Lifestyle   Roteiro  

10 realizadoras mulheres que merecem uma nomeação ao Óscar em 2021

04 Mar 2021
By Radhika Seth

Com tantos dos filmes mais badalados deste ano a terem mulheres atrás das câmaras, não há desculpa para um elenco totalmente masculino quando a Academia revelar os seus nomeados a 15 de março. De Regina King a Sofia Coppola, estas são as incríveis realizadoras que merecem uma nomeação aos Óscares.

Com tantos dos filmes mais badalados deste ano a terem mulheres atrás das câmaras, não há desculpa para um elenco totalmente masculino quando a Academia revelar os seus nomeados a 15 de março. De Regina King a Sofia Coppola, estas são as incríveis realizadoras que merecem uma nomeação aos Óscares.

Chloé Zhao @the_lightleaks

Se Regina King ou Chloé Zhao, duas das mulheres na corrida para o Oscar de Melhor Realizador de 2021, receberem uma nomeação, serão as primeiras mulheres de cor a serem reconhecidas na categoria. É um facto surpreendente que chama a atenção para outra injustiça flagrante: apenas cinco cineastas (Lina Wertmüller, Jane Campion, Sofia Coppola, Kathryn Bigelow e Greta Gerwig) foram nomeadas nos 92 anos de história da Academia e apenas uma, Bigelow, levou o prémio para casa.

Por isso, depois da deceção que foi a lista de nomeados totalmente masculina de 2020, porque é que a cerimónia seguinte seria diferente? Porque, é claro, a pandemia em curso transformou a indústria cinematográfica como a conhecemos. Com os sucessos de bilheteria a atrasar as suas datas de lançamento, uma série de filmes independentes de baixo orçamento lançados via streaming tiveram a hipótese de encantar a crítica e o público. Muitos deles dirigidos por mulheres sem reconhecimento a nível global e com orçamentos de marketing menores do que o candidato médio ao Óscar, serão julgados pela sua qualidade, e não pela força das suas campanhas.

Antes do anúncio das nomeações, no dia 15 de março de 2021, apresentamos 10 mulheres que estão prestes a fazer história e os lançamentos extraordinários que deve adicionar à sua lista de visionamento agora. 

1. Chloé Zhao com Nomadland

Desde que o seu poético road movie ganhou o Leão de Ouro em Veneza e o People’s Choice Award de Toronto, os dois grandes termómetros ao Óscar, a realizadora nascida em Pequim parecia imparável. Apresentando o melhor desempenho da carreira de Frances McDormand, este drama melancólico desenrola-se na selva americana quando uma geração de trabalhadores se torna nómada a fim de reconstruir as suas vidas depois da queda de 2008. 

2. Regina King com One Night in Miami

Quase dois anos depois da sua vitória no Óscar com If Beale Street Could Talk, a atriz regressa com a sua estreia na realização: a história dos ícones negros Malcolm X (Kingsley Ben-Adir), Cassius Clay (Eli Goree), Jim Brown (Aldis Hodge ) e Sam Cooke (Leslie Odom Jr), que se encontram num quarto de motel para discutir a luta pela igualdade. Depois de um ano turbulento de protestos, é um filme profundamente comovente. 

3. Eliza Hittman com Never Rarely Sometimes Always

Terrível e sincero, o mais recente projeto da cineasta residente em Brooklyn investiga a mente de um adolescente (Sidney Flanigan) que embarca numa jornada perigosa desde Pensilvânia até Nova York para fazer um aborto. É uma narrativa lenta que termina com um murro no estômago, fornecendo um poderoso lembrete para salvaguardar os nossos direitos reprodutivos, que correm o risco de ser revertidos globalmente à medida que a pandemia avança. 

4. Kitty Green com The Assistant

O movimento #MeToo inspirou uma série de filmes, mas poucos se equiparam ao poder e à precisão deste emocionante thriller realizado pela australiana. É uma obra-prima em terror contido protagonizada por Julia Garner enquanto assistente numa produtora de Nova York que enfrenta uma cultura de assédio sexual. Honrá-lo com um Óscar pode mostrar a vontade que Hollywood tem de mudar.

5. Josephine Decker com Shirley

Com os seus cenários alucinantes e performances loucas, a fábula gótica da autora americana é um ataque emocionante aos sentidos. Elisabeth Moss assombra enquanto versão ficcional da escritora Shirley Jackson, que é errática, caseira e está consumida pelo seu último romance. Do seu design de produção meticuloso à cinematografia atmosférica e guião irónico, é uma conquista impressionante. 

6. Sofia Coppola com On the Rocks

Esta comédia de pai e filha reúne o guionista e realizador vencedor do Óscar com a sua musa, Bill Murray, e o resultado é comovente e histérico. Ele interpreta um galerista aposentado e pai excêntrico de uma escritora (Rashida Jones) que suspeita que o seu marido (Marlon Wayans) esteja a ter um caso. Para descobrir a verdade, a dupla parte numa aventura por Nova York e conquista os nossos corações no processo. 

7. Kelly Reichardt com First cow

Famosa pelo seu trabalho íntimo e elegíaco, a sua proposta mais recente é uma obra-prima - um faroeste fora do comum sobre um cozinheiro (John Magaro) e um imigrante chinês (Orion Lee) que começam um negócio com leite roubado da primeira vaca a chegar ao território de Oregon no século XIX. É um terno conto de amizade que com certeza vai ficar impresso em si durante muito tempo.

8. Miranda July com Kajillionaire

Surreal nem chega para descrever este novo projeto: uma comédia excêntrica que segue uma família de vigaristas (Evan Rachel Wood, Debra Winger e Richard Jenkins) que encontram uma cúmplice empreendedora (Gina Rodriguez) para os ajudar nos seus esquemas nefastos. Adicione baldes de espuma rosa, tremores debilitantes e um final de se ficar boquiaberto, e tem o melhor filme de July até hoje. 

9. Autumn de Wilde com Emma

Embora os trajes coloridos e cenários requintados garantam que a estreia da fotógrafa americana nas telas seja indicada em várias categorias do Óscar, é a sua hábil realização que faz com que esta peça de época seja irresistível. Anya Taylor-Joy é deliciosamente cáustica como a glamourosa anti-heroína de Jane Austen, à medida que ela se intromete na vida amorosa dos seus conhecidos com consequências desastrosas. 

10. Channing Godfrey Peoples com Miss Juneteenth

Uma ode edificante à feminilidade negra, o longa-metragem de estreia desta recém-chegada texana mostra Nicole Beharie como uma mãe solteira que está determinada a ajudar a sua filha (Alexis Chikaeze) a ganhar um concurso que lhe vai garantir uma bolsa de estudos na faculdade. Lida com temas pesados ​​com facilidade, desde o legado brutal da escravidão nos Estados Unidos ao impacto dos sonhos despedaçados, e emerge triunfante.

Radhika Seth By Radhika Seth

Relacionados


Pessoas  

Taylor Swift atua amanhã em Lisboa e traz consigo novos visuais para a The Eras Tour

23 May 2024

Moda  

Trend Alert | Crochet

23 May 2024

Agenda  

Lisbon Design Week 2024 | A semana dedicada ao design começa hoje

22 May 2024

Tendências  

Who let the baby bump out?

22 May 2024