Artigo Anterior

English Version | Step on it

Curiosidades 31. 12. 2021

Closet declutter: organize o seu armário em cinco passos

by Mariana Silva

 

A lenda diz que Marie Kondo reemerge todos os meses de janeiro. 

Sex and the City

Há resoluções que parecem ser comuns a quase todas as listas de novo ano: comer de forma mais saudável, fazer mais exercício (ou fazer, ponto), gerir melhor o tempo, são apenas alguns exemplos. Mas desde que o minimalismo entrou para o nosso vocabulário, também o processo de decluttering (numa tradução questionável, “destralhar”) passou a ser comum a uma grande parte dessas listas. 

Se, por um lado, a quadra natalícia é a época por excelência do consumismo, janeiro não poderia vir em melhor hora para uma terapia de detox. Para alguns, detox alimentar ou digital, para outros, da tralha que se vai acumulando. E por muito que não queiramos colocar a nossa roupa nessa categoria pouco atrativa, apenas uma pequena minoria conseguirá escapar ao pecado de possuir muito mais peças do que aquelas que precisa. Isso, aliado à vontade de nos vermos livres de tudo o que não “sparks joy”, dá origem a uma bela - e muito necessária - limpeza de guarda-roupa. Não, não precisa de ser um processo doloroso; para isso, a Vogue dá uma ajuda. 

Passo 1: Retirar tudo do armário

Se custa? Custa, muito. Mas é a única forma de garantir que a preguiça jogará a nosso favor quando for hora de selecionar as peças a guardar. Afinal, é mais difícil voltar a pendurar uma camisa do que colocá-la num saco para doar. 

Passo 2: Dividir as peças segundo categorias

Como intitular cada categoria ficará à escolha de cada um, porém, a lógica será mais ou menos esta: um monte com as peças que iremos manter, outro com as peças que sabemos que iremos doar ou vender e, por fim, um conjunto de peças que levantam dúvidas. Esta divisão é sempre mais fácil na teoria do que na prática, mas existem algumas regras que nos ajudam a separar as peças que não devemos manter:

- Se já não servirem (estejam largas ou apertadas, se estão paradas no armário agora é porque irão estar também daqui a um ano); 

- Se já não são usadas há mais de um ano (se guardámos uma peça para a usar no verão e não usámos, é hora de ir);

- Se as guardamos apenas por nostalgia ou apego emocional (podemos manter estas peças, mas o lugar delas não será junto dos nossos looks do quotidiano); 

- Se nunca as conseguimos conjugar com mais nada (simplesmente não vale a pena);

- Se sabemos que irão fazer alguém mais feliz do que nos faz a nós (vender em segunda-mão é uma opção em aberto e que deve ser sempre considerada).

Passo 3: Colocar as peças que sabemos que iremos guardar no armário

Neste ponto, é suposto guardarmos apenas os produtos correspondentes ao primeiro monte. O objetivo está em percebermos quanto espaço é que essas peças ocupam, pois, na maioria dos casos, só esse conjunto já irá ultrapassar a quantidade de peças que precisamos no dia a dia.

Passo 4: Rever e selecionar as peças que levantam dúvidas 

É aqui que a pergunta “does it spark joy?” pode ser útil, mas com sorte nem será preciso chegar a tanto. Depois de olhar duas, três vezes (as que forem necessárias) para a composição atual do armário, conseguirá com maior facilidade perceber o que faz verdadeiramente falta. Esta é a altura perfeita para se ser picuinhas: se a peça se integra em alguma das regras definidas no passo dois, então não deve voltar a entrar no armário. 

Passo 5: Definir o destino das peças que não serão mantidas

Vender, doar, oferecer a amigos? As possibilidades são quase infinitas. O único fator que deve ter em conta é conseguir lidar com estas peças desalojadas de maneira a que não encontrem uma casa definitiva no chão da garagem ou na bagageira do carro. 

Dica bónus

Falta agora garantir que o consumo futuro será mais consciente, para que não se tenha de repetir todo este processo no começo de 2023. Se ao longo desta limpeza teve dúvidas quanto às peças que realmente veste, uma forma mais simples de o saber é, no momento da organização, colocar todos os cabides pendurados na mesma orientação e ir alterando cada vez que uma peça for usada. Se chegar ao final de 2022 com cabides guardados na mesma posição desde o início do ano, é porque está na hora dessas peças irem embora. 

Artigos Relacionados

Guestlist 30. 11. 2021

O armário de inverno para a mulher contemporânea

Os coordenados da marca italiana para a estação fria caracterizam-se pelas silhuetas clássicas e detalhes contemporâneos.

Ler mais

Guestlist 24. 9. 2021

O outono da Massimo Dutti é cosmopolita, minimal e muito feminino

Os clássicos do outono unem-se a propostas inovadoras, numa coleção limitada da Massimo Dutti para o outono/inverno de 2021.

Ler mais

Notícias 26. 7. 2021

Os 7 designers portugueses que estão a moldar o futuro da Moda nacional

O futuro da Moda também se escreve em português e estes são os cincos nomes que o representam.

Ler mais

Tendências 11. 5. 2021

Estará o minimalismo com os dias contados?

Marie Kondo, a defensora da simplicidade e arrumação veio revolucionar a forma como olhamos para os nossos objetos. Por outro lado, os entusiastas do maximalismo defendem exatamente o oposto.

Ler mais