Opinião   Editorial  

Outubro 2017

28 Sep 2017
By Sofia Lucas

Enquanto o mundo, como um todo, aceita cada vez mais os novos hábitos da civilização global, um processo contraditório acontece: tradições antigas renascem, diferentes religiões e culturas despertam para novas formas de ser e de existir, lutando, com fervor crescente, para perceber o que é exclusivo para elas e o que as torna diferentes das outras. Todos procuram afirmar a sua individualidade em cada forma de expressão.

Enquanto o mundo, como um todo, aceita cada vez mais os novos hábitos da civilização global, um processo contraditório acontece: tradições antigas renascem, diferentes religiões e culturas despertam para novas formas de ser e de existir, lutando, com fervor crescente, para perceber o que é exclusivo para elas e o que as torna diferentes das outras. Todos procuram afirmar a sua individualidade em cada forma de expressão.

A Moda, e toda a comunicação que gira em torno do seu universo, não é exceção.

No ano em que a Vogue celebra o seu 125.º aniversário — e o 15.º em Portugal —, vive-se também uma mudança global nas direções do título em diferentes países, algo que será, provavelmente, indissociável das mudanças radicais que o mundo vive. Cada país, cada direção, cada equipa reinventa-se e reafirma-se na descoberta de novos caminhos e novas expressões artísticas para afirmar a sua identidade. E mudanças fantásticas estão a acontecer na família Vogue sem que o ADN e, sobretudo, o seu coração, se percam.

O legado de 125 anos de vida de um título como o da Vogue são uma imensa responsabilidade e uma honra para mim, e para toda uma equipa, tão apaixonada pela história, como pelo futuro, mas sobretudo a viver o momento presente, o mesmo momento que nos liga ao mundo e, acima de tudo, nos liga a si. Numa era em que ninguém tem muitas certezas sobre nada, uma certeza é cada vez mais clara: a importância do relacionamento pessoal, a importância de tocar o outro, de descobrirmos, a um nível mais profundo, o que significa ser humano. Editar uma revista é, antes de mais, um ato de amor e de força de vontade.

O novo rumo da Vogue Portugal aponta um caminho mais minimalista, mas não menos arrojado e profundo na linguagem impressa.

A Vogue pode ser um objeto de desejo, pode ser uma viagem sensorial e artística para os cinco sentidos, ao folhear as páginas da sua revista; pode ser a sua coffee table magazine, presente na mesa da sala, ou o acessório imprescindível que a acompanha durante o dia, cruzando o aspiracional e o pragmatismo, a sua bíblia de Moda, a sua referência histórica ou futurista, mas é e será sempre a Vogue, a referência incontestável na vida de muitas mulheres, e homens, ao longo de gerações.

Cada edição de uma Vogue é uma cápsula do tempo e, em cada uma, procura-se a perfeição, mesmo que nunca seja alcançada. Vive por si só e, se ou quando for aberta, mesmo daqui a muitos anos, fará sentido e será um testemunho dos dias de hoje.

Numa era em que a imprensa escrita se reinventa, uma coisa parece-me evidente: papel e digital não são antagónicos, muito pelo contrário, são complementares. Ao longo desta edição, irá encontrar vários QR codes que a transportam diretamente para os conteúdos que transbordam das páginas desta revista e os prolongam, sem limites, sob a forma de vídeos, galerias de imagens, testemunhos e textos adicionais. A imaginação é o único limite, nunca o suporte.

Icónica, arrojada, clássica… Três palavras-chave que definem o ADN da revista Vogue num todo tão transversal quanto o universo das três capas da edição de outubro que criámos para si. Com amor.

Do fundo do meu coração e do de toda a equipa, esperamos que goste.

Sofia Lucas By Sofia Lucas

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024