Curiosidades  

Quando Harry Styles conheceu David Hockney: um primeiro olhar exclusivo sobre um novo retrato especial

02 Aug 2023
By Vogue Portugal

Um pintor lendário e uma estrela pop?

As faíscas eram inevitáveis. David Hockney e Harry Styles partilham uma conversa muito especial com Liam Hess.

David Hockney, Harry Styles, 31 de maio de 2022. Acrílico sobre tela121,92 x 91,44 cm © David Hockney.
Fotografia: Jonathan Wilkinson

Qual é o segredo de um grande retrato? Aos 86 anos, David Hockney tem algumas ideias. Uma vida inteira de observação ensinou-o a começar sempre pelo rosto. "Começo primeiro pela cabeça", diz, de forma natural, a partir da sua casa em França. "Depois disso, faço tudo o resto."

Foi essa a sua abordagem quando, no final de maio do ano passado, Harry Styles viajou para o seu estúdio cheio de luz na Normandia e se sentou numa cadeira de cana, pronto para se tornar o mais recente objeto do estimado artista.

Durante dois dias, Hockney trabalhou para captar os tons exatos de vermelho e amarelo do casaco às riscas de Styles, o índigo das suas calças de ganga, o colar de pérolas ao pescoço - para não falar da inconfundível franja despenteada de uma das maiores estrelas pop do mundo. No entanto, para o artista, o objetivo era apenas captar a essência da pessoa que tinha à sua frente. "Na altura, não tinha consciência da sua popularidade", diz Hockney, encolhendo os ombros. "Ele era apenas mais uma pessoa que vinha ao estúdio."

A dupla estabeleceu uma relação instantânea que foi provavelmente facilitada pelo facto de Styles ser um fanboy assumido. Para a sua sessão fotográfica de capa da Vogue em 2020, Styles usou um par de calças Bode pintadas à mão que incluíam uma ilustração talismânica de Hockney feita pela artista Aayushia Khowala. É difícil imaginar a admiração deste britânico vistoso a descobrir as emoções soalheiras da Califórnia - um tema, e som, que tem estado presente nos álbuns a solo do antigo cantor dos One Direction - sem ter Hockney como precedente. "David Hockney tem vindo a reinventar a forma como olhamos para o mundo há décadas", diz Styles. "Foi um privilégio total ser pintado por ele".

A revelação do retrato dá início à segunda iteração da exposição "Drawing From Life", da National Portrait Gallery, que foi inaugurada em fevereiro de 2020 e encerrada semanas depois devido à pandemia. Com a adição de uma nova sala de imagens que traça os impulsos criativos de Hockney durante o confinamento, a exposição regressa a 2 de novembro - alguns meses após uma remodelação de todo o museu - com o retrato de Styles como a sua joia da coroa. "O mundo inteiro fechou e a exposição continuou ali, às escuras", recorda Sarah Howgate, a curadora sénior das colecções contemporâneas da galeria, que supervisionou a exposição em ambas as fases. "Por isso, é bom saber que vai ter outra vida."

Hockney pinta Harry Styles no seu estúdio na Normandia, onde o retrato de Clive Davis também pode ser visto em segundo plano.
Fotografia: JP Gonçalves de Lima

O quadro Styles pode ser uma estrela, mas o génio despretensioso dos retratos de Hockney continua a ser a principal atração da exposição. O que faz com que as suas imagens funcionem, aprende-se rapidamente, é a sua honestidade: seja na tensão que borbulha sob a superfície do seu famoso retrato duplo de Ossie Clark e Celia Birtwell, pintado entre 1970 e 71, ou nas figuras sentadas que povoaram a sua exposição da Royal Academy of Arts de 2016, que incluía figuras como a sua própria irmã, Margaret, e o falecido comediante Barry Humphries. O olhar de Hockney para a figura humana pode ser lúdico, frequentemente caleidoscópico, por vezes fantasioso - mas é sempre, acima de tudo, franco.

O retrato de Styles será pendurado ao lado dos do escritor Gregory Evans, do impressor de Hockney, Maurice Payne, do presidente da câmara da sua cidade Dozulé, do seu jardineiro e até do seu quiropodista, ou, nas palavras de Hockney, "o dandy que corta as minhas unhas dos pés".

Um dos seus temas mais recentes foi o eminente produtor musical Clive Davis, que sugeriu convidar Styles a passar por lá. "O Clive falou-me do novo álbum do Harry e o JP [assistente de estúdio de Hockney] contactou o Harry e perguntou-lhe se gostaria de vir ao meu estúdio para fazer o seu retrato", recorda Hockney. "Ele respondeu de imediato e disse que sim, que adorava". A partir daí, o processo de Hockney para pintar Styles foi instintivo. "Toda a gente veio sentar-se", diz ele, com naturalidade, antes de admitir: "Mas agora sei que o Harry é uma celebridade: vi todos os seus videoclips."

"Ele não é um retratista tradicional", diz Howgate. O interesse de Hockney não está no que as pessoas fazem, mas sim em quem elas são. "Não está interessado na fama. Está interessado em retratar as pessoas e as suas relações." É por isso que, atualmente, o seu olhar se concentra sobretudo no seu círculo íntimo - mas também é um testemunho da sua curiosidade duradoura o facto de ainda estar disposto a abrir-se a um recém-chegado de vez em quando. Styles parece saber a sorte que tem, acrescentando, com um toque de incredulidade: "Estou maravilhado com o homem que tem piadas suficientes para uma vida inteira". E quais seriam essas piadas? O silêncio mútuo de Styles e Hockney sobre essa questão sugere que o que acontece no estúdio, fica no estúdio.

A exposição "David Hockney: Drawing From Life" estará na National Portrait Gallery a partir de 2 de novembro, e até 21 de janeiro de 2024.

 Artigo originalmente publicado aqui.

Vogue Portugal By Vogue Portugal
All articles

Relacionados


Moda   Compras   Tendências  

Trend Alert | Deep V

20 Jun 2024

Eventos   Atualidade  

Tudo o que precisa de saber sobre o Vogue World: Paris

20 Jun 2024

Moda   Entrevistas  

Moda, costume português | ARNDES

20 Jun 2024

Curiosidades  

Os 7 momentos mais emblemáticos de Jourdan Dunn ao longo da sua carreira na Moda

19 Jun 2024