Artigo Anterior

11 vezes em que Jennifer Lawrence se vestiu de branco e foi inspiração para todas as noivas

Próximo Artigo

Em Alves/Gonçalves, Conan Osiris foi o super-herói dos prémios Play

Pessoas 5. 4. 2019

Kurt Cobain: um ativista em tempos de grunge

by Rui Matos

 

Mais do que uma lenda do grunge, Kurt Cobain era o contrapeso de uma sociedade profundamente machista. Uma postura de I don’t give a fuck com princípio, meio e fim. 

 © Instagram.com/kurtcobain

A passagem de Kurt Cobain na vida foi rápida, a sua ascensão foi fugaz e o seu fim trágico. Nas entrelinhas, escreveu músicas como Smells Like Teen Spirit, All Apologies e Heart-Shaped Box que ainda hoje servem de banda sonora para incontáveis fãs. Mas, se a grande maioria conhece a música e muitos dos detalhes insólitos de uma vida excêntrica, poucos lhe conhecem a faceta de ativista. 

Anos antes de movimentos como o #MeToo e Time’s Up marcarem a atualidade, já o vocalista-guitarrista-letrista dos Nirvana falava abertamente sobre a homossexualidade, o feminismo e a violação. “O problema com os grupos que trabalham as questões da violação é que tentam sempre educar as mulheres a defenderem-se. Mas o que é preciso fazer, é ensinar os homens a não violar,” afirmou Kurt Cobain, em entrevista à revista NME no ano de 1991.

Hoje, dia 05 de abril, assinala-se o 25º aniversário da sua morte e para assinalar a data, a Vogue reuniu cinco momentos em que Kurt Cobain foi o exemplo de que todos precisamos.

1. O apoio às minorias

“Se és sexista, racista, homofóbico, ou, basicamente, um idiota, não compres este CD. Não me importo se tu gostas de mim, eu odeio-te.” Esta mensagem estava escrita dentro de In Utero, o último álbum da banda a ser editado.

2. O apoio às mulheres

Na promoção do álbum Nevermind (1991), em entrevista à revista Siren, perguntaram a Cobain qual era a sua música favorita daquele álbum. Cobain respondeu: "Acho que gosto de Territorial Pissings. É uma ode às mulheres e ao apreço que tenho por elas… Como um todo, como pessoas. As mulheres merecem muito mais crédito.” Na música em questão, Kurt canta: “nunca conheci um homem sábio/ se sim, é uma mulher.”

3. Sobre a homossexualidade 

“Pensei em tentar ser gay por um tempo, mas sou sexualmente atraído por mulheres. Mas estou muito feliz por ter alguns amigos gay, isso salvou-me de me transformar num idiota, ou qualquer coisa do género.” Palavras de Kurt numa entrevista à revista The Advocate, em 1993. 

4. Uma vez mais, o apoio às mulheres, desta vez na música

“O Rock’n’Roll tem sido exaustivo. Mas isso é porque tem sido sempre o Rock’n’Roll masculino. Há muitos grupos femininos. The Breeders e Riot Grrrls todas têm uma mão nisso. As pessoas estão, finalmente, a aceitar as mulheres neste tipo de posições,” afirmou o músico norte-americano à revista Spin, em 1993. Mas Cobain não se limitou a expressar o seu apoio em palavras, enquanto grupo os Nirvana apoiaram publicamente bandas como Bikini Kill e Sonic Youth, ambas com mulheres a liderar. 

5. “Sou definitivamente um feminista.”

Sou definitivamente um feminista. Estou cansado da maneira como as mulheres são tratadas. Estamos em 1993 e algumas pessoas continuam a pensar que estamos nos anos 50. Precisamos de progredir. É preciso haver mais mulheres na música, mais mulheres na arte, mais mulheres na literatura. Tudo é dominado pelos homens e eu estou farto disso.”

*drop the guitar*

 

 

Artigos Relacionados

Tendências 11. 1. 2019

Come as you are, as you were

Depois de Marc Jacobs recuperar a sua coleção para a primavera de 1993 para a Perry Ellis, chegou a vez de Anna Sui reimaginar o estilo grunge para uma nova geração.

Ler mais

Inspiring Women 19. 7. 2018

A história dos superpoderes do batom vermelho

O Spider Man foi picado por uma aranha. O Capitão América era demasiado ingénuo e foi moldado em Super Soldado pelo Governo. O Batman era um milionário privilegiado que ficou órfão. Cada Superherói tem um gatilho que lhe faz explodir os superpoderes e, acreditem em nós, não é frívolo dizer que o batom vermelho pode ser o botão de impulso das mulheres.

Ler mais

Palavra da Vogue 9. 3. 2018

O que esperar de Riccardo Tisci na Burberry

Na maison francesa Givenchy, o designer italiano fez história pela sua irreverência. Transformou a marca numa das favoritas das celebridades e da indústria.

Ler mais

Notícias 1. 10. 2017

Franca: "Chaos and Creation"

Francesco Carrozini assina o documentário que mostrou uma versão mais humana de Franca Sozzani, a lendária diretora da Vogue Itália. Mais do que uma obra cinematográfica, este documentário é uma carta de amor.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK