Lifestyle   Notícias  

Os 10 melhores momentos da cultura pop em 2021

23 Dec 2021
By Michelle Ruiz

Aqui, olhamos para alguns dos momentos que melhor definiram a cultura pop em 2021.

Este foi o segundo ano de pandemia e os conflitos políticos e sociais sobre vacinas e o seu acesso dominaram as manchetes. De alguma forma, esse peso só fez com que a cultura pop - as celebridades e os atletas e os programas de televisão e os fenómenos da internet de que falamos e mandamos mensagens - se tornasse mais bem-vinda e, atrevo-me a dizer, mais valiosa. Aqui, olhamos para alguns dos momentos que melhor definiram a cultura pop em 2021.

A entrevista de Meghan Markle e Príncipe Harry a Oprah

Desde o tell-all de Princesa Diana com Martin Bashir em 1992, em que disse que “há três de nós” no seu casamento com Príncipe Carlos, nenhum membro da família real tinha falado tão abertamente sobre o funcionamento da Empresa. Quebrando definitivamente a política de relações públicas da monarquia de “nunca se queixem, nunca expliquem”, Meghan e Príncipe Harry contaram a história de uma família real que não se apoia, mesmo quando Meghan sofreu de pensamentos suicidas durante a sua gravidez. Choque - mas talvez não - descreve Meghan quando descobriu que um familiar anónimo terá levantado questões acerca da cor da pele do seu filho Archie antes de ter nascido. O especial teve vários momentos altos: uma masterclass de Oprah sobre entrevistas (“Estavas silenciosa ou foste silenciada?” vai para sempre viver na minha memória), um momento que condenou a monarquia britânica, e duas horas de televisão cativantes que juntaram 17 milhões de espectadores para esta montanha-russa emocional.

O triunfo de #FreeBirtney

© Getty Images
© Getty Images

Protestos de fãs dedicados contra a tutela de 13 anos da pop star estavam a acontecer há algum tempo, mas em 2021 o movimento #FreeBritney finalmente tornou-se conhecido. Um momento marcante veio em junho quando Spears quebrou o seu silêncio imposto com uma declaração em tribunal, descrevendo como a sua tutela, liderada pelo pai, controlava o seu trabalho, finanças e até - com detalhes perturbadores - os seus direitos reprodutivos.

20 anos depois de chegar aos holofotes da fama, o documentário do New York Times Framing Britney Spears deu uma nova perspetiva a como Spears era sexualizada, manipulada e reduzida nos seus primeiros trabalhos - um espelho de como a nossa cultura tratava e ainda trata jovens mulheres famosas. Mas 2021 foi também o ano em que #FreeBritney completou um ciclo, já que a tutela chegou ao fim em novembro. “Eu só quero a minha vida de volta”, disse Spears na sua declaração em junho. Como Liam Hess, da Vogue, escreve, este foi o ano em que “os sonhos há muito negados… finalmente se tornam uma realidade” para Spears.

Bennifer 2.0: a tour de reencontro

 

De uma forma, 2021 tornou-se num portal para 2002, com a reemergência do há muito adormecido romance entre Jennifer Lopez e Ben Affleck e a subsequente tour de toques. O nome de relação voltou aos nossos lábios com Lopez e Affleck aconchegados para as câmaras desde Cannes até à MET Gala, inspirando imitadores como Kravis e Machine Gun Kelly e Megan Fox. Acompanhar Bennifer 2.0 foi, como disse Abby Gardner, praticamente um desporto olímpico só por si. Foi uma performance artística, um comentário ao capitalismo, ou uma versão moderna de punking? De qualquer forma, foi puro entretenimento e distração estrelar.

Os comentários radicais de Simone Biles e Naomi Osaka sobre saúde mental

 

A ginasta norte-americana mais premiada de todos os tempos teve o olhar e a pressão de todo o mundo em julho, quando se retirou da equipa feminina na final dos Jogos Olímpicos de Tóquio. As suas lutas no tapete estavam a ser afetadas por um pesado obstáculo mental: Biles estava entre as mais de 150 mulheres e meninas que foram sexualmente abusadas pelo antigo médico da equipa Larry Nassar, e a organização de ginástica ainda não chegou a acordo com as vítimas. “Com o ano que tem sido”, disse Biles, “não estou muito surpreendida como correu”.

Em maio, a jogadora de ténis vencedora do Grand Slam Naomi Osaka fez um ato igualmente corajoso, retirando-se do Open francês depois dos organizadores se terem recusado a permitir que se retirasse dos briefings depois dos jogos. No Instagram, Osaka revelou que estava a viver “enormes ondas de ansiedade” relativamente à imprensa de ténis e que andava a batalhar crises de depressão desde o U.S. Open em 2018. “Tenho passado tempos difíceis a tentar lidar com isto”, acrescentou.

Biles e Osaka escolheram proteger a sua saúde mental, especialmente sendo mulheres negras e asiáticas, passaram uma mensagem importante, não só a atletas e ambiciosos, mas também a qualquer pessoa que as veja. “No fim, também somos humanos e temos de proteger a nossa mente no nosso corpo, em vez de fazer só o que o mundo espera de nós”, disse Biles. Juntas, redefiniram o que significa ser campeã.

O crossover de Squid Game para os Estados Unidos

Desde os seus primeiros momentos - um jogo do macaquinho do chinês pela sobrevivência - o drama de suspense atingiu permeação cultural completa. Criado por Hwang Dong-hyuk e inspirado pelas suas próprias dificuldades socioeconómicas, Squid Game chegou rapidamente a número um na Netflix - e tornou-se na série mais vista na plataforma - a primeira série coreana a consegui-lo. Deu origem a uma paródia do SNL e disfarces de Halloween, Squid Game foi entretenimento (e terror) que tocou num nervo, chegando num momento de insegurança económica generalizada. “Eu queria escrever uma história que fosse uma alegoria… sobre a sociedade moderna capitalista, algo que retratasse uma competição extrema”, disse Hwang à Variety, “algo como a competição da vida”.

A ascendência de Olivia Rodrigo

Fomos todos adolescentes de coração partido novamente, a conduzir casualmente pela casa do nosso ex, quando ouvimos Driver’s License, da jovem de 17 anos. O single, que se tornou viral em janeiro (e já foi transmitida quase mil milhões de vezes), tem tudo: uma letra de partir o coração, vocais poderosos e inspiração verdadeira. (Corre um rumor que é sobre o ex de Rodrigo, antigo colega no Disney Channel, Joshua Bassett.) O lançamento do seu álbum de estreia, Sour, em maio só catapultou Rodrigo para mais longe, canalizando a zanga de Alanis Morissette e Fiona Apple e o poder de composição de Taylor Swift (que já admitiu ser fã de Rodrigo). Se ainda restam dúvidas que Rodrigo se tornou na primeira adolescente dos Estados Unidos: quando a Casa Branca quis promover a vacinação a jovens adultos acima dos 12 anos, recrutaram Rodrigo - que apareceu num fato Chanel e plataformas ao estilo de Cher Horowitz - como defensora.

O verão de The White Lotus

Como uma mistura de Succession e os episódios de Saved by the Bell em Malibu Sands, a série da HBO dominou o nosso verão com um elenco irredimível, personagens irresistíveis que se relacionam e se ajudam umas às outras num resort havaiano de cinco estrelas. O seu chefe: Armond (o divinal Murray Bartlett), o gerente do White Lotus que rapidamente perdeu o controlo; Shane (Jake Lacy), um rapaz de uma fraternidade já crescido numa lua de mel desastrosa; e Jennifer Coolidge como Tanya, que espalha as cinzas da sua mãe (e as suas lástimas pessoais) no bar do hotel. The White Lotus foi uma delícia para os olhos e permitiu-nos escapar, mas como as melhores séries de 2021, deu aos espectadores algo mais profundo, explorando tensões entre classes de staff e hóspedes, capitalismo e colonialismo. Meses mais tarde, a música altamente viciante ainda grita aos meus ouvidos.

O lançamento multimédia de Red (Taylor’s Version)

A muito esperada versão de 10 minutos de All Too Well, completada com uma adaptação em curta-metragem, mais o vídeo de I Bet You Think About Me, realizado por Blake Lively e com Miles Teller - cheio de Easter eggs - tudo isto perfeitamente alinhado com o Sad Girl Fall! Ninguém lança (ou relança!) um álbum como Taylor Swift.

As 7,8 horas de The Beatles: Get Back

O binge-watch para pôr fim a todos os binge-watch de 2021, realizada pela Disney+ de Peter Jackson, a série documental deu uma das perspetivas mais íntimas do processo criativo dos Beatles, desenrolando-se à medida que faziam Let It Be e preparavam uma performance no topo da sede da Apple Corps em Londres, em janeiro de 1969. Um ano depois, a banda separou-se. The Beatles: Get Back é um exercício de destruição de mitos: enquanto que a tensão é aparente - a certo ponto, George Harrison desiste temporariamente - o famoso quarteto nunca chega a conflito. Em vez disso, são civilizados, comunicativos e, acima de tudo, fraternais. Get Back também mostra que Yoko Ono foi dificilmente a culpada pela separação. Embora sempre presente ao lado de Lennon, era uma “presença benigna” em sessões de gravação, como diz Jackson, silenciosamente a ler o jornal enquanto história musical se fazia. Em gravações recuperadas como um reality show moderno, é cativante ver o riffing de Paul McCartney envolver-se na música, para não falar da Moda da época.

O regresso de O Sexo e a Cidade

 

Um dos programas de televisão mais icónicos e influentes viveu muito para além do seu final em 2004 e até os filmes com receção ambivalente. A internet nunca ultrapassou verdadeiramente, com Instagrams como Woke Charlotte a fazer correções socialmente conscientes e tweets que imaginam onde as meninas estariam agora. Em 2021, deixamos de ter de imaginar: SATC tem uma sequela em streaming, And Just Like That na HBO, que estreou a 9 de dezembro. Só as filmagens foram um evento da cultura pop, desde a decisão de Kim Cattrall de não repetir o papel de Samantha a especulações sobre Big e o podcast de Carrie. Para não mencionar: os looks, como documentados em @everyoutfitonsatc. De toda a antecipação por muitas reimaginações de franchise (não peço desculpa a The Sopranos), And Just Like That foi indiscutivelmente the one.

Michelle Ruiz By Michelle Ruiz

Relacionados


Notícias   Guestlist  

YSL Loveshine brilha na capital espanhola

19 Apr 2024

Estilo   Moda   Tendências  

Tendências do guarda-roupa das nossas mães e avós que regressam na primavera/verão de 2024

19 Apr 2024

Atualidade   Eventos   Notícias  

Tudo o que deve saber sobre a Met Gala de 2024: Tema, anfitriões e muito mais

18 Apr 2024

Atualidade   Estilo   Moda  

E o dress code da Met Gala de 2024 é...

18 Apr 2024