Artigo Anterior

Martin Parr, um portefólio | Gosto Parr-ticular

Próximo Artigo

Irina Shayk: "O arquétipo do bom gosto é o respeito às outras pessoas”

Entrevistas 14. 8. 2019

Celeste Barber: “O humor pode mesmo mudar o mundo, as pessoas precisam de se rir mais”

by Patrícia Torres

 

Esgotado! Esgotado! Esgotado! Foi esta a reação da cidade de Nova Iorque aos últimos três dias de espetáculo que Celeste Barber tinha previstos nos EUA e que fecharam a digressão que a comediante australiana fez pelo país durante o último mês de julho. O que prova que o “fenómeno” Celeste Barber continua a crescer muito além dos cinco milhões de pessoas que a seguem no Instagram, o sítio onde tudo começou, em 2015, com o #celestechallengeaccepted. E o que era para ter sido “apenas uma experiência” fez o caminho vertiginoso de a trazer até aqui, ao estatuto de celebridade e à capa da Vogue Portugal. Tudo porque Celeste Barber nos faz rir de nós mesmos. 

For the English version click here.

©Fotografia de Branislav Simoncik. Realização de Michael Philouze.

O trabalho de Celeste Barber é fazer-nos rir. Mas a humorista faz muito mais do que isso. Quando, por brincadeira, lançou no Instagram o #celestechallengeaccepted, Celeste ousou o que muita gente no mundo inteiro tinha vontade de fazer, que era satirizar a faustosa vida dos ricos e as poses encenadas dos famosos. Os alvos de Celeste Barber são celebridades que todos conhecemos – Rihanna, Miranda Kerr, Victoria Beckham, o clã Kardashian, Cara Delevingne, Jennifer Lopez, Alessandra Ambrosio, Hailey Baldwin ou Jessica Alba. 

As supermodelos e o pretensiosismo do mundo da Moda são os alvos mais apetecíveis da humorista porque, como ela própria confirma na entrevista que nos deu por escrito, se tornou importante passar a mensagem de que as mulheres para serem bonitas, interessantes ou sensuais não têm de ser perfeitas. Nem para a fotografia, nem para o mundo, nem para ninguém, a não ser elas mesmas. Esse é o verdadeiro poder. 

“Eu sei que não me encaixo no modelo de corpo perfeito e estou mais do que resolvida em relação a isso. A minha imagem nunca foi a minha melhor ou mais interessante qualidade. Adoro fazer as pessoas rir e adoro receber o carinho das pessoas por isso.”

“Eu sei que não me encaixo no modelo de corpo perfeito e estou mais do que resolvida em relação a isso. A minha imagem nunca foi a minha melhor ou mais interessante qualidade. Adoro fazer as pessoas rir e adoro receber o carinho das pessoas por isso”, diz. Expor o corpo faz parte do seu trabalho como atriz e, como a própria confirma, não é algo que a preocupe. Mesmo porque, o seu corpo, que se mostra com curvas e não tonificado, serve perfeitamente a mensagem de aceitação corporal positiva que a humorista quer fazer passar. Mas neste one woman show, é fácil confundir a linha que separa a artista da mulher, se é que ela alguma vez existiu.

#Hothusband foi como a humorista apresentou ao mundo aquele que é, de facto, o seu marido, e que aparece inúmeras vezes nos seus sketches a prestar-se ao papel de representar o estereótipo do homem atraente e musculado. Sendo que o marido de Celeste, Api Robin, que também já é uma pequena estrela em ascensão no Instagram (124 mil seguidores na conta @Hothusband), é mesmo um homem atraente e musculado. Sobre esta relação, Celeste chegou mesmo a dizer, “eu sou hilariante, tu és de tirar a respiração”. Show must go on! 

©Fotografia de Branislav Simoncik. Realização de Michael Philouze.

Quando surge a parodiar mais uma “famosa”, Celeste Barber faz a caricatura daquilo que considera que seria uma mulher “normal” a viver a “normalidade” que é aparecer nas redes sociais a cair de uns saltos altos, num fato de banho dois números abaixo do tamanho recomendado, a entornar um daiquiri antes das 10h da manhã, à beira de uma piscina vazia. É neste papel que Celeste testa os limites do gosto e do humor. Quando reproduz os altos padrões de vida das celebridades ou o extravagante sentido de moda que faz a imagem das fashionistas, apresentando-se desmazelada, despenteada, olheirenta, desajeitada, desconcertante. Bom gosto ou mau gosto? Será que o humor se importa mesmo com isso? O que pensa Celeste sobre os limites do humor e dos seu pares, os humoristas? 

“As pessoas podem fazer o que quiserem. Mas isso não significa que eu vá gostar ou achar piada. Mas admiro muitos humoristas. A Tina Fey, a Amy Poehler, a Melissa McCarthy, o Rhys Nicholson, o Ricky Gervais, a Katherine Ryan, o Jim Carrey.” Nós achamos que Celeste responde à pergunta, mas sem se comprometer totalmente. O que pode querer dizer que a atriz precisa desse espaço de manobra para continuar a fazer o que faz em absoluta liberdade. “Comecei por fazer aquelas fotografias a imitar as celebridades para fazer as pessoas rir e como chamada de atenção para a forma como a indústria trata as mulheres, como objetos e não como pessoas.” 

“Partilhar a capa da Vogue Portugal com a Irina é muito chique. E é muito positivo que revistas como a Vogue façam produções onde possamos ver mulheres de todas as formas e feitios.”

