Artigo Anterior

Miranda Hobbes, a governadora

Próximo Artigo

São Francisco proíbe a venda de pelo

Notícias 21. 3. 2018

Poesia, todos os dias são poesia

by Irina Chitas

 

Hoje é Dia Mundial da Poesia, a expressão de palavras mais nossa de todas as expressões de palavras. A Poesia não morreu, a nossa língua não morreu, e a Assírio & Alvim e os Artistas Unidos mostram-nos porquê.

O dia em que deixarmos de ler versos é também o dia em que entregamos o nosso tesouro nas mãos do destino. É o dia em que abdicamos de nós, de corpo e coração, em que largamos a alma que passámos séculos a construir. Estamos sempre a dizer que falamos na língua de Camões, o maior deles todos, mas temos de abrir mão do estereótipo que temos sobre nós próprios quando dizemos que não compreendemos poesia, que todos aqueles parágrafos não nos tocam, que nós somos mais prosa ou romance de algibeira. Todas as palavras são melhores do que nenhuma, mas se há era para prestar vassalagem a Herberto, a Belo, a Florbela, a Adília, a Maria Teresa, a Sophia, a Alice, a Al Berto, a O'Neill, é agora, é hoje.

Devemos muito da nossa paixão a editoras como a Assírio & Alvim (que hoje lança, para nosso júbilo, a sua conta de Instagram, para devorar diariamente) que continua a não deixar que a fogueira se apague. Mostram-nos isso sempre, mas dia 21 de março em especial, quando entra de rompante pela porta dos Artistas Unidos e lhes pede que declame para o mundo inteiro, de coração aberto, de alma despida. Os vídeos são para ver abaixo, a poesia é para sempre.

Condição Humana de Ruy Belo, por Jorge Silva Melo

[Os nosso dedos abriram mãos fechadas] de Sophia de Mello Breyner Andresen, por Catarina Wallenstein

Estação de Mário Cesariny, por João Pedro Mamede

 

 Há Palavras que nos Beijam de Alexandre O'Neill, por João Meireles 

 

As Palavras Interditas de Eugénio de Andrade, por Nuno Gonçalo Rodrigues  

Artigos Relacionados

Tendências 21. 3. 2018

#poesia

“A escrita é a minha primeira morada de silêncio”, disse Al Berto.

Ler mais

Tendências 4. 10. 2017

AL BERTO

Vinte anos depois da morte, Alberto Pidwell Tavares chega às salas de cinema numa longa metragem assinada por Vicente Alves do Ó. Al Berto, o filme, é um contorno temporal da vida do poeta, logo após o regresso a Portugal, baseado em episódios reais, contados numa narrativa de proximidade.

Ler mais

Tendências 30. 7. 2017

Cinema: Paterson

Jim Jarmusch, o maestro dissidente do indie, está de regresso com uma ode aos versos do quotidiano e ao dia-a-dia da criação artística.

Ler mais

Palavra da Vogue 26. 6. 2017

Are there?

Sabemos que concordamos com a poesia feminista de Morgan Parker: é de ler de repente, de seguida, urgentemente, de uma ponta à outra. Ainda não sabemos se concordamos com o título.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK