Notícias  

US Open 2023 & Rolex: match point

25 Aug 2023
By Beatriz Castelo

Os modelos Oyster Perpetual e Perpetual, da Rolex, são os relógios oficiais deste torneio, que contará com a presença da ex-campeã Chris Evert e da atual número um, Iga Swiatek.

A edição 2023 do US Open, um dos mais antigos torneios de ténis do mundo, terá lugar no USTA Billie Jean King National Tennis Center, em Nova Iorque, de 28 de agosto a 10 de setembro. O quarto e último torneio do Grand Slam da época terá, como acontece desde 2018, a Rolex como cronometrista oficial. Através do certificado cronómetro superlativo, os relógios Oyster Perpetual e Perpetual prometem uma maior (e melhor) precisão e fiabilidade durante os campeonatos. Chris Evert, uma das embaixadoras da Rolex, e seis vezes campeã do US Open, embora já reformada, relembra com carinho o tempo em que jogava em Nova Iorque, sua cidade natal.
Durante a sua carreira, foi a número 1 do mundo durante um total de 260 semanas e ganhou 18 títulos de singulares do Grand Slam. Qual é o seu torneio do Grand Slam preferido e porquê? Esta é uma pergunta muito difícil, em parte porque todos eles têm um significado especial para mim. O meu primeiro Wimbledon foi o mais importante, porque, enquanto crescia, era sempre visto como o maior e mais prestigiante torneio do Grand Slam a ganhar.
Foi uma das primeiras jogadoras a jogar maioritariamente a partir da linha de base e era conhecida pela sua consistência, resistência mental e estilo de jogo elegante. Como reflete sobre o jogo atual em comparação com os seus tempos de jogadora? Como é que o jogo evoluiu desde que se reformou em 1989? Acho que o jogo evoluiu naturalmente, como sempre acontece. Há mudanças, crescimento e adaptações em tantos elementos, desde o equipamento à investigação científica desportiva, passando pelas progressões táticas. E muito mais. No entanto, no final do dia, o conceito fundamental do ténis é praticamente o mesmo. Vemos nuances de estilos de jogo mais antigos em alguns jogadores e estilos muito diferentes noutros. Essa é uma das razões pelas quais o ténis é tão fascinante de ver: nada é igual e o jogo está em constante evolução.
Ganhou o US Open em seis ocasiões, tendo sido campeã de 1975 a 1978 e novamente em 1980 e 1982. O que é que é que aconteceu em Nova Iorque que fez o melhor das suas capacidades sobressair? Jogar em casa era sempre muito especial por causa do público de Nova Iorque e do Estádio Arthur Ashe. Embora todos os anos fossem diferentes, havia qualidades novas e emocionantes em todos os torneios que lá joguei. Ganhar seis vezes no meu país natal é algo que ficará para sempre comigo. Viajávamos muito ao longo do ano, por isso voltar aos Estados Unidos nessa altura da época fazia-me sempre sentir em casa e à vontade com o meu jogo. Ter tantas recordações naqueles courts quase me deu um empurrão extra sempre que os pisei.

Tendo sido jogadora e comentadora no US Open, notou algumas mudanças no icónico Grand Slam? Claro que sim. Quase sempre que se regressa a um torneio do Grand Slam, alguma coisa parece ter mudado, quer se trate das instalações, do campo, da temperatura, dos estilos de jogo, dos concorrentes ou dos meios de comunicação social. Apesar de o US Open se realizar todos os anos, é muito diferente em alguns aspetos. Gosto disso, porque o torna mais emocionante!
Nos últimos anos, temos assistido à formidável ascensão de um grupo de jovens americanos talentosos - incluindo Taylor Fritz e Coco Gauff. A quem devemos estar atentos no US Open de 2023? É ótimo ver tantos jovens americanos a ter bons resultados. Tanto Taylor Fritz como Coco Gauff, que também são embaixadores da Rolex, obtiveram grandes vitórias ao longo dos anos e são, sem dúvida, jogadores a ter em conta nos courts duros de Flushing Meadows. Nem todos os jogadores têm a sorte de ter um Slam em casa, por isso há sempre algo de especial num jogador que está a disputar um.
Pode falar-nos da sua relação com a Rolex? Como é que surgiu e o que significa para si? Sou embaixadora da Rolex há muitos anos, o que é um verdadeiro privilégio para mim. Partilhamos muitos valores, que foram importantes tanto durante a minha carreira de jogadora como agora; o principal é a procura da excelência e a tentativa de alcançar sempre o melhor. Gosto do facto de a Rolex ser intemporal; é moderna mas elegante, fiável mas venerada. A Rolex é o epítome do que um relógio deve ser e representar.
De que forma se identifica com a busca permanente da excelência da Rolex na sua carreira de tenista? Acho que a filosofia da Rolex de busca da excelência combina bem comigo e com a minha carreira. Quando comecei a jogar ténis, não sabia o que me esperava, mas sempre que entrava em campo esforçava-me por ser a melhor que podia ser em qualquer dia. Seguir este caminho ao longo da minha carreira levou-me a alcançar coisas com que só podia ter sonhado. Para mim, posso realmente identificar-me com a consistência, a eficiência e a longevidade de um relógio Rolex, porque essas palavras descrevem a minha carreira.