Celeste não só continua a jogar com essa liberdade, como conta com o fair-play da indústria, que a adora. Tudo somado, Celeste Barber parece imparável. No Instagram, nos espetáculos que apresenta ou durante as tours de promoção do seu livro, Challenge Accepted: 253 Steps to Becoming an Anti-it Girl, e sobre o qual a atriz Reese Witherspoon já disse: “preparem-se para rir”. Nem esperávamos outra coisa. Celeste Barber faz o que quer, como quer e com quem quer. As celebrities veneram-na. Tom Ford andou com ela aos beijos. E não foram beijos técnicos. Celeste será ainda a anti-it girl ou estará a reinventar o conceito? Afinal, estamos na Vogue a falar dela. É ela a nossa capa e a dividir o spotlight com quem? Irina Shayk, que é só das miúdas mais populares do universo. Celeste não está onde começou. Mas nem nós, nem o mundo. 

“Partilhar a capa da Vogue Portugal com a Irina é muito chique. E é muito positivo que revistas como a Vogue façam produções onde possamos ver mulheres de todas as formas e feitios. Ainda não nos conhecemos pessoalmente, mas sempre admirei muito o trabalho dela como modelo. A Irina é provavelmente a mulher mais incrivelmente bonita que alguma vez vi.” A beleza deslumbra-nos e o humor desarma-nos. Celeste Barber aceitou o desafio de ser transformada neste “corpo celeste” quando escolheu estudar representação, há cerca de dez anos. 

©Fotografia de Branislav Simoncik. Realização de Michael Philouze.

“Sou formada em representação, mas sempre gostei de comédia. Sempre me vi como atriz, a única diferença entre o que se passava no início da minha carreira e agora é que, agora, tenho trabalho.” Um trabalho cujo reconhecimento é a confirmação que Celeste está no caminho certo. A humorista participou em várias séries na televisão australiana (All Saints, How not to Behave ou The Letdown), mas o Instagram é que pôs Celeste Barber debaixo dos holofotes. E também das críticas. “As pessoas conhecem-me por ser honesta. Sempre disse o que penso. Sei o que estou a fazer e reconheço o poder que tenho. Sei o que é o humor e sei quando uma piada vai resultar e fazer rir as pessoas. Não leio os comentários negativos que possam fazer sobre mim. As pessoas podem não gostar de mim, isso não me incomoda nada.” 

Quem gosta de Celeste é Elizabeth Banks, a atriz americana co-fundadora da plataforma WhoHaha, que promove e apoia o trabalho de mulheres comediantes e nomeou, em 2017, Celeste para o prémio WhoHaha Funniest Lady on Instagram. E Celeste ganhou. “Fiquei muito feliz com esse prémio. Adoro a Elizabeth Banks. O facto de ela ter reconhecido o meu trabalho foi muito importante para mim, foi incrível.” 

“Já gozei com a Beyoncé, por isso suponho que ninguém esteja a salvo.”

É pouco provável que o killer instinct da humorista se desligue, porque para ela, “depois de molhar as cuecas a rir, nunca mais nada irá parecer tão sério.” Mas, se há coisa que a fama faz é levar-se a sério. E quando se tem muitos amigos famosos, será que vamos mesmo querer arranjar chatices com eles no Instagram? “Já gozei com a Beyoncé, por isso suponho que ninguém esteja a salvo”, atira Celeste, segura de que pode mudar o mundo, uma celebridade de cada vez. “O humor pode mesmo mudar o mundo, as pessoas precisam de se rir mais.” 

E é isso que Celeste faz, mesmo quando a vida lhe troca as voltas e a deixa “desconfortável”. Como assim? A mulher que o mundo inteiro já viu em posições que o comum dos mortais pagaria para que não caísse nas mãos erradas sabe o que é sentir pudor? “Sinto-me embaraçada se tiver de ler em público. Essa situação assusta- -me.” Sim, ler em público pode ser altamente destabilizador. Especialmente quando sabemos que as pessoas que nos estão a ouvir já não precisam de imaginar como é que somos lá em casa. 

Artigo originalmente publicado na edição de agosto de 2019 da Vogue Portugal.

Artigos Relacionados

14. 8. 2019

Celeste Barber: Celestial Body

Sold out! Sold out! Sold out! This was New York City’s reaction to the last three days of Celeste Barber’s show in the U.S.A, which ended the Australian comedian’s tour in that country last July. This proves the Celeste Barber “phenomenon” is still growing way beyond the five million people who follow her on Instagram, the place where everything began in 2015, with #celestechallengeaccepted.

Ler mais

14. 8. 2019

Irina Shayk: From Russia with Love

A bunch of questions fired upon Irina Shayk – the model, the woman, the icon. A style exercise that puts the supermodel in the center of the stage. No filters. No subterfuges. No references that may lead to a clickbait. We wanted to bet on the impossible, so we made an interview aiming towards the most coveted target: the balance between common sense and good taste.

Ler mais

Notícias 6. 8. 2019

Nas bancas: nove destaques da edição de agosto 2019

A modelo russa Irina Shayk e a comediante australiana Celeste Barber são os rostos da edição A Matter of Taste da Vogue Portugal. Um número que é inteiramente dedicado às questões de gosto, goste-se ou não. A-gosto está nas bancas.

Ler mais

Vídeos 6. 8. 2019

Who Wore It Better?

São as duas apoteóticas no que fazem. São as duas mulheres confiantes. São as duas fortes, lutadoras, exemplares.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK