Artigo Anterior

7 cores para o outono/inverno de 2018

Próximo Artigo

22 dos melhores cenários da francesa Chanel

Tendências 28. 9. 2018

Livro de História: Brigitte Bardot

by Daniel Morgado

 

Para Andy Warhol, foi a primeira mulher da era moderna. Os Beatles adoravam-na e a escritora Marguerite Duras apelidou-a de Queen Bardot. Brigitte é indubitavelmente uma lenda viva – expressão que não entende mas que não a impede de o ser.

Participou em mais de 50 filmes, lançou álbuns de música e é, há mais de 40 anos que é ativista pelos animais. Casou com um milionário, teve uma cena escaldante com Jane Birkin e um romance com Serge Gainsbourg. Nos seus tempos de glória, era definitivamente a pessoa a não perder de vista.

femme fatale nasceu em 1934 e tencionava seguir a carreira de dançarina de ballet. Porém, depois de pisar a passerelle, em 1949, foi descoberta pelo ator francês Roger Vladim (com quem viria a casar mais tarde), que a sugeriu para o filme Les Lauriers Sont Coupés. O filme nunca chegou a acontecer mas foi o suficiente para a encorajar a seguir a carreira de atriz. Depois de pequenas participações, teve o papel no provocador And God Created Woman, em 1956, que a lançou definitivamente no Cinema – e para o resto do mundo. Nas duas décadas seguintes, continuou a trabalhar como atriz em filmes como Le Mépris (1963) e Shalako (1968).

Retirou-se em 1973 e vive atualmente no sul de França, onde dirige a Foundation Brigitte Bardot, que angaria fundos e apela à consciencialização para os direitos dos animais.

Bardot lançou diversas tendências como a Bardot neckline - um decote largo que expõe os ombros, catapultou a popularidade do biquíni e tornou Cannes e St. Tropez em destinos de Moda. Incrivelmente bonita e explicitamente sensual, a sua imagem é um ícone para todas as gerações. As suas marcas de assinatura são os característicos olhos-de-gato, os cabelos loiros despenteados e o sorriso e curvas femininas.

Artigos Relacionados

Tendências 17. 8. 2018

Livro de História: Chanel

Não se queimaram soutiens, mas nem por isso a emancipação feminina foi menos significativa: desapertaram-se espartilhos, alargaram-se cinturas, libertaram-se as mulheres. Nasceu Chanel.

Ler mais

Pessoas 29. 8. 2017

Livro de história: Ingrid Bergman

Um retrato vivo de beleza, o expoente máximo de feminilidade clássica, a personagem de um dos romances mais icónicos da sétima arte. Esta é Ingrid Bergman: o ícone, a atriz e a mulher que protagonizou uma história real que enche o imaginário de cada um.

Ler mais

Pessoas 31. 7. 2017

Até à eternidade, Jeanne Moreau

Hoje despedimo-nos de uma lenda do cinema francês, da musa de François Truffaut e Roger Vadim, de um símbolo da nouvelle vague e da elegância francesa.

Ler mais

Tendências 17. 3. 2017

Livro de História: Alexander McQueen

Revisitamos a narrativa estética de um dos mais geniais criadores do nosso tempo.

Ler mais

Tendências 22. 11. 2016

Livro de História: Victoria’s Secret

Era uma vez um lugar mágico onde todas as supermodelos ganham asas. Este podia ser o início de um livro de fantasia utópica, mas é só a história da Victoria’s Secret.

Ler mais

Tendências 27. 8. 2016

Livro de história: Tom Ford

Se a provocação tivesse outro nome, poder-se-ia chamar Tom Ford. Mas a este primeiro atributo seguir-se-iam apelidos como talento, visão e trabalho árduo. Fazemos o retrato deste génio da Moda no dia em que comemora 55 anos.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK