Artigo Anterior

Dries Van Noten lança coleção de Beleza

Próximo Artigo

Como tornar a indústria da Beleza mais inclusiva

Notícias 10. 3. 2022

Endometriose explicada em seis respostas

by Joana Rodrigues Stumpo

 

Neste mês da endometriose, procurámos responder às perguntas que ainda existem sobre esta doença.

© iStock Photos

Cada vez mais ouvimos falar nela, mas sabemos verdadeiramente o que é? O facto é que não é tão raro quanto possamos imaginar: estima-se que uma em cada dez mulheres entre os 15 e 49 anos sofra de endometriose. Os sintomas afetam profundamente o bem-estar e o dia-a-dia de quem é diagnosticada e é preciso prestar-lhes atenção para que possamos encontrar formas de os aliviar. A Vogue Portugal falou com João Alves, ginecologista-obstetra no Hospital da Luz, para desmistificar as dúvidas acerca da endometriose.

O que é a endometriose?

Antes de mais, é preciso perceber o que é esta doença de que tanto se fala. O ginecologista explica que se define por “glândulas endometriais e estroma endometrial [que estão] fora da cavidade uterina, onde normalmente se encontram, e com inflamação associada a este tecido”.  

Quais são os sintomas?

João Alves diz que os principais sinais de alerta para esta condição são “dor intensa com a menstruação, dor pélvica todos os dias, dor com relação sexual profunda, dor ao evacuar e a urinar com a menstruação, dificuldade em engravidar”. Para além disso, “o inchaço abdominal aquando da menstruação é uma queixa frequente, assim como um grande cansaço” nesta altura. É “quando a dor afeta a qualidade de vida e impede de trabalhar ou ter uma vida normal” que devemos recorrer a um especialista para uma avaliação, “não só para excluir a doença, mas também para trabalhar em conjunto para melhorar a qualidade de vida”. 

Como é o diagnóstico?

Para que uma mulher seja diagnosticada com endometriose, é necessário proceder ao levantamento “da história clínica com pesquisa cuidada dos sinais e sintomas relevantes. Com um exame ginecológico podemos suspeitar ou mesmo confirmar o diagnóstico”, explica o especialista. Há ainda outros exames que se podem fazer para acompanhar a doença, como “a ecografia ginecológica e a ressonância magnética pélvica”.

Como impacta o bem-estar e a fertilidade?

“A dor faz com que muitas mulheres não consigam viver a sua vida sem pensar na doença, levando a muitas idas à urgência para controlo da dor e faltas ao trabalho”. Também “a vida íntima é prejudicada pela dificuldade em ter relações sexuais”, que se tornam experiências dolorosas e ansiosas. Já a fertilidade “é reduzida com a endometriose”. Aliás, “nos casais com infertilidade, até 50% das mulheres terão [este diagnóstico]”. Apesar de, hoje em dia, os tratamentos para a fertilidade serem “muito avançados”, o ginecologista explica que “só o facto de saberem que têm endometriose e de poderem ter dificuldades em engravidar causa stress e ansiedade”. 

Quais são os tratamentos disponíveis?

“Na maior parte das mulheres, passa pela pílula contínua”, diz João Alves, já que esta “permite não só ter menos menstruações e, desta forma, menos períodos de dor intensa, mas também um menor risco de progressão da doença”. Ainda no que diz respeito a métodos contracetivos, o “dispositivo intrauterino com progestativo” é uma alternativa”, já que “permite a grande parte das mulheres ficar sem menstruar”. Para além disso, refere “a cirurgia laparoscópica”, em que são feitas “pequenas incisões de 5 milímetros”. Estas intervenções têm, segundo o especialista, “maior precisão e delicadeza com as estruturas, melhor recuperação pós-operatória e mais estética para as doentes, porque as incisões são mínimas e abaixo da linha do biquíni”.

“Apesar de nós médicos nos sentirmos mais confortáveis com o tratamento com pílulas ou cirurgias”, o ginecologista confessa que “nos últimos anos percebemos que a mudança de estilo de vida pode ajudar muitas mulheres de forma complementar ou mesmo principal a melhorar a qualidade de vida a longo prazo”. Algumas das alterações que podem ser feitas são, por exemplo, “para uma alimentação anti inflamatória, fazer fisioterapia do pavimento pélvico, recorrer a apoio psicológico, fazer exercício físico regular e acupunctura”. 

A endometriose tem cura?

João Alves confessa que “infelizmente não, mas, na maior parte das mulheres é possível que se esqueçam da doença. Ou seja, consigam controlar os sintomas (sem dor) e planear uma vida reprodutiva sem que a endometriose as impeça de viver uma vida plena e feliz”.

Artigos Relacionados

Notícias 18. 6. 2020

Precisamos de incluir as pessoas trans e não-binárias quando falamos do período

Os tweets recentes de JK Rowling levantaram um novo debate em torno da igualdade de tratamento entre as pessoas que menstruam. Explorámos a razão pelas quais as barreiras de género devem ser derrubadas quando se trata de menstruação e como incluir a comunidade trans+ na conversa.

Ler mais

Tendências 21. 4. 2020

Período: Sangue do Meu Sangue

Eu menstruo, tu menstruas, elas menstruam. E apesar de todas nós, e mais meio mundo como nós, menstruarmos, ainda é horripilante escrever isto, dizer isto, quanto mais discutir isto...

Ler mais

Tendências 26. 11. 2019

Pele e hormonas: como sincronizar os seus cuidados de rosto com o seu ciclo

A Vogue investiga a forma como as hormonas e o ciclo menstrual afetam a saúde da pele, e o porquê de usar produtos diferentes, dependendo da altura do mês, poder ser o segredo por detrás de uma tez perfeita.

Ler mais

Tendências 23. 4. 2019

Como aliviar as dores menstruais sem medicamentos

Sentir algum tipo de dor durante a menstruação não é normal, mas é comum. Mais comum do que se pensa. Além da toma de analgésicos, que alternativas existem para aliviar o desconforto? Fomos investigar e descobrimos vários produtos, desde supositórios vaginais a aparelhos de eletroestimulação.

Ler mais