Artigo Anterior

Mercúrio retrogrado: a história, como sobreviver e as datas a ter em conta em 2021

Próximo Artigo

I kissed myself and Iiked it | Mirror issue

Curiosidades 18. 1. 2021

Blue Monday: como lidar com o “dia mais triste do ano”

by Dra. Olivia Remes

 

De uma alimentação saudável a ser gentil connosco próprios, aqui estão dez passos para se sentir mais positivo neste mês de janeiro, quer acredite ou não na Blue Monday

@ Zoe Ghertner/Art Partner

A Blue Monday acontece na terceira segunda-feira de janeiro e é conhecida como o dia mais triste do ano. É um momento em que podemos sentir as emoções a afundarem-se: a holiday season terminou, muitos têm que enfrentar a imensidão das noites escuras de inverno, alguns lidam com problemas financeiros; e outros tantos lutam para cumprir com as resoluções de ano novo. 

Há quem argumente que a Blue Monday não existe - e provavelmente estão certos. Na verdade, a data foi calculada em 2004 por um psicólogo de uma agência de viagens que queria vendar mais pacotes de férias durante o inverno. 

Blue Monday ou não, não há como negar que este ano é um pouco mais difícil do que o normal. A pandemia ainda é uma realidade, com grande parte do mundo a entrar e a sair de confinamentos. Se se está a sentir deprimido ou triste, aqui estão algumas estratégias simples que pode usar para lidar com estas situações e recuperar. 

1. Invista numa light box 

Usar uma light box (caixa de luz) regularmente pode ajudar, especialmente se sofrer de transtorno afetivo sazonal, também conhecido como “depressão de inverno”. Os sintomas incluem sensação de desânimo e letargia, necessidade de dormir mais do que o normal e dificuldade em sair da cama. Os efeitos do uso de uma light box logo pela manhã podem ser imediatos e podem aumentar o seu ânimo após 20 minutos de utilização. 

2. Meditação e exercício

Sabemos que a meditação ajuda a nossa saúde mental e que o exercício é bom para o nosso corpo. Mas sabia que quando coloca meditação e exercício físico juntos, os efeitos podem ser dramáticos? A Rutgers University descobriu que 30 minutos de cada, duas vezes por semana, podem reduzir os níveis de depressão em quase 40%. Os resultados foram visíveis dois meses após a análise. 

Da próxima vez que sentir aquela tristeza de inverno, faça um vídeo de meditação guiada, siga um vídeo de exercício e, provavelmente, vir-se-á livre de um pouco dessa tristeza. 

3. Vá para a cozinha

Cozinhar é bom por muitos motivos, não apenas por estar a fazer alguma coisa que o preencha. É porque tentar algo novo, como uma receita, muda, muitas vezes, a forma como se sente sobre si mesmo. O sucesso com uma receita nova pode aumentar a sua auto-estima - cozinhar significa que está ativo, seguindo as suas intenções, e isso pode ser uma porta para a entrada de sentimentos positivos. 

Pode dar-lhe também uma sensação de realização e permite que explore o seu lado criativo - está a experimentar receitas, ingredientes, sabores e apresentações visuais. E se não se considera um bom cozinheiro, nada tema - como diz o Chef Auguste Gusteau, do filme Ratatouille, “Qualquer um pode cozinhar”.

4. Mergulhe na natureza

Quando desligar o seu portátil e deixa o trabalho e entrar na natureza, a mente tem uma oportunidade para relaxar e ‘respirar’. Mergulhar no ar livre ajuda a sentir-nos mais fundamentados. Quando o stress do dia é muito, ficar ao ar livre pode ser restaurador e pode até ajudar a diminuir a ansiedade e a depressão. 

5. Adie as preocupações

Quer estejamos atormentados por preocupações com a pandemia ou com o trabalho, estar focado nas ansiedades pode azedar o nosso mood. Uma estratégia eficaz é parar de nos preocupar. Ao invés de cedermos a pensamentos ansiosos assim que surgem, deixe de se preocupar até um determinado período no final do dia. Escolha uma horário - por exemplo, 15h30 - em que está completamente à vontade para pensar naquilo que o está a incomodar. Faça este exercício por um período limitado - digamos, 15 minutos. Quando deixamos de nos preocupar até o nosso “período de preocupação”, notamos que estamos menos preocupados com as ansiedades que tínhamos anteriormente. 

6. Alimente-se de uma maneira saudável

Aquilo que comemos não nos afeta apenas fisicamente, mas também mentalmente. Estudos mostram que comer alimentos processados ou não saudáveis pode ter uma influência negativa nas nossas emoções. É por isso que nos devemos esforçar para comer da forma mais saudável possível - encha a dispensa de vegetais e frutas, e tente cozinhar. Frequentemente, refeições simples com ingredientes frescos são exatamente o que o nosso corpo precisa, especialmente em momentos de stress. Como os romanos costumavam dizer: “Uma mente sã, num corpo são.”

7. Leia um livro à ‘moda antiga’

A tecnologia é ótima e moldou as nossas vidas para melhor, mas às vezes precisamos de uma pausa dos ecrãs. Isso pode significar abandonar o eReader e pegar num livro. Lembra-se de quando era criança, como era bom ler um livro? Ver quantas páginas leu, sentir a textura dessas páginas e cheirar o papel. Permita que os seus sentidos sintam esse mesmo deleite e entregue-se aos pequenos prazeres da vida.

8. Não pense sobre os piores cenários

Agora, é fácil sentir-se oprimido, sem esperança e triste. No entanto, às vezes as pessoas começam a pensar tanto sobre aquilo que pode acontecer que acabam por passar vezes sem conta na cabeça os piores cenários de sempre - e isso faz-nos sentir ainda piores. 

Para nos sentirmos melhores, devemos evitar esses pensamentos. Não leve o cenário de horror que está a imaginar - em vez disso, deixe-o seguir a sua vida. Mesmo que muitas vezes pensemos que o medo se pode tornar realidade, eles são simplesmente “eventos mentais”. São tão efémeros quanto as nuvens num dia de vento. 

9. Seja gentil consigo

Nos dias em que acha difícil sair da cama logo pela manhã, ao invés de se culpar, seja gentil. Quando aborda os outros com gentileza, eles respondem positivamente. Quando trata os outros  de uma forma severa e os crítica, o outro tende a afastar-se. A mesma coisa pode acontecer connosco. Quando mostramos autocompaixão e deixamos de lado o nosso agressor interno, muitas vezes percebemos que somos capazes de ir em frente - achamos que é mais fácil de recuperar. 

10. Tempos difíceis levam ao crescimento 

Esta última estratégia é eficaz porque conhecimento é poder. Quando passamos por momentos difíceis - uma pandemia, uma doença, uma acidente de carro - lutamos a um nível emocional grande, mas ao mesmo tempo, o crescimento pode ocorrer. O crescimento pós-traumático pode ajudá-lo a tornar-se mais forte e a adquirir uma perspetiva mais profunda sobre a vida. 

Artigos Relacionados

Tendências 28. 10. 2020

De que maneira é que a saúde mental afeta a nossa pele? Fomos investigar.

Nervos à flor da pele. E pele à flor dos nervos. Pedimos a uma dermatologista para nos explicar como é que a saúde mental afeta a nossa pele – e vice-versa.

Ler mais

Tendências 26. 10. 2020

Será o sono um luxo a que só os ricos têm acesso?

O sono é vital para o nosso bem-estar e, como muitos de nós nunca dormimos o suficiente, o impacto na nossa saúde mental pode ser devastador. Mas estamos todos ao mesmo nível quando se trata de dormir? Ou os ricos não têm nada com que se preocupar...

Ler mais

Curiosidades 23. 10. 2020

Poderão os psicadélicos ser o futuro da terapia?

LSD, psilocibina, ecstasy, ayahuasca. Das happy trips do passado à saúde mental do presente, poderão os psicadélicos ser o futuro da terapia?

Ler mais

Tendências 2. 10. 2020

De que forma é que a saúde mental é representada na cultura pop?

Retratos complexos e relacionáveis de bem-estar emocional e psicológico tornaram-se cada vez mais comuns em programas de televisão e filmes, mas nem sempre foi o caso. De The Shining a Fatal Attraction, um olhar sobre o que é que já alcançámos - e quanto mais ainda temos que alcançar - quando se trata de representar a saúde mental no grande e pequeno ecrã.

Ler mais