Já Iga Swiatek, campeã, e atualmente número 1, regressa a Nova Iorque após ter ganho por quatro vezes o Grand Slam. Com apenas 22 anos, esta embaixadora da Rolex pretende, acima de tudo, defender o seu título.
Quando começou a jogar ténis e quem lhe deu a conhecer o jogo? Foi a minha irmã mais velha que começou a jogar ténis e eu costumava estar presente nos treinos. No início, apenas a interrompia, mas rapidamente tentei treinar como ela e, à medida que fui crescendo, comecei a jogar regularmente. Para ambas, foi o nosso pai que nos introduziu no jogo e desde pequena que foi ele que teve o maior impacto no ténis para mim.
Em 2020, fez história ao tornar-se a primeira jogadora polaca a ganhar um título de singulares do Grand Slam. É motivada por recordes? O que significa para si este feito? Antes de mais, sou movida pela procura da excelência e por proporcionar entretenimento ao público. Gosto de jogar bem e de forma agressiva, mas também de mostrar alguma sofisticação em termos de rallies mais complexos ou de remates difíceis. Ganhar é importante, mas o ténis é um jogo de perdedores. Num jogo, só há um vencedor e todos os outros perdem. Quero ser uma jogadora consistente e ter uma carreira longa e saudável, por isso, mesmo que seja motivada pela vitória, tento sempre encontrar prazer no processo, no trabalho diário e na derrota, porque isso faz parte do trabalho.
 Para a Rolex, a busca permanente da excelência e a sua promoção são fundamentais. O que pensa sobre isso? Também está sempre à procura da excelência? Infelizmente, por vezes sou perfeccionista e isso não é necessariamente bom quando levado ao extremo. Quero esforçar-me constantemente para atingir a excelência, para ser uma melhor versão de mim mesma todos os dias. Na minha perspetiva, é possível lutar pela excelência e gostar do que estamos a fazer ao mesmo tempo, e é esse o meu objetivo - encontrar alegria no processo. Perseguir os meus objetivos, trabalhar as minhas capacidades, mas não estar demasiada concentrada na perfeição em si, porque isso pode levar ao esgotamento. Penso que a minha versão da procura da excelência está próxima da filosofia da Rolex. Não há excelência sem o processo de a perseguir e de encontrar alegria ou paixão nela.

Pode falar-nos da sua relação com a Rolex? Como é que surgiu, o que significa para si? A oportunidade de trabalhar com a Rolex surgiu depois de eu ter ganho o meu primeiro Grand Slam em Roland-Garros, em 2020. Ganhar um Grand Slam numa idade tão jovem foi definitivamente inesperado e mudou a minha vida em alguns aspectos. O meu sucesso permitiu-me desenvolver o meu sentido de moda, que dá grande ênfase a um estilo elegante e de alta qualidade. A minha relação com a Rolex também me faz sentir especial e orgulhosa das minhas conquistas desportivas. Quando estive na sede da Rolex, em Genebra, vi em primeira mão tudo o que tinha lido sobre a marca. Fiquei muito impressionado com a sua história, com os fortes valores dos empregados e com o facto de terem uma verdadeira vocação para fazer o trabalho e procurar a excelência. A relação que tenho com a Rolex é muito importante para mim.
Que relógios Rolex tem e tem alguma história sobre eles? Tenho um Datejust e adoro-o. É elegante, bastante pequeno e simples, o que é perfeito porque valorizo o conforto e a simplicidade no meu dia a dia. Uso-o quase sempre fora do campo. Tornou-se uma parte importante da minha indumentária não desportiva, porque adiciona um toque de elegância. Usei o meu Rolex pela primeira vez durante uma sessão fotográfica para uma revista de moda e apercebi-me de que se adapta e realça qualquer roupa, acrescentando um elemento distinto de elegância e carácter.
Está sempre a tentar melhorar. Qual é o seu próximo projeto ou área de concentração no jogo, à medida que procura estabelecer os mais elevados padrões de desempenho no ténis? No que diz respeito às minhas capacidades no ténis, quero melhorar o meu serviço para o tornar mais fiável e poder contar com ele, especialmente nos momentos mais difíceis de um jogo. Por outro lado, tenho algumas áreas a trabalhar em termos da minha preparação mental, como lidar com as minhas emoções enquanto jogo. Quero ter pensamentos mais construtivos e utilizá-los corretamente e a meu favor em campo.

Com apenas 21 anos, já é considerada uma pioneira do desporto. Qual é a importância de inspirar a próxima geração de tenistas? Um dos objetivos mais importantes para mim é inspirar os jovens atletas e as crianças a mexerem o corpo e a encontrarem um desporto que lhes seja mais adequado e lhes dê alegria. Vejo o meu impacto na Polónia no sentido de tornar o ténis cada vez mais popular, mas ainda há muito trabalho a fazer. Agora, quando estou concentrada na minha carreira, tento usar os meus canais nas redes sociais para publicar sobre ténis, desporto em geral ou um estilo de vida saudável. Há muitos comentários dos meus fãs que dizem que este tipo de conteúdo é útil e inspirador para eles. Vou mesmo continuar a fazê-lo. Haverá tempo para mais ações, mas, por enquanto, o meu desempenho em campo é o mais eficaz em termos de inspirar os outros. É um bom começo.
Nos últimos 40 anos, a ligação da Rolex a este desporto cresceu e floresceu a todos os níveis. Para a marca de relojoaria suíça, uma partida de ténis não é apenas um jogo, mas um duelo especial que leva ao limite os jogadores. Desde 1978 que a marca tem uma relação duradoura com o ténis e, hoje, pretende continuar a escrever novos desafios, novas histórias, e a encontrar novos campeões.

Beatriz Castelo By Beatriz Castelo
All articles

Relacionados


Entrevistas  

Conheça Adrian Appiolaza, o novo diretor criativo da Moschino

21 Feb 2024

Moda   Coleções  

LFW outono/inverno 2024 | O 40º aniversário da Semana de Moda de Londres

21 Feb 2024

Atualidade   Notícias  

Rolex Awards for Enterprise: os cinco laureados de 2023

20 Feb 2024

Palavra da Vogue  

O que lhe reservam os astros para a semana de 20 a 26 de fevereiro

20 Feb 2024