Opinião   Editorial  

Setembro 2018

05 Sep 2018
By Sofia Lucas

Aretha, the queen of soul, the queen of divas.

Aretha, the queen of soul, the queen of divas.

Reinou como a maior cantora de soul, rock ou pop de sempre, não importava o estilo que cantasse, porque fosse como fosse, aquela emoção de intimidade crua estava sempre presente na mais dura e verdadeira das vozes americanas. 

“La supreme femme noire” foram as palavras usadas por David Bowie para a anunciar na entrega dos Grammy Awards em 1975, como Melhor Voz Feminina de R&B. Nessa noite Aretha subiu ao palco e disse à multidão: “Isto é tão bom que eu poderia beijar o David Bowie!” “Só que não beijou, e eu limitei-me a sair pelo lado esquerdo do palco”, lamentou tristemente o músico, numa entrevista em 1999 – e quem mais poderia fazer Bowie passar tantos anos a lamentar um beijo perdido? 

A sua capacidade de deixar marca não se preocupava com limites. Em Respect, o famoso clássico da pop escrito por Otis Redding, Aretha não se limitou a emprestar-lhe a sua voz poderosa. Em conjunto com as irmãs que compunham o coro, criou uma brincadeira maliciosa introduzindo o seu nickname de infância – Ree, Ree, Ree, Ree – como uma marca territorial, na qual retirava a música ao próprio Otis. No clímax da sua versão, Aretha acrescenta ainda uma pausa que não está no original de Redding: “R-E-S-P-E-C-T / take out T-C-P!” (apesar de em todas as transcrições da letra esta parte ser erradamente alterada para “Take care. TCP”): o que Aretha sugere é que se retirem as letras T, C e P, transformando RESPECT em REE, o seu nome. A marca indelével da diva, escrita com o toque admiravelmente perverso que só as divas conseguem. Aretha colou a sua impressão digital a Respect, garantindo que qualquer um que voltasse a cantar a canção chamasse pelo seu nome. Incluindo Otis Redding, que desde então, e de cada vez que a cantava ao vivo, a apresentava como “uma música que uma garota me roubou”. Era para ele uma honra suprema. 

Aretha tinha a mística de alguém introvertido, profundamente ferido, que parecia tímida até abrir a boca e se transformar num dragão com voz de fogo. As suas histórias, a sua soberania, o seu reinado sempre foram sobre a música, e o respeito que impunha ao seu redor manteve a sua vida pessoal privada e longe da popularidade mesquinha dos tabloides que não conseguiram explorar as suas lutas pessoais ou tormentos mais íntimos. Aretha não queria dizer quem era, mas mostrar aos outros o que eles próprios podiam ser. O seu lado sombrio e arrogante era uma manifestação do seu poder – e tornava-se difícil não o/a admirar. 

Em 1993, uma colunista do New York Post escreveu que Aretha “deve saber que é excessiva ao usar tal roupa, mas simplesmente não se importa com o que pensamos, e essa atitude é o que separa meras estrelas das verdadeiras divas”. E a verdadeira diva fez imediatamente uso do seu direito de resposta: “Como pode ser tão presunçosa a ponto de achar que pode conhecer as minhas atitudes em relação a qualquer coisa além da música?... Quando for reconhecida e respeitada como editora de Moda, por favor informe-nos. Dificilmente está em posição de determinar o que separa as estrelas das divas, já que você não é nem uma autoridade nem nenhuma delas.” Ninguém podia falar por ela e ninguém poderia desafiar sua soberania. 

Em todo o seu lado majestoso e em toda a sombra debaixo da sua capa de diva, o poder real de Aretha deu a si mesma e a tantas outras mulheres a quem inspirou e abriu caminho, permissão para ser o que quer que fossem e assumi-lo com orgulho. “Todos nós exigimos e queremos respeito, homem ou mulher, preto ou branco. É um direito humano básico”, proclamou. 

Nenhuma cantora americana foi mais aclamada do que Aretha, e apesar de não ter tido um sucesso no top 10 desde 1985, a diva nunca se preocupou em fazer algum tipo de regresso. Sabia que estava firmemente estabelecida, orgulhosamente envolta no seu manto de mistério até ao fim. Só mesmo Aretha, a diva das divas, para cronometrar a sua grande saída de cena no mesmo dia da morte de Elvis, ofuscando totalmente o 60.º aniversário de Madonna e roubando os holofotes a Nicki Minaj, que na mesma semana lançou novo álbum, ironicamente intitulado Queen. Apenas mais uma forma de Aretha nos lembrar quem era realmente a rainha e quem construiu o trono. Tal como a sua voz e a sua música vão encontrar sempre novas maneiras de nos lembrar quem ela era e, ainda mais importante, quem nós somos. 

R.E.S.P.E.C.T. (and not just a little bit)

Sofia Lucas By Sofia Lucas

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024