Opinião   Editorial  

2018 to Love

19 Dec 2017
By Sofia Lucas

Ver a Vogue Portugal a fazer parte do seu mundo (#yourvoguecover), como faz parte do nosso, é o que nos fará procurar fazer sempre mais e melhor. Por nós como por si. Feliz Ano Novo.

 

Enquanto fechávamos a capa da primeira Vogue de 2018, e buscávamos na redação a expressão certa que espelhasse a mensagem global desta edição de janeiro, levantou-se um debate. Alguém defendia que já era altura de escrevermos a nossa chamada de capa em português e não em inglês, “afinal somos a Vogue Portugal”, e “Amar… é uma das palavras mais bonitas do mundo”, enquanto a maioria defendia que a tradução da frase para português não tinha o mesmo impacto.

Independentemente dos recursos estilísticos de cada uma das línguas, português ou inglês, ou da identidade e da beleza que cada uma encerra, senti que uma questão muito mais profunda me fez optar pela língua inglesa.  É a língua mais universal, para todos os efeitos e contra todos os defeitos, e atingiu aquilo que a visão brilhante e grandiosa de Zamenhof não conseguiu, quando em 1887 criou o Esperanto como língua que deveria ser acessível a toda a gente, em todo o mundo. Enquanto o Esperanto se ficou pelo caminho de uma utopia, a disseminação da língua inglesa é uma realidade.

E, como numa estrada construída, não importa quem a construiu, mas sim os pontos que esta passou a unir e as viagens que nela se podem fazer. A universalidade de uma mensagem não deve sofrer qualquer tipo de fronteira. Não deve estar em causa a língua escolhida, mas apenas a forma de levar essa mesma mensagem o mais longe possível, e que quem a recebe a sinta como sua em qualquer parte do mundo. O orgulho, imenso, que todos nós sentimos em fazer uma Vogue Portugal, nasce exatamente da força destas duas palavras: Vogue e Portugal.

Juntas e cada uma por si. O orgulho e o sentimento de identidade de um país também devem praticar a humildade de falar outra língua e de levar mais longe o que de melhor se faz em Portugal e na Moda Portuguesa. Uma capa é muito mais do que uma primeira página de uma revista. É uma mensagem gráfica que viaja à velocidade cibernética de uma rede que, em segundos, a pode transportar para os quatro cantos do mundo. Aperceber-me do impacto que a Vogue Portugal está a ter ao nível internacional, seja ele nas discussões dos principais fóruns de Moda online, seja no que é tema de conversa de corredores do meio ligado à Moda, ou por marcas internacionais terem voltado a olhar para a imprensa em Portugal, é gratificante e ao mesmo tempo, ainda que por breves momentos, assustador. Breves porque não há tempo para nos assustarmos, não há tempo para visualizar o inatingível, e se o fizermos, paramos.

Fazer a Vogue perfeita é como encontrar o Santo Graal, para qualquer uma das equipas das Vogues que existem no mundo. Mesmo que essa perfeição alguma vez fosse atingida, a edição seguinte teria de ser ainda melhor, e se o objetivo fosse cumprido perceberíamos que o que julgávamos perfeito até então, afinal não era. Uma revista não tem de ser perfeita, mas tem de ser tão sentida pela equipa que a faz como por quem a lê. Esta é a verdadeira ponte, feita nos dois sentidos, a dar sentido único ao que é criar, seja no mundo das revistas, da Moda, da Arte.

Obrigada pelas mensagens que nos chegam todos os dias, de todas as formas, por várias vias e em várias línguas, que nos fazem sentir que a verdadeira audiência nunca poderá ser reduzida a um número. 

Ver a Vogue Portugal a fazer parte do seu mundo (#yourvoguecover), como faz parte do nosso, é o que nos fará procurar fazer sempre mais e melhor. Por nós como por si.

Feliz Ano Novo.

Sofia Lucas By Sofia Lucas

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024