Artigo Anterior

Maria e Pedro, os bonecos solidários vestem Diogo Miranda

Próximo Artigo

O novo capítulo da Alta-Costura de Jean Paul Gaultier

Notícias 27. 2. 2020

O que é que Raf Simons vai trazer à Prada?

by Sarah Mower

 

Um guia completo da estética de Raf Simons.

© Getty Images

O anúncio da co-direção criativa entre Miuccia Prada e Raf Simons é uma jogada de tal forma inovadora que toda a indústria da Moda está a aguardar a estreia desta dupla, com data marcada para a próxima Semana de Moda de Milão, em setembro de 2020. 

A principal questão que está a causar tanta emoção é a maneira como as roupas - para homem e mulher - podem parecer quando duas das cabeças mais inteligentes e independentes da indústria da Moda trabalham em conjunto. O que é que Miuccia Prada mais anseia ao trabalhar com Raf? A sua resposta: divertir-se. Ela quer “ampliar os horizontes do que a Moda pode ser e também se divertir. O que acho é que tu te divertes quando fazes coisas realmente boas, e essa diversão é adquirida com outras pessoas.” 

A citação vem de um artigo da revista System, no qual Miuccia e Raf se sentaram para terem uma conversa livre, em junho de 2016. Há um link para essa mesma entrevista no website do Raf. Esse brainstorm parece ter sido o desencadeador da explosão criativa que está prestes a ocorrer numa das marcas mais prestigiadas do planeta. “Em todos os níveis, posso sentir a visão muito clara da Miuccia, a sua mentalidade, a sua visão do mundo, a sua visão da arte, as suas opiniões políticas”, disse Raf. “E como pessoa, ela é capaz de construir e compartilhar isso numa escala megalómana. Acho tudo isso alucinante.” 

Miuccia e Raf são amigos de longa data, este relacionamento remonta-nos para o ano de 2005, quando Raf foi contratado para ser diretor criativo da Jil Sander, que à época era propriedade do grupo Prada. Foi esta a sua primeira chance de desenhar para mulheres,uma vez que Raf se estabeleceu como líder da irmandade belga e do estilo das subculturas na década de 90.

O sucesso crítico da sua residência de sete anos na Jil Sander, foi a rampa de lançamento para uma carreira que o levou a integrar o grupo de grandes diretores criativos. Os seus três anos na Dior, entre 2012 e 2015, foram seguidos pela renovação da Calvin Klein, que passou a Calvin Klein 205W39NYC, que durou de 2016 a 2018. Durante todos estes anos, o criador belga continuou com a marca homónima que fundou em 1995. 

Agora que se juntou a Miuccia Prada, aqui está uma análise forense do manual de Raf Simons - as diferenças e semelhanças de estilo que trará com ele para se fundir ao universo da Prada. 

Raf loves color

Um gosto ousado por combinações de cores fortes é um carimbo consistente da Rafology. O designer tem pontuado consistentemente as suas coleções com azul elétricos, amarelo primário, fúcsia, verde esmeralda, vermelho. 

Jil Sander, primavera/verão 2007; Raf Simons, primavera/verão 2019; Dior, outono/inverno 2012© Getty Images

Um tailoring minimal

O corte de um fato preto tem estado sempre presente nas coleções que Raf apresenta. O emblemático Bar Suit - com o qual abriu o seu primeiro desfile de Alta-Costura da Dior, no outono de 2012 - foi uma afirmação dos fatos de Raf, que podem ser rastreados de uma forma quase idêntica através das suas próprias coleções e dos tempos na Jil Sander. É muito provável que Miuccia Prada fique de olhos postos nestas criações. 

Dior Alta-Costura, outono/inverno 2012; Jil Sander, outono/inverno 2007 © Getty Images

Muito volume

Desde o início, o designer belga sempre foi um grande fã de silhuetas oversized. Esta viagem começou com os seus próprios hoodies e parkas extravagantes no desfile do outono de 2001 (que antecedeu o fenómeno do streetwear), e deu lugar a silhuetas espaçosas em casacos, que são agora a sua assinatura. Simons faz esses cortes de maneira clássica e com glamour, para homem e mulher. 

