Lifestyle   Notícias  

Um tesouro de sete décadas da Fotografia Condé Nast elevado a arte em Veneza

09 Mar 2023
By Luke Leitch

A exposição Chronorama, que reúne 70 anos de fotografias e ilustrações do arquivo Condé Nast, ficará no Palazzo Grassi até 7 de janeiro de 2024.

A exposição Chronorama, que reúne 70 anos de fotografias e ilustrações do arquivo Condé Nast, ficará no Palazzo Grassi até 7 de janeiro de 2024. 

François-Henri Pinault, Anna Wintour e François Pinault.
François-Henri Pinault, Anna Wintour e François Pinault.

“Nestes arquivos, encontram-se obras-primas artísticas: algumas das fotografias em exibição tornaram-se ícones culturais. E ainda são fonte de inspiração para muitos.” Foi assim que François-Henri Pinault inaugurou, em Veneza, ontem à noite, a exibição privada de Chronorama, uma exposição dedicada a mostrar um tesouro de 70 anos da Fotografia e Ilustração de arquivo da Condé Nast que foi adquirido pela Pinault Collection em 2021.

Apresentado no Palazzo Grassi da Pinault Collections e apoiado pela Saint Laurent, Chronorama ilustra como o momento instantâneo do contemporâneo se pode tornar um símbolo culturalmente incorporado que vive para informar, enriquecer e possibilitar o futuro. Com curadoria de Matthieu Humery, a exposição traz oxigénio para cerca de 400 obras publicadas nos títulos da Condé Nast, incluindo a Vogue, a Vanity Fair, a House & Garden, a GQ, a Mademoiselle e a Glamour, entre 1910 e 1979.

Tendo como ponto de partida a era de ouro da ilustração de moda, assinada por estrelas da época na área como Helen Dryden, George Wolfe Plank e Eduardo García Benito, o passeio aborda depois a fotografia não menos áurea, através de nomes como Edward Steichen, Berenice Abbott, Cecil Beaton, Lee Miller, André Kertész, Horst P. Horst, Diane Arbus, Irving Penn, Helmut Newton e David Bailey, entre outros, proporcionando assim ao espectador um registo histórico exaustivo e revelador da evolução cultural e da sociedade do século XX.

Juntamente com Anna Wintour, Ivan Shaw, diretor corporativo de fotografia da Condé Nast, Humery, François-Henri Pinault (responsável pela aquisição) e o seu filho François Pinault percorreram uma exposição na qual é muito difícil definir o que mais se destacou, dada a qualidade extraordinária de todas as imagens. Além disso, quando se considera as incontáveis ​​horas de preparação e execução que muitos profissionais de publishing gastam antes de cada imagem ser impressa, o nível de trabalho envolvido é impressionante.

Entre as imagens mais marcantes está o retrato que Paul Thompson fez em 1911 da heroína feminista Mary Edwards Walker, uma médica que entrou para a história por ser nada menos que a primeira mulher a usar calças em público nos Estados Unidos. O retrato de Charlie Chaplin feito por Strauss-Peyton em 1921 revela a franqueza envolvente de um homem que se envolveu em trajes e personalidade para se tornar a maior estrela de sua época. A imagem requintada de Jean Cocteau de Isabey em pleno andamento (recriada tantas vezes), a extraordinária transgressão emanada de Renée Sintenis (escultor radical) que capturou Steffi Brandly ou Josephine Baker de Hoyningen-Huene completam esta primeira etapa.

Mais tarde aparecem Stravinsky, Lee Miller (também fotógrafa da Vogue, de grande coragem e prestígio), Greta Garbo, Joan Crawford, Elizabeth Taylor e muitos outros rostos famosos. A composição artística das extraordinárias naturezas mortas de Irving Penn nada tem a invejar aos grandes mestres da pintura. Deparamos com a primeira capa fotográfica da Vogue, a bissexual e birracial Toto Koopman, estrela da edição de agosto de 1933. Lentamente, avançamos cronologicamente do tempo de guerra para o florescimento cultural dos anos 1950, 1960 e 70, com Karl Lagerfeld, Coco Chanel , Duke Ellington, Arthur Ashe, Veruschka e Catherine Deneuve, protagonistas de um instante capturado para sempre nas impressões originais dos fotógrafos.

Intercaladas com esta extensa história visual estão as obras de quatro artistas contemporâneos, Eric N. Mack, Giulia Andreani, Daniel Spivakov e Tarrah Krajnak, encarregados de trazer o contraponto criativo do século XXI a esta gigantesca retrospectiva. Krajnak, presente na inauguração, explicou que está a recriar e reformular fotografias da exposição e do seu próprio arquivo como forma de propor uma revisão performativa e gerar um novo olhar.

Terminada a visita – corremos tanto que os organizadores apagaram as luzes para sairmos – os convidados reuniram-se no piso térreo. Entre eles estavam Matthieu Blazy, Daniel Delcore, Marco De Vincenzo, Sara Battaglia, Francesco Ragazzi, Giuliano Calza, Gilda Ambrosio e Giorgia Tordini.

Anna Wintour pegou no microfone e confessou: “Como editora, o impulso é sempre ser honesta, olhar para a frente e examinar o futuro. Confesso que senti um pouco de nostalgia daqueles tempos tão diferentes. Lembro-me da época em que o grande Irving Penn tirava fotos com quase ninguém ao seu redor: uma assistente, um editor da Vogue, uma modelo e seus padrões de exigência. Penso em Helmut Newton com a sua pequena câmara e seu ponto de vista original. Ou um jovem editor de moda que foi enviado numa viagem de semanas, com apenas $ 100 no bolso, e lhe foi dito: 'Procure um marajá para hospedá-lo!' Voltou com histórias e imagens que fascinaram tanto os nossos leitores quanto os nossos editores."

E acrescentou: “Mais perto do meu tempo na Condé Nast, o que mais me impressionou são as imagens que causaram rebuliço na época. Numa das últimas salas está o portefólio de Helmut Newton, “Story of Ohhh. . . ", de 1975, que era tão livre e tão sexual que os leitores da Vogue ficaram horrorizados e cancelaram centenas e centenas de assinaturas... Alexander Liberman, que me trouxe inicialmente para a Condé Nast, e foi nosso lendário diretor editorial, encomendou grande parte do trabalho que vê aqui. 'Escolha as fotos que incendeiam a página', dizia."

As imagens que outrora incendiaram as páginas da Vogue como cristalizações fotográficas do contemporâneo ganharam uma nova forma. Nas paredes do Palazzo Grassi, a Pinault Collection transforma-as em peças igualmente belas da história, às vezes ainda incendiárias.

"Chronorama" está aberto ao público no Palazzo Grassi de 12 de março a 7 de janeiro do próximo ano.

Luke Leitch By Luke Leitch

Relacionados


Inspiring Women  

Iris Apfel: "Acho que um sentido de deslumbramento é absolutamente imperativo"

02 Mar 2024

Inspiring Women   Lifestyle  

Dia da mulher | 5 séries sobre mulheres, para todos

01 Mar 2024

Moda   Coleções  

MFW outono/inverno 2024 | Na Semana de Moda de Milão, o jogo de cadeiras não pára

29 Feb 2024

Tendências  

Nailed it

29 Feb 2024