Artigo Anterior

Netflix estreia documentário sobre o concerto de Beyoncé no Coachella

Próximo Artigo

Oito filmes que colocam a mulher no centro da exploração espacial

Agenda 2. 5. 2019

Os destaques dos festivais feministas de Lisboa e do Porto

by Cátia Pereira Matos

 

Maio promete ser o mês mais feminista do calendário de 2019, graças ao Festival Feminista de Lisboa e ao Festival Feminista do Porto. Ambos arrancam amanhã, sexta-feira, e propõem diversas atividades, muitas das quais de entrada livre, relacionadas com a causa feminista. Dizemos-lhe o que não pode perder.

Durante o mês de maio, dois eventos pretendem refletir sobre as várias vertentes do feminismo e debater as questões das desigualdades e discriminações baseadas no género. Falamos do Festival Feminista de Lisboa, que regressa à cidade para uma segunda edição, e do Festival Feminista do Porto, que caminha para a quarta edição, depois de uma pausa em 2016. Ambos começam amanhã, sexta-feira, 3 de maio, e integram diversas atividades culturais de entrada gratuita, nomeadamente debates, concertos, performances, exposições, intervenções urbanas e workshops nas áreas da comunicação, do cinema, da ginástica íntima e da autodefesa pessoal.

Reunimos os destaques da programação dos dois eventos e dizemos-lhe o que marcar na agenda.

Em Lisboa

A countdown para o início do Festival Feminista de Lisboa já começou: no site do evento, contam-se as horas, os minutos e os segundos que faltam para o arranque de mais uma edição desta iniciativa que pretende posicionar o feminismo no centro do debate durante os fins de semana — sextas, sábados e domingos — de maio. Pelo segundo ano consecutivo, o festival instala-se em vários espaços da cidade e assenta numa programação cultural diversificada e alargada a todos os públicos.

Amanhã, sexta-feira, 3 de maio, pelas 17h, realiza-se na biblioteca de São Lázaro o debate “Gravidez, Parto e Maternidade: pela visibilização da mulher-mãe no ativismo feminista”. Trata-se de uma reflexão sobre as formas de discriminação das mulheres no contexto da gravidez, conduzida pela socióloga Dulce Morgado Neves. No dia seguinte, sábado, um debate idêntico, a ter lugar na associação cultural Valsa pelas 15h, vai abordar a temática da violência obstétrica, isto é, tudo o que diga respeito a atos de negligência médica e maus tratos durante o parto.

Já a manhã de domingo, 5 de maio, é dedicada a um workshop de pompoarismo (prática oriental que visa fortalecer a musculatura do períneo) com a terapeuta Mónica Rocha. Esta atividade acontece às 11h na sede da UMAR — União de Mulheres Alternativa e Resposta, em Alcântara.

No fim de semana seguinte, sábado, 11 de maio, no espaço Sirigaita, acontece a inauguração de “Apropriada”, uma instalação fotográfica da autoria da arquiteta Bárbara Bravo que convida a uma reflexão sobre o corpo feminino. À noite, no mesmo local, acontecem as performances "Mulher Braba”, da bailarina Béthany Martínez, e “A Melhor Versão de Mim Própria”, da artista Sandra Varela.

No domingo, 19 de maio, às 10h, a professora de ioga Renata Zanotto conduz, durante uma hora e trinta minutos, uma aula prática de reconexão com feminino no espaço Yoga Lab Lisboa.

No último sábado do mês, 25 de maio, acontece a festa de encerramento do festival na Fábrica do Braço de Prata, às 22h. Mas horas antes, às 17h, no espaço Valsa, realiza-se um workshop de guionismo especialmente destinado às mulheres negras.

No Porto

São mais de 40 as atividades que compõem a programação da quarta edição do Festival Feminista do Porto, um evento que, ao longo das próximas cinco semanas, vai chamar a atenção da população para importância da causa feminista, sobretudo através de palestras e oficinas.

Às 18h de sábado, 4 de maio, após a apresentação do número 5 da revista feminista Revirada, acontece no Espaço Compasso um debate sobre o que é que a luta por um futuro igualitário implica. Já na tarde de domingo, 5 de maio, na livraria Confraria Vermelha, discutem-se formas de empoderar as mulheres na área da tecnologia.

Na segunda sexta-feira do mês, 10 de maio, às 18h30, o centro comercial da Cedofeita acolhe uma tertúlia sobre a importância do autocuidado, da saúde e do bem estar psicológico como estratégia de autoproteção da mulher negra. Dois dias depois, na manhã de domingo, 12 de maio, às 11h, realiza-se na Casa Bô um workshop de autodefesa feminista. No mesmo espaço, à tarde, é possível assistir “O Renascimento do Parto 2”, documentário do realizador brasileiro Eduardo Chauvet que aborda a temática da violência obstétrica.

Na sexta-feira, 24 de maio, das 14h às 16h30, as mulheres são convidadas a conhecer a anatomia da genitália feminina e a desenhar vulvas no workshop “Draw Your Own Pussy”, a acontecer no espaço Yantra. O Festival feminista do Porto termina na sexta-feira seguinte, 31 de maio, com uma festa no Radio Bar.

Artigos Relacionados

Entrevistas 8. 3. 2019

Maria Gil: “Ainda há muitas vozes por ouvir”

É mulher. É cigana. É feminista. Maria Gil é uma soma de partes.

Ler mais

Entrevistas 8. 3. 2019

Sandra Baldé: "Gostava que as pessoas tivessem mais empatia"

No mundo digital, Sandra Baldé é mais conhecida como Uma Africana. Uma Africana que fala abertamente sobre questões raciais, privilégios sociais, representatividade e inclusividade. Uma Africana que prova que a voz não tem idade.

Ler mais

Agenda 7. 3. 2019

O melhor do pequeno ecrã no feminino

Estas são as séries, estas são as mulheres, estas são as amigas que nos dizem que mesmo quando corre tudo mal, vai correr tudo bem.

Ler mais

Entrevistas 13. 12. 2018

Um ano depois, o impacto de #MeToo e Time’s Up

Um ano depois do escândalo que envolveu Harvey Weinstein, a Vogue conversou com quatro mulheres sobre o impacto global dos movimentos #MeToo e Time’s Up, que ecoaram em Hollywood e mais além.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK