Artigo Anterior

Os melhores momentos dos Óscares de 2022

Próximo Artigo

Faleceu o fotógrafo de Moda Patrick Demarchelier

Notícias 31. 3. 2022

Os quatro ativistas que revolucionaram o panorama trans

by Pedro Vasconcelos

 

Neste Dia Internacional da Visibilidade Trans, a Vogue Portugal homenageia quatro personalidades históricas que marcaram o movimento LGBTQIA+.

 A Morte e Vida de Marsha P. Johnson (2017), © Netflix

Ao longo das aulas de História aprendemos sobre centenas de figuras históricas, a maioria homens brancos, que, na ausência de mais conhecimento, se tornaram no nosso imaginário como os únicos que tinham o poder de mudar o mundo. Mas a história não se limita àquilo que nos ensinam na escola, e quando se trata de património LGBTQIA+, os espaços em branco são mais que os preenchidos. Por isso mesmo, no Dia Internacional da Visibilidade Trans, tomámos as rédeas.

Dia 31 de março é o Dia Internacional da Visibilidade Trans, um dia dedicado à celebração da identidade trans. Enquanto população, as pessoas transgénero são das mais vulneráveis da nossa sociedade, ainda alvo de imensa discriminação, tanto social como legislativa. Por isso mesmo reafirmamos o nosso apoio a toda a população transgénero, e, por essa mesma razão, escolhemos homenagear quatro ativistas que revolucionaram o mundo em que viveram.

A coragem destas quatro figuras históricas, a forma como avançaram a história de quem somos enquanto uma civilização, é feita no simples ato da sua existência. A determinação em viverem quem são, independentemente das consequências negativas que teriam de arcar, é não só louvável, como verdadeiramente revolucionário. Honramos os titãs da história trans, que mudaram o mundo para as futuras gerações LGBTQIA+, tornando-o num sítio melhor.

Marsha P. Johnson (1945-1992)

 

O trabalho e património de Marsha P. Johnson é extremamente extenso, desde o seu papel nos Stonewall Riots, um dos acontecimentos mais marcantes no movimento de direitos LGBTQIA+, aos seus contributos durante a crise da Sida/HIV. A ativista, que após os eventos em Stonewall, criou uma associação que deu abrigo e alimentação a vários indivíduos trasngénero, tornou-se sinónimo do ativismo trans. Até à sua morte, em 1992, Johnson foi um símbolo do progresso da comunidade LGBTQIA+.

Sylvia Rivera (1951-2002)

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por Harvey Wang (@harveywang_ny)

 

Tal como Marsha P. Johnson, Sylvia Rivera foi uma das pessoas essenciais à catalisação do movimento de direitos LGBTQIA+. Em conjunto com esta, Rivera fundou STAR (Street Transvestite Action Revolutionaries), uma das primeiras instituições no mundo dedicada a apoiar pessoas transgénero, trabalhadores sexuais e membros mais novos da comunidade LGBTQIA+. Foi também uma poderosa ativista política, lutando a sua vida toda pela segurança dos direitos da comunidade queer. Mesmo após a sua morte, em 2002, o legado da ativista perdura, através da associação Sylvia Rivera Law Project, que se foca na representação política de pessoas transgénero.

Alan L. Hart (1890-1961)

 

Alan L. Hart foi o primeiro homem transgénero nos Estados Unidos a fazer uma cirurgia de mudança de sexo, assim como tratamentos de hormonas que se estabelecem como os primórdios das técnicas disponíveis hoje em dia. Hart foi também um dos mais importantes investigadores médicos do século XX, avançando o conhecimento sobre a tuberculose. Através dos métodos desenvolvidos pelo cientista, que permitia o diagnóstico da doença infecciosa através de raios-x, foram salvas inúmeras vidas, incluindo as de indivíduos assintomáticos, que de outra forma não teriam sido diagnosticados.

Lou Sullivan (1951-1991)

 

Louis Sullivan foi um ativista americano, assim como um dos primeiros homens transgénero a entrar na consciência pública. O autor, que se identificava como homossexual, é também responsável pela distinção entre orientação sexual e identidade de género, conceitos que, até aos seus contributos, eram considerados sinónimos. Para além das suas várias obras, Sullivan fundou também a associação FTM International, que se especializava no apoio médico e psicológico a homens transgénero. O ativista apelou por várias vezes à Associação de Psiquiatria Americana para reconhecer a sua identidade enquanto transgénero e homossexual, e até à sua morte em 1991, lutou pelos direitos de toda a população trans. 

Artigos Relacionados

Notícias 25. 2. 2022

Ucranianos LGBTQ+ alertam para abuso de direitos humanos com invasão russa

Ativistas do país afirmam que uma possível ocupação poderá fazer retroceder uma década de progressos.

Ler mais

Tendências 9. 2. 2022

Como é que James Bidgood reinventou o imaginário queer

Ler mais

Tendências 18. 6. 2021

Queer: da censura à inclusão

Sabia que há pouco mais de 50 anos era proibido que os filmes norte-americanos mostrassem cenas homossexuais? É verdade, eram consideradas “perversões sexuais”.

Ler mais

Tendências 17. 6. 2020

O cinema LGBTQIA+

O que têm em comum estas obras cinematográficas? Amor sem rótulos.

Ler mais

Curiosidades 5. 6. 2020

O bê-á-bá do LGBTQIA+

Perdeu-se no meio de tantas letras? Neste mês do orgulho, a Vogue apresenta-lhe um glossário dos principais termos utilizados no seio da comunidade LGBTQIA+. Porque como diz a populaça, a asneira é faladora e é sempre melhor evitá-la.

Ler mais

Compras 3. 6. 2019

10 peças para assumir uma posição no mês do orgulho LGBTQI+

É hora de vestir a camisola, ou calçar uns ténis, com mensagens em prol do amor e da liberdade.

Ler mais