Jil Sander, outono/inverno 2006; Raf Simons, outono/inverno 2001 © Getty Images

White shirts, black ties

Dificilmente houve uma coleção do Raf em que as camisas brancas e o black tie não apareçam. O que acontecerá na casa feminista da Prada quando esse significante do uniforme masculino de negócios - com toda a sua política ambivalente de poder  - surgir para debate ma esfera feminista?

Jil Sander, outono/inverno 2012 e outono/inverno 2006 © Getty Images

Uma audiência masculina muito leal

Seguidores leais do simbolismo interno de Raf e da valorização das subculturas adolescentes do século XX - punk, techo, new wave, rave, gabber - significa que todos os olhos das duas gerações masculinas (aqueles que viviam como Raf e os seus amigos e agora os millennials e a Gen Z) vão ficar magnetizados com o que vai acontecer quando ele apresentar a sua coleção na Prada.

Raf Simons, primavera/verão 2019 e outono/inverno 2018 © Getty Images

Um romântico em segredo

Raf tem um lado sensível e emocional, que vai além da sua nostalgia pela juventude perdida. Às vezes, expressava de maneira fabulosa um tipo de romantismo muito mais diretamente referenciado do que Miuccia jamais se permitiu. Será que o designer vai convencer Ms. Prada a deixar-se levar pela inesquecível beleza dos anos 50 que criou na Jil Sander, e pelos incríveis vestidos dignos de museu do século XVII e casacos bordados na Dior? Certamente, Miuccia vai achar uma certa piada. 

Dior Alta-Costura, outono/inverno 2014; Jil Sander, outono/inverno 2012;  Dior Alta-Costura, outono/inverno 2014 © Getty Images

Um admirador de braços à mostra

Tops sem mangas são, sem dúvida, uma assinatura da estética masculina de Raf Simons. É provável que ande de braços dados com a mesma tendência italiana de Miuccia para as mulheres. 

Raf Simons, primavera/verão 2016;Calvin Klein 205W39NYC, outono/inverno 2017 © Getty Images

Vamos ver calções

Pernas masculinas à mostra são uma constante nas coleções de Simons. Será que vamos ver o mesmo nas linhas femininas da Prada?

Raf Simons, primavera/verão 2013 © GoRunway

O enigmático

Os sinais e símbolos enigmáticos de Raf, presos em patchwork e às vezes impressos em fita, passaram das próprias coleções para a Dior e Calvin Klein. Será que estas duas forças vão criar um novo projeto secreto para manter os seguidores da Prada tentados nesta nova década?

Dior, primavera/verão 2014; Raf Simons, primavera/verão 2011 e primavera/verão 2017 © Getty Images

Artigos Relacionados

Notícias 26. 11. 2019

O futuro da Moda: como é que os designers estão a responder a uma indústria cada vez mais homogénea

Raf Simons afirmou: “só queria fazer roupa.” Tendo isso em conta, a Vogue reflete sobre o porquê da criatividade se estar a perder nas prioridades comerciais da indústria da Moda.

Ler mais

Notícias 25. 11. 2019

Prada x Adidas: tudo o que precisa de saber sobre a colaboração

A notícia que todos os sneakerheads queriam ver confirmada há meses chegou. Reunimos tudo o que precisa de saber sobre a colaboração entre a Prada e a Adidas.

Ler mais

Curiosidades 27. 2. 2019

14 colaborações icónicas entre designers e realizadores

Do extravagante tutu Rodarte que surge em Cisne Negro ao irrepreensível fato Prada que DiCaprio usa numa das cenas de Romeu + Julieta, a Vogue apresenta as 14 colaborações mais memoráveis entre os designers de Moda e os realizadores.

Ler mais

Notícias 26. 12. 2018

A Calvin Klein de Raf Simons

Dois anos depois de ter assumido o controlo criativo da Calvin Klein, no dia 21 de dezembro foi anunciado que Raf Simons já não exerce funções na marca norte-americana. Apesar da curta estadia, o designer belga deixou o seu cunho bem demarcado.

Ler mais