Artigo Anterior

Carminho: “Acreditar é ser fiel”

Próximo Artigo

Superação, motivação, derrota: 17 atletas portuguesas partilham as suas lições

Inspiring Women 26. 2. 2019

Óscares 2019: Quem são as duas vencedoras das categorias de guarda-roupa e cenografia?

by Mónica Bozinoski

 

Ruth Carter e Hannah Beachler foram as primeiras mulheres afro-americanas a vencerem os Óscares de Melhor Guarda-Roupa e Melhor Cenografia, respetivamente, pelo seu trabalho em Black Panther.

Ruth Carter, vencedora do Óscar de Melhor Guarda-Roupa ©Getty Images

Depois do hashtag #OscarsSoWhite ter assombrado a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood pela falta de diversidade, tantos nos bastidores como nas nomeações, a nonagésima primeira cerimónia dos Óscares, que aconteceu no passado domingo, foi uma cerimónia verdadeiramente histórica para as mulheres na sétima arte.

Para além de Period. End of Sentence. ter ganho o Óscar de Melhor Documentário de Curta-Metragem, num momento que fez subir ao palco uma importante discussão sobre igualdade menstrual, Ruth Carter e Hannah Beachler foram as primeiras afro-americanas a levar para casa as estatuetas douradas de Melhor Guarda-Roupa e Melhor Cenografia, ambas pelo seu trabalho em Black Panther - o primeiro filme do universo Marvel a fazer história e ser galardoado nos Óscares. 

Ruth Carter

Ruth Carter, que trabalhou no guarda-roupa de filmes como Selma, Malcolm X ou Amistad - estes dois últimos, com realização de Spike Lee e Steven Spielberg, valeram à figurinista duas nomeações para os Óscares de 1993 e 1998, respetivamente -, foi a primeira das duas galardoadas a subir ao palco da nonagésima primeira cerimónia para aceitar aquela que foi, também, a primeira distinção da noite para Black Panther


"Spike Lee, obrigada por me teres dado a minha primeira oportunidade. Espero que este prémio te deixe orgulhoso", disse Ruth Carter no seu discurso de agradecimento. "A Marvel pode ter criado o primeiro superherói negro, mas através do design do guarda-roupa, conseguimos transformá-lo num rei africano", defendeu a figurinista.

"Obrigada à Academia. Obrigada por honrarem a majestosidade africana, e honrarem o modo empoderador como as mulheres podem ser e liderar no grande-ecrã", continuou Carter. "Obrigada ao nosso diretor e génio, Ryan Coogler. És uma verdadeira força e um verdadeiro guia. Obrigada pela tua confiança. Obrigada por compreenderes o meu papel e contares a história afro-americana." 

Hannah Beachler

Poucos minutos depois de Ruth Carter deixar um marco nos 91 anos da Academia, foi a vez de Hannah Beachler fazer história como a primeira mulher afro-americana a não ser apenas nomeada, mas também a receber o Óscar na categoria de Melhor Cenografia, valendo a Black Panther a segunda vitória da noite. 


Hannah Beachler, que foi responsável pela cenografia de projetos como Lemonade, o primeiro e aclamado álbum visual de Beyoncé, e de longas-metragens como Moonlight, Creed: O Legado de Rocky ou Miles Ahead, subiu ao palco da cerimónia acompanhada por Jay Hart, o decorador dos cenários que deram vida ao mundo imaginário e extraordinário de Wakanda. 

"Hoje, estou aqui mais forte do que ontem", disse Beachler no seu discurso. "Estou aqui com liberdade, independência e autoestima graças ao Ryan Coogler - que não só fez de mim uma melhor designer e uma melhor contadora de histórias, mas também uma melhor pessoa. Estou aqui graças a este homem, que me ofereceu uma perspetiva diferente sobre a vida. Que me ofereceu um espaço seguro. Um homem que é paciente, que me deu espaço, humanidade e irmandade. Obrigada, Ryan, adoro-te." 

Para terminar aquele que foi um dos discursos mais empoderadores e emotivos da noite, Beachler deixou uma lição valiosa não só a futuros cenógrafos, mas também a todos aqueles que assistiam à cerimónia. "Quero dar esta força a todos aqueles que vierem depois de mim. Para que possam continuar e para que nunca desistam. Quando pensarem que é impossível, lembrem-se deste conselho que uma mulher verdadeiramente sábia me disse em tempos: 'Eu fiz o meu melhor, e o meu melhor é suficientemente bom.'"


Hannah Beachler e Jay Hart ©Getty Images

Três: um número histórico

Como noticia o Slate - e somando a distinção de Regina King como Melhor Atriz Secundária (If Beale Street Could Talk) às vitórias verdadeiramente históricas de Ruth Carter e Hannah Beachler -, a nonagésima primeira edição dos Óscares viu três mulheres negras ganharem três estatuetas douradas na mesma noite, batendo mais um recorde para a Academia. 

"Estar aqui, a representar um dos maiores artistas da nossa geração, James Baldwin, é um pouco surreal", disse King, que também levou para casa o prémio de Melhor Atriz Secundária nos Golden Globes deste ano, no seu discurso. "O James Baldwin fez este bebé nascer, e tu, Barry [Jenkins], deste-lhe tanto amor e apoio. Por isso, é apenas apropriado que eu esteja aqui, porque eu própria sou um exemplo daquilo que acontece quando se dá amor e apoio a alguém", continuou a vencedora."Às minhas irmãs nesta arte, Marina [de Tavira], Amy [Adams], Rachel [Weisze] e Emma [Stone], tem sido uma honra ouvir o meu nome seguido dos vosso." Mulheres que apoiam mulheres? Estamos aqui para isso.

Regina King ©Getty Images

Uma nova era para as mulheres nos Óscares

Em retrospetiva, a nonagésima primeira cerimónia dos Óscares foi uma noite memorável para as mulheres na sétima arte, que chegaram prontas para ganhar e empoderar os nomes que vierem a seguir, abrindo um caminho mais democrático e inclusivo.

Maya Rudolph, Tina Fey e Amy Poehler foram responsáveis pelo primeiro monólogo da noite. Regina King foi nomeada pela primeira vez, e sagrou-se vencedora. Hannah Beachler e Ruth Carter fizeram história como as primeiras mulheres afro-americanas a ganharem o Óscar nas categorias para as quais estavam nomeadas.

Bao, a primeira curta de animação da Pixar realizada por uma mulher, Domee Shi, levou a estatueta dourada para casa. Na categoria de Melhor Documentário de Curta-Metragem, uma história sobre igualdade menstrual, um tema que continua a ser tabu na nossa sociedade, foi uma das grandes vencedoras da noite.

E depois veio Olivia Colman que, na sua primeira vez como nomeada, venceu o Óscar de Melhor Atriz com The Favourite. "Emily e Rachel, as duas mulheres mais maravilhosas do mundo por quem te podes apaixonar, e as mulheres mais maravilhosas com quem podes trabalhar todos os dias. Quer dizer, acho que todos conseguem imaginar", disse a atriz. "E estar nesta categoria, com todas estas mulheres maravilhosas. Glenn Close, há tanto tempo que és a minha ídola, e não era assim que eu queria que tivesse sido. Acho que és fantástica e adoro-te." 

Em retrospetiva, é impossível ficar indiferente a uma cerimónia que, no centro de tanta controvérsia - do dilema dos apresentadores às questões da igualdade de género e de raça -, acabou por nos dar quase quatro horas de empoderamento feminino, das mais diversas formas. Obrigada, Óscares de 2019 - podemos apenas esperar que daqui para a frente seja assim, ou melhor ainda. 

Artigos Relacionados

Tendências 25. 2. 2019

Billy Porter desafiou estereótipos na red carpet dos Óscares

Naquele que foi decididamente o grande momento de estilo da noite, o ator de Pose optou por usar um vestido tuxedo ao invés do clássico smoking.

Ler mais

Eventos 25. 2. 2019

Óscares 2019: os looks da after-party

A after-party mais concorrida é sempre a da Vanity Fair, que este ano voltou a contar com nomes como Miley Cyrus, Kendall Jenner e Jennifer Lopez.

Ler mais

Curiosidades 25. 2. 2019

Aquele momento em que se falou do período no palco dos Óscares

Sim, estamos a falar desse período. Da menstruação. E sim, foi um dos momentos mais memoráveis da nonagésima primeira cerimónia dos Óscares.

Ler mais

Eventos 25. 2. 2019

Óscares 2019: todos os looks da passadeira vermelha e os vencedores

A passadeira vermelha mais aguardada da award season está aqui.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK