Atualidade   Entrevistas  

A Cara de uma nova geração

26 Sep 2019
By Rui Matos

Modelo, atriz, autora, influencer, ativista. Cara Delevingne é tudo isto, mas, acima de tudo, é o rosto de uma nova geração de ídolos. Mais atentos, mais conscientes.

Modelo, atriz, autora, influencer, ativista. Cara Delevingne é tudo isto, mas, acima de tudo, é o rosto de uma nova geração de ídolos. Mais atentos, mais conscientes. 

Aos 27 (nasceu a 12 de agosto de 1992), Cara Delevingne conta já com um currículo invejável. A estreia aconteceu quando tinha apenas 10 anos, nas páginas da Vogue Itália, fotografada por Bruce Weber, com um chapéu amarelo Philip Treacy. Os olhos felinos, as sobrancelhas imponentes e um rosto inesquecível fizeram de Cara uma das miúdas mais desejadas da indústria, a belle du jour do século XXI, reconhecimento que lhe valeu variadas campanhas, desfiles e produções de Moda. 

Com a indústria a seus pés, decidiu experimentar o Cinema, onde conseguiu um papel em Paper Towns (2015), seguiu-se Suicide Squad (2016), depois Valerian and the City of a Thousand Planets (2017) e, mais recentemente, Her Smell (2018). Para o cidadão comum, isto seria suficiente. Mas não para Cara. Em 2017, decidiu acrescentar ainda um livro ao seu rol de conquistas, intitulado Mirror, Mirror, que conta uma história sobre o crescimento de quatro amigos. Este pequeno resumo do currículo de Cara é uma prova de que é possível fazer qualquer coisa. 

Etiquetar as pessoas pode parecer uma coisa datada, mas Cara Delevingne encaixa-se na perfeição na secção de novos role models da cultura pop. Movimenta-se muito bem nas redes sociais, isto é, tanto as usa para momentos de autopromoção e puro lazer, como para defender os direitos das mulheres, do ambiente, dos animais, ou seja, de tudo aquilo em que acredita. Delevingne é embaixadora da TAG Heuer e, claro, rosto da campanha, cujo mote é #DontCrackUnderPressure. 

Aproveitámos o slogan para fazer algumas perguntas a Delevingne. Mas nenhuma inventada à pressão. 

No início da sua carreira, certamente sentiu alguma pressão sobre si. Como lidou com essa pressão para continuar a lutar para ser a melhor e não se deixar afetar? 

Ainda lido com essa pressão. Eu arranjo tempo, todos os dias, para meditar e fazer ioga. Ajuda-me a manter-me focada em mim e não me distrair com tudo o que se passa à minha volta. 

Hoje em dia, as redes sociais colocam imensa pressão nos seu utilizadores: como gere tudo o que acontece nas caixas de comentários e mensagens diretas? 

Tento não ler os comentários. As mensagens diretas são ótimas para me manter ligada aos fãs, mas também pode ser um espaço traiçoeiro. À medida que a idade avança, passo cada vez menos tempo em social media. 

Não tem medo de vocalizar aquilo em que acredita e os direitos dos animais são uma dessas causas. Foi por isso que decidiu tatuar a imagem de um leão? Que significado tem?

A tatuagem do leão tem muitos significados, sendo que um é o facto de ser o meu signo astrológico. Os leões são criaturas ferozes que eu amo e gosto de o ter entranhado em mim. 

Por falar nesses felinos, foi fotografada para a campanha da TAG Heuer de 2018 com um leão verdadeiro. Como foi essa experiência? Assustadora ou nem por isso? 

Eu amei fotografar com um leão. Senti-me sempre segura por causa dos tratadores que tínhamos no set, mas também foi algo muito delicado, porque foi necessário movermo-nos tendo em conta o instinto do animal. 

Em janeiro deste ano, juntou-se ao movimento #MyEcoResolution. Educar as pessoas sobre sustentabilidade e criar uma consciência em torno do tema é muito importante. Em que momento se apercebeu que, mais do que nunca, precisamos de prestar mais atenção ao nosso planeta? 

Sempre fui apaixonada pelo meio ambiente e por tudo o que possamos fazer para o proteger. À medida que mais e mais informação foi sendo divulgada sobre como o fazer, quis usar a minha plataforma pública para ajudar a fazer algumas mudanças benéficas. 

Nas suas entrevistas, sempre partilhou a mensagem de cada um ser como é. Acreