Artigo Anterior

Festejar em tempos de quarentena

Próximo Artigo

Como é que podemos reduzir a nossa pegada de carbono estando em casa

Curiosidades 2. 4. 2020

To be continued: Brave New World

by Ana Murcho

 

Queridos humanos trancados em casa, nós tratamos disto. Atenciosamente, todos os cães de rua.

Click here for the english version.

Caminho pelas ruas com o meu gang - o velho Dachshund, o pequeno Corgi, o Pitbull e mais alguns - como sempre faço. As ruas estão vazias. Podem dizer-me que talvez gostemos de passear por lugares menos aconselháveis, o que fazemos, mas não é o caso. Não há ninguém à vista. Ninguém. De tempos em tempos surge um carro da polícia, um estafeta que deve estar a entregar pizzas, outro carro da polícia. E é isso. Os aliens que agora olham isto, do espaço, vão pensar que estamos em guerra. “E estamos”, diz o pequeno Corgi, com lágrimas nos olhos. Os restaurantes estão fechados (e todos sabemos como adoramos espreitar os seus restos, é por isso que somos cães de rua), e isso é triste porque significa que não há luzes, não há música, não há crianças, não há risos, nada. As lojas, os supermercados, as escolas, tudo o que dá normalidade à vida humana estão em estado de sítio. O que será que eles fizeram? Por que é que isto está a acontecer? "Ouvi dizer que há um vírus. É contagioso. As pessoas estão a ficar doentes. É por isso que têm de ficar em casa. Não podem sair." O Pitbull explica-nos isto com uma aura de tristeza. Mais tarde, vou saber porquê - ele acabou de descobrir que seu ex-dono, que agora vive num lar, tem o vírus. Ele quer passar a ideia que é forte, que isto não o afeta, mas não consegue. Aqui está ele, o cão mais temido do mundo, a sentir todas estas emoções pelo seu velho mestre.

E aqui estamos nós. Os desajustados. Aqueles que não podem tomar decisões. As ruas são nossas. Finalmente! Quero dizer, não nos interpretem mal. Não as usaremos para nada além de correr, ladrar e caminhar. É isso que fazemos. Gostamos de ser livres. Não temos outras preocupações. Não nos preocupamos com dinheiro, fama, apenas queremos liberdade. E agora temo-la. Mas é curioso que agora possamos ficar aqui, do lado de fora, quando vocês têm de ficar aí, do lado dentro. “Hey, vejam isto!" O pequeno Corgi acabou de descobrir um tesouro: uma edição recente da revista Time. Algumas páginas estão rasgadas pelos elementos, outras estão novas. Quase no final há um indivíduo, Yuval Noah Harari, que escreve algumas coisas que parecem bastante relevantes sobre a situação atual. Aqui está o que ele tem a dizer sobre a vulnerabilidade da nossa sociedade. Da sociedade humana, isto é: "No século que passou desde 1918, a humanidade tornou-se cada vez mais vulnerável a epidemias, devido a uma combinação de população crescente e a melhores meios de transporte.” É verdade. Eles estão em todos o lado, vão para todo o lado e, quando é hora para reclamar, eles culpam-nos a nós. E esquecem-se de nós. E continua. “Hoje, um vírus pode viajar em classe executiva em todo o mundo em 24 horas e infectar megacidades de milhões. Deveríamos, portanto, ter esperado viver um inferno infeccioso, com uma praga mortal uma após outra. No entanto, a incidência e o impacto das epidemias diminuíram drasticamente. [...] Isso porque a melhor defesa que os seres humanos têm contra patógenos não é o isolamento; é informação.” 

Eles estão a ler isso, perguntei aos meus amigos que caminhavam comigo ao longo do rio? O Trump leu isso? O amigo dele, o brasileiro, leu isso? O velho Dachshund que está comigo desde que fomos descartados do canil nos subúrbios menciona que o autor do artigo escreveu aquele livro que as pessoas ficaram loucas há anos atrás, 21 Lessons For The 21st Century. "Mas parece que só o compraram, sabes? Sinto que a maioria simplesmente o colocou nas prateleiras e, na verdade, não o leu”, diz ele. Voltamos à edição rasgada da Time - é interessante que eles não possam sair, mas ainda continuem a deixar lixo no chão... O pequeno Corgi, o mais novo do gang, insiste que descobriu a melhor parte do texto. A sua voz minúscula e irritante lê-o para a lua: “O que esta história nos ensina para a atual epidemia de coronavírus? Primeiro, isto implica que não se pode proteger fechando permanentemente as suas fronteiras. Lembre-se que as epidemias se espalharam rapidamente mesmo na Idade Média, muito antes da era da globalização. [...] Segundo, a história indica que a proteção real vem da partilha de informações científicas confiáveis ​​e da solidariedade global. [...] Talvez a coisa mais importante que as pessoas devam perceber sobre estas epidemias seja que a disseminação de uma epidemia em qualquer país põe em risco toda a espécie humana.” Há um silêncio, um silêncio ainda maior do que esse enorme e triste silêncio de fim-de-vida que nos acompanha nas últimas semanas. “Põe em perigo toda a espécie humana? Isso também nos inclui a nós?”, Pergunta o Pitbull, indignado. "Acho que sim", respondo, sem mais vontade de esconder o medo. “Olha, nós vamos ficar bem. Acabamos sempre por encontrar uma maneira de dar um jeito. É isso que nos torna cães. Nós damos um jeito. Lutamos. Andamos pelas ruas. Fugimos de carros de noite e de dia. Passamos fome. Não será um vírus que destruirá nossa fé.” O velho Dachshund aproxima-se e coloca sua melhor voz de Pavarotti: “A minha mãe sempre dizia: ‘No fim tudo acaba por ficar bem. Se não estiver tudo bem, é porque não é o fim.’” E continuamos a nossa caminhada, apenas nós e a lua.

Artigos Relacionados

Notícias 28. 3. 2020

A indústria da Moda une forças para combater a pandemia mundial

À medida que a luta para conter a pandemia continua, cada vez mais marcas com impacto na indústria estão a trabalhar para fornecer ajuda à comunidade médica global e às vítimas do vírus.

Ler mais

Notícias 23. 3. 2020

Community Service: todos ajudam

Queremos que este espaço seja um aglomerado de mãos amigas que podem ajudar quem quer que não possa sair de casa a aceder a bens de primeira necessidade ou artigos de farmácia necessários.

Ler mais

Tendências 8. 2. 2018

O reino animal do Instagram

Alerta: fofura máxima.

Ler mais

Notícias 27. 11. 2017

Mundo Cão

A Vogue abriu o coração aos cães que estão para adoção na UPPA e resumiu os seus pedidos de Natal a apenas um: este.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK