Artigo Anterior

Kendrick Lamar vence um Pulitzer

Próximo Artigo

#CNILux Dia 1: Como acompanhar uma nova geração sempre em movimento

Notícias 18. 4. 2018

Estudo: Ciência à medida

by Mónica Bozinoski

 

São 124 novos genes e uma descoberta que explica o porquê dos tons de cabelo loiros, morenos ou ruivos.

 

©Imaxtree

O nosso tom de cabelo pode ter mais ciência do que aquela que alguma vez imaginamos. Um novo estudo publicado na Nature Genetics, realizado por um grupo de académicos do King’s College London e da Erasmus MC University Medical Center Rotterdam, identificou 124 novos genes que têm um papel imperativo na determinação das diversas cores de cabelo. 

Ao analisar e comparar o código genético e a cor de cabelo de cerca de 300.000 pessoas com ascendência europeia, a equipa de investigadores abriu novas portas na complexidade da pigmentação humana e nas condições que podem resultar da mesma, como o aparecimento de cancros de pele ou de ovários. 

"O nosso trabalho ajuda-nos a perceber as causas que levam à diversidade humana ao demonstrar o modo como os genes envolvidos na pigmentação de adaptam, de forma subtil, aos ambientes externos e até às interações sociais durante a nossa evolução", explicou Tim Spector, um dos autores do estudo e professor do King’s College London. "Descobrimos que as mulheres têm o cabelo significativamente mais claro que os homens, o que reflete o impacto das prática culturais e das preferências sexuais na formatação dos nossos genes e biologia". 

Para além de explicarem a diversidade humana, as descobertas deste novo estudo genético trazem benefícios aos campos da medicina, da biologia e ainda da ciência forense - como explica Tim Spector, "descobrir estes novos genes também é importante para aumentar ainda mais a precisão das previsões da cor de cabelo, através dos vestígios de ADN, que podem ajudar a identificar criminosos cuja identidade é desconhecida". 

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 28. 8. 2017

Humanos, demasiado humanos

Mais de 300 milhões de pessoas sofrem de uma doença invisível chamada depressão. A sociedade moderna acelerou-a, mas também a transformou num tabu. Está na altura de começarmos a falar sobre o assunto – abertamente. O pior que pode acontecer é descobrirmos que até o cérebro tem razões que a razão desconhece.

Ler mais

Tendências 27. 7. 2017

Estudo: será o termo hangry cientificamente correto?

Confirma-se: a ciência encontrou a resposta para os ataques repentinos de raiva, e a fome está diretamente relacionada com este comportamento.

Ler mais

Tendências 14. 7. 2017

Estudo: entre o sono e a felicidade

Novo estudo indica que quem acorda sem despertador tem tendência para ser mais inteligente, criativo e feliz.

Ler mais

Notícias 10. 7. 2017

A luz do computador envelhece?

Sabíamos que nos causavam insónias, sabíamos que nos prejudicavam a visão. Mas um novo estudo mostra que a luz azul emitida pelos ecrãs eletrónicos também nos envelhece a pele. E agora?

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK