Artigo Anterior

SZA fala sobre o amor-próprio, o novo álbum e os seus segredos de beleza

Entrevistas 27. 7. 2021

Sohee Park é a nova couturier adorada por Bella Hadid, Cardi B e Miley Cyrus

by Alex Kessler

 

A designer e fundadora da Miss Sohee, nascida na Coreia do Sul, com sede em Londres, explica-nos o porquê do futuro da Alta-Costura estar nos talentos emergentes e de como a sua mais recente coleção é uma ode à sua avó.

Cortesia de Sohoo Park

“Ser sustentável é uma responsabilidade para os designers emergentes,” diz Sohee Park. “É por isso que sou atraída para a Alta-Costura - não há produção em massa e apenas é utilizado o necessário.” Desde o lançamento da sua marca epónima, Miss Sohee, a diretora criativa de 25 anos não só empregou um padrão eco-consciente, onde utiliza excedentes de tecidos e materiais reciclados, como também acumulou seguidores de grande renome como Cardi B, Miley Cyrus e Bella Hadid. 

Criada em Seul e agora baseada no oeste de Londres, a aluna da Central Saint Martins tem uma queda por bugigangas do passado que combina com a sua assinatura ultra-feminine panache. “Sempre me intrigaram coisas antigas, como roupa e mobiliário,” afirma Park. “Vejo potencial no clássico e no intemporal porque muitas dessas cosias são esquecidas.”

A coleção de Alta-Costura para o outono/inverno de 2021 é uma ode íntima às férias de infância passadas junto ao mar com a avó, que infelizmente faleceu no ano passado. “Cresci a ser inspirada por ela, era uma costureira tão hábil que gostava de bordar tudo”, conta. “Vivia na cidade, mas ir à casa dela à beira-mar era um escape total. Vivia no seu próprio mundo.”

Aqui, a Vogue conversa com a designer sobre as inspirações por detrás da sua última coleção, porque é que as práticas sustentáveis são cruciais e como o futuro da Alta-Costura reside no talento emergente.

Olá, Sohee! Qual foi o momento que lhe despertou o interesse por Moda?

Inicialmente eu queria ser ilustradora, porque a minha mãe é ilustradora de livros para crianças e eu cresci a brincar no estúdio dela. O ponto de viragem chegou quando tinha 14 anos e vi o desfile de Alta-Costura da Chanel para a primavera/verão de 2012 na televisão, na casa da minha avó. Fiquei tão inspirada com aquele escape. Depois, comecei a faltar às aulas para ver desfiles de Moda e comprar revistas.

Estudou na prestigiada Central Saint Martins, em Londres. Como designer, o que é que esta experiência lhe ensinou?

Crescendo na Coreia, era uma cultura muito conservadora e eu era aquela miúda esquisita que desenhava o tempo todo. Mas quando cheguei à CSM, os tutores pressionaram-me a ser a versão mais extrema de mim mesma.

A Alta-Costura é um nicho de mercado, especialmente para um jovem designer. O que é que neste ofício a atraiu e como vê o futuro?

Aprecio os bordados delicados, a costura à mão e todo o trabalho árduo que é feito para uma única peça, porque podemos senti-lo quando vestimos estas peças. É também relaxante, quase meditativo. Acho relaxante costurar milhares de cristais. A costura não deve ser apenas para as grandes casas de Moda com um atelier em Paris, é sobre o artesanato e a arte. Estamos num mundo onde há tanta roupa produzida em massa a criar desperdício desnecessário, por isso espero ver no futuro mais jovens costureiros que vão contra isso.

Licenciou-se durante o lockdown, o que deve ter sido difícil, e esta é a sua primeira coleção fora da universidade - como é ainda ter de trabalhar dentro dos limites da pandemia?

Pode ser stressante. Se alguém contrair a Covid-19, teríamos de fechar o estúdio. Além disso, há tantos atrasos na receção dos materiais. Os compradores parecem agora também estar a procurar roupas mais ‘vestíveis', mas eu ainda quero criar coisas em que acredito, e espero que tudo melhore em breve.

Fale-nos sobre a nova coleção. Quais foram as inspirações e referências?

Quando comecei a criar a coleção, a minha avó tinha falecido, por isso foi um momento difícil, mas fez-me olhar para trás, para as minhas memórias e para o tempo que passei com ela na sua casa junto ao mar, na Coreia do Sul. É perto da ilha de Jeju, a casa das mergulhadoras Haenyeo. Sem qualquer equipamento, estas mulheres mergulham 15 metros para recolher mariscos e algas marinhas à mão, o que também me inspirou. Adoro que as práticas sejam harmoniosas e mostrem respeito pelo oceano.

Há alguns elementos sustentáveis importantes no seu projecto. Conte-nos quais são as palavras-chave.

Adquiri cristais reciclados, patrocinados pela [fabricante de vidro] Preciosa, e encontrei este interessante tecido feito da planta abacá, uma espécie da bananeira, que parece cintilante e bonita. Utilizei muitos tecidos da Nona Source, que é uma marca gerida pela LVMH, que recorre a tecidos de design de deastock diretamente das suas etiquetas.

Tudo parece incrivelmente bonito. Qual é o seu look preferido? Diga-nos como é que é feito. 

Definitivamente o look branco - foi inspirado pelos volumes e curvas das conchas do mar. Levou três meses a ser criado, com cinco pessoas envolvidas. É feito a partir do tecido abacá, que é moldado numa bela figura - o processo demorou tanto tempo - e depois embelezamos tudo à mão com os cristais reciclados.

De Cardi B e Miley Cyrus a Bella Hadid, vestiu alguns ícones dos tempos modernos desde o lançamento da sua marca. Quem gostaria de ver a usar a sua roupa?

Adoraria vestir de novo Cardi B, penso que ela é a mãe da Alta-Costura. Estou obcecada por ela.

Se pudesse estar em qualquer parte do mundo neste momento, onde estaria?

Acabei de tomar a minha segunda dose da vacina, por isso espero poder voltar à Coreia e ver a minha família em breve. Há dois anos e meio que não vou lá.