revista Cabana Martina Mondadori, a cantora Gianna Nannini, o diretor da Vogue Itália Emanuele Farneti ou até o CEO da Gucci Marco Bizzarri escreveram as suas cartas de amor e apoio à cidade que os viu nascer ou adotou. 

A Moda não tem fronteiras, constrói pontes e é veículo de consciencialização das pessoas. Nos últimos dias Milão tem parado, como quando há um nevão e a vida na cidade fica suspensa. É um nevão sem neve, que afetou uma cidade cujas ruas estão sempre cheias de pessoas a fazer coisas ou a dirigir-se para sítios. “Numa altura em que se testam os nossos limites e contradições, a melhor maneira de reagir é transformar o medo e desorientação em responsabilidade coletiva e inclusão construtiva, beleza que presta homenagem à vida e um olhar de carinho para o próximo. Só então poderemos prosperar novamente”, refere Sumaya Abdel Qadar - ativista dos direitos das mulheres e primeira conselheira municipal muçulmana eleita em Milão em 2016. 

“Quando era criança e pensava onde os meus sonhos me levariam, pensava em Milão, não na América. Na minha cabeça a cidade tinha tudo, até o que não tinha. Imaginar a cidade mais brilhante e mais rápida era mais do que a ilusão de um jovem, era a minha percepção da efervescência, da tensão e do desejo de progresso que sempre fizeram de Milão única: europeia e atlântica, antiga e contemporânea ao mesmo tempo. Milão sempre foi aberta ao mundo e parte do mundo, sem complexos. Da Moda ao design, da indústria à cultura. Nunca foi periférica, sempre no centro de tudo. Eu gosto de tratá-la por metrópole, não pelo tamanho, mas pela energia. As coisas acontecem aqui. Trabalho duro, capacidade de reagir, teimosia encontram sempre expressão aqui. Durante as guerras mundiais e depois nos anos de terrorismo, Milão e os milaneses reagiram mostrando o seu melhor lado. Sem retórica, sem vitimizar, sem ficar agitados, de cabeça erguida. E farão isso novamente." Estas são as palavras de Marco Tronchetti, CEO da Pirelli.

 

Artigos Relacionados

Notícias 4. 10. 2017

Condé Nast lança a primeira revista LGBTQ

A Condé Nast revelou o seu novo projeto: Them, a primeira revista LGBTQ do grupo.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK