Artigo Anterior

Porque é que os designers estão a reinterpretar os seus grandes hits?

Próximo Artigo

Porque é que aquele vestido novo é tão apelativo?

Tendências 30. 1. 2019

Cinco tendências das coleções Resort que ainda pode usar

by Irina Chitas

 

Em janeiro chega a frescura do Resort - até porque já nos esquecemos do outono e ainda é cedo demais para pensar no verão.

Colégio interno

Da esquerda para a direira: Miu Miu, Marni e Chanel ©D.R.

Daqui a três meses, vamos estar a elaborar logos e profundos discursos sobre a tendência colegial, que nos chegará mais em fetiche do que em realidade, mais em menina marota de banda desenhada do século passado – com direito a tudo, de saias plissadas a meias subidas – do que em jovem que, de facto, vai à escola. Mas Resort, numa espécie de transição para que este tipo de preppy não nos caia a seco no estômago, conta a mesma história com um tom diferente. Mais masculina, mais austera, mas britânica do que americana também, a pré-estação inclina-se para os blazers, as boinas, os cardigans. Há branco, vermelho e azul, claro, mas também há a severidade do tempo frio, a austeridade das regras, que alivia, claro, porque os uniformes sempre nos fizeram lembrar uma juventude onde as únicas rédeas eram as do vestuário.

Tinge-me que eu gosto

Da esquerda para a direita: Pringle of Scotland, Balenciaga e Prabal Gurung ©D.R.

O ­tie-dye­ voltou [pausa para sirenes de bombeiros, gritos de pânico, helicópteros furiosos, um T-rex gigante que cospe fogo numa metrópole, um buraco aberto no chão e Satanás, lá em baixo, a dizer-nos “Bem-vindos, o mundo acabou”]. Já está? Ok, ainda não [outra pausa para pôr as contas em dia, escrever o testamento, dizer na cara de toda a gente o que sempre achou inadequado – e se calhar é]. Pronto, avancemos. O tie-dye voltou e não há nada a fazer, porque o tie-dye sempre foi tão in your face que não vai resultar assobiar para o lado ou desejar com muita força que o tal T-rex seja real. Mas calma, isto é bom. É bom porque o tie-dye só está de regresso porque estamos preparados para ele. O mundo precisa de uma dose de doçura psicadélica, que nos mexa com o comodismo, que nos levante o traseiro da cadeira, que atire as riscas para 2007 que é onde elas pertencem. O tie-dye até teve respeito pelo nosso estado frágil e vem mais manso, vagaroso, mais suave. Deixou o arco-íris nos anos 60 e, no máximo, brinca com três tonalidades. Assim, docemente, para não ferir suscetibilidades, mas trazendo com ele a dose de terapia de alegria de que tão desesperadamente precisamos.

Elementar, minha cara Jessica

Da esquerda para a direita: Fendi, Gucci e Balenciaga ©D.R.

Não minta: cada vez que está a fazer zapping e passa por Crime, Disse Ela, fica a ver. “É só um episódio”, pensa, sabendo que se está a mentir. Cinco horas depois já se esqueceu que o mundo não tem um crime em cada esquina e está a indagar-se por que raio não tem o armário de Angela Lansbury. Bom, a Moda ouviu. O Resort está pejado de saias plissadas que chegam até ao fim dos joelhos, de blusas com laçadas que emolduram o rosto perspicaz, de sapatos em pele elegantes mas feitos para perseguir malfeitores, carteiras para pôr ao ombro mas que, haja necessidade, também funcionam como arma de arremesso. É o melhor dos anos 80, esta elegância contida, que vai na volta ainda rouba aos 50s um lenço em seda para tapar o cabelo e umas luvas de condução para aquelas perseguições perigosas. O crime só compensa quando estamos bem vestidas – não vá aparecer agora a Fashion Police.

Resort de quatro estrelas

Da esquerda para a direita: N.21, Miu Miu e Coach 1941 ©D.R. 

Para além de significar a pré-estação que antecede a primavera, todos sabemos o que quer dizer resort. Aqueles lugares paradisíacos onde o mundo exterior desaparece e o único problema é decidir entre a piscina, o spa ou o buffet. Mas o que também existe em muitos dos resorts – e não estamos aqui a incluir os de luxo supremo – é uma ostentação desmedida, onde os dourados e os rosas‑plásticos e as palmeiras se sucedem sem dar descanso nem fôlego. É mais ou menos o que se passa nesta tendência, cheia de Miami e Palm Springs, numa homenagem aos sunsets de tons adocicados. Fazem-no ironicamente, sarcasticamente, e o resultado é uma injeção de leveza neste inverno que serve como dress code para as aves migratórias que partem agora para poisos mais quentes.

English breakfast

Da esquerda para a direita: Stella McCartney, Fendi e Alexander McQueen ©D.R.

No século XIX, usar bordado inglês no Reino Unido era muito como usar lantejoulas hoje em dia: obrigatório. Pensa-se que tenha nascido na República Checa, perto do século XVI, mas os vitorianos britânicos tomaram-lhe tanto o gosto que se apropriaram da técnica e até lhe deram o nome. Percebe-se. O bordado inglês é extremamente belo, mas não é portentoso, não é demasiado vistoso. É comedido, diga-se, bem-comportado. Foi por isso que não cansou e foi por isso que desceu na história até ao nosso resort, todo em branco puro e casto, em vestidos longos e blusas curtas, em decotes largos e mangas em balão. É como aquelas frases inspiracionais muito cliché que dizem para se começar o ano a olhar para o futuro como uma página em branco. Ou algo assim.

 

Realização: Cláudia Barros e Larissa Marinho 

*Artigo originalmente publicado na edição de janeiro de 2019 da Vogue Portugal. 

Artigos Relacionados

Tendências 29. 1. 2019

Porque é que os designers estão a reinterpretar os seus grandes hits?

A Moda tem ressuscitado inúmeras peças dos arquivos. A Vogue foi investigar o porquê.

Ler mais

Tendências 10. 1. 2019

Lenços: o acessório de 2019?

Em jeito de preview da próxima estação, mas a pensar também no agora, a Vogue debruçou-se sobre os headscarfs e de como este acessório se pode transformar na next big thing da indústria.

Ler mais

Editorial 4. 1. 2019

Janeiro 2019

Something old, something new, something borrowed and something blue...

Ler mais

Tendências 17. 7. 2018

To dye for

A tendência dos anos 70 cujo regresso mais temíamos está de volta.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK