Beleza   Tendências  

Os oito momentos na passerelle que mudaram a beleza para sempre

10 Feb 2021
By Tish Weinstock

Do nascimento do grunge na década de 1990 às declarações anti-beleza de Martin Margiela e Alexander McQueen, sem esquecer a celebração da diversidade de fluidez de género em Charles Jeffrey e Savage X Fenty, estes são os nossos momentos de beleza favoritos de todos os tempos.

Do nascimento do grunge na década de 1990 até à indefinição das fronteiras de género e a celebração da diversidade que vemos nas passerelles de hoje, a beleza está em constante mutação. Refletindo e reagindo face aos tempos que vivemos, as tendências vêm e vão, mas existem sempre aqueles momentos marcantes de beleza que ficam gravados na nossa mente.

Marc Jacobs para Perry Ellis, primavera/verão 1993

Kate Moss e Kristen McMenay
Kate Moss e Kristen McMenay

O ano é 1992 e a Moda está ainda em decadência desde os anos 1980 - shoulder pads, penteados poderosos, cabelos grandes, maquilhagem extravagante. Mas chega Marc Jacobs com as suas Dr. Martens e as camisas axadrezadas para a primavera/verão 1993 de Perry Ellis. Inspiradas pela cena musical underground de Seattle, as modelos foram para a passerelle com o cabelo emaranhado, as maçãs do rosto coradas, lábios nus e sobrancelhas arqueadas - era anti-establishment e anti-glam. “Eu queria que eles tivessem a aparência de quando caminham pela rua”, disse Jacobs numa entrevista ao The New York Times. O desfile foi um fracasso tão grande que Jacobs foi demitido, mas foi um momento crucial, tanto para a Moda quanto para a beleza, inaugurando assim um novo clima - que celebrou a contracultura, a autenticidade e a individualidade, inspirando as gerações vindouras.

Maison Margiela, outono/inverno 1995

© Condé Nast Archive
© Condé Nast Archive

Numa época de supermodelos e superdesigners, Martin Margiela preocupou-se com as roupas e os conceitos por detrás delas, cultivando o mistério e anonimato com etiquetas fantasma e a famosa rejeição a todas as entrevistas.

A coleção para o outono/inverno de 1995 é o exemplo perfeito disso, com a introdução da máscara Margiela. Confeccionados em gaze rosa choque, azul marinho, preto e castanho, estas máscaras despojaram o seu portador de toda a identidade. Embora comuns no mundo de hoje, as máscaras teriam ido contra todos os impulsos culturais do momento - uma época definida pela logomania, notícias de tabloid, rap music e a cultura das celebridades. Como tal, marcou um momento-chave na beleza e que parece particularmente pertinente em 2021.

Thierry Mugler, Alta-Costura outono/inverno 1997

© Getty Images
© Getty Images

Thierry Mugler foi um daqueles designers que soube aproveitar o poder da maquilhagem para contar uma boa história. Para o seu desfile de Alta-Costura para o outono/inverno 1997, foi a história da Metamorfose de Kafka, que culminou na transformação da modelo Adriana Karembeu numa criatura mutante - parte animal, parte alienígena - com penas, lentes de contacto amarelas, lábios de frutos vermelhos. Deixando de lado o cabelo e maquilhagem como meio de realçar a beleza, Mugler abriu um precedente para as gerações seguintes.

John Galliano, Alta-Costura primavera/verão 2004

Liya Kebede © Condé Nast Archive
Liya Kebede © Condé Nast Archive

Para o desfile da primavera/verão 2004, John Galliano transportou-nos para o antigo Egito. Contando com a ajuda da colaboradora de longa data Pat McGrath, as modelos foram transformadas em deusas douradas e rainhas Cleópatra. Pense em pálpebras brilhantes que se estendiam até às sobrancelhas gráficas, pestanas superdimensionadas em ouro, lábios cintilantes, joias estrategicamente colocadas e fragmentos sob os olhos, adornando as orelhas e acentuando o queixo. Foi uma aula magistral na arte da fantasia.

Alexander McQueen, outono/inverno 2009

© Getty Images
© Getty Images

“Encontro beleza no grotesco”, disse Alexander McQueen numa entrevista para a Harper’s Bazaar. “Tenho que forçar as pessoas a olharem para as coisas.” Esse desejo de chocar e confrontar deu origem a alguns dos momentos de beleza mais subversivos da indústria da Moda. Em particular, os rostos brancos fantasmagóricos, as sobrancelhas descoloridas e os enormes lábios brilhantes de palhaço, um criação de Peter Philips.

Havia algo de fetichista e profundamente perverso nessa combinação, contrabalançado pelos cabelos esculturais de Guido Palau. Foi um momento de destaque, que falou para qualquer pessoa que já se sentiu feia ou que não se encaixasse.

Vetements, primavera/verão 2015

© Vetements
© Vetements

Um discípulo de Margiela, Demna Gvasalia deu início a uma nova era -  repleta de referência, ironia, utilitarismo e uma espécie de Moda anti-moda. Quanto à beleza, as modelos eram escolhias na rua - uma reação às grandes modelos da época - e sem qualquer polimento, com cabelos desgrenhados e feições angulosas. Tratava-se de autenticidade, desafiando a homogeneidade da era Kardashian e a implacável cultura selfie que estava a ganhar força.

Charles Jeffrey, primavera/verão 2018 - menswear

Para o desfile de estreia, o designer escocês apresentou uma carta de amor aos club kids londrinos dos anos 80, mas com uma reinterpretação direcionada para a era do Instagram. Uma profusão de cores e nostalgia, os modelos foram enviados para a passerelle cobertos de rabiscos infantis, blocos de pintura facial e fragmentos de fita-cola. Uma abordagem lúdica da masculinidade vista através do prisma da cultura queer, foi uma resposta às conversas sobre  fluidez de género que estavam a acontecer no mainstream, estabelecendo um precedente para designers como Art School, Eckhaus Latta, Vaquera e qualquer um que tenha seguido o exemplo.

Savage X Fenty, outono/inverno 2018

© Getty Images
© Getty Images

Durante muito tempo, os apelos pela diversidade e inclusão não foram ouvidos - até que Rihanna apareceu para mostrar à indústria como é que isso é feito. Tendo como pano de fundo o Jardim de Éden, pessoas de todas as formas, tamanhos, cores, identidades de género e orientações sexuais invadiram o palco para o desfile de estreia da cantora, Savage X Fenty. De Paloma Elsesser e Jazzelle Zanaughtti a Slick Woods, grávida de nove meses, a beleza foi representada em todas as suas formas, naquela que foi um momento crucial para a indústria da Moda e da Beleza.

Tish Weinstock By Tish Weinstock

Relacionados


Lifestyle  

Hermès: reabertura da icónica loja em Lisboa

28 Feb 2024

Moda   Compras   Tendências  

Trend Alert | Midriff

28 Feb 2024

Entrevistas   Pessoas  

Chemena Kamali fala sobre a Chloé: Karl, liberdade, Phoebe, empatia e o apelo duradouro dos anos 70

28 Feb 2024

Palavra da Vogue  

O que lhe reservam os astros para a semana de 27 a 4 de março

27 Feb 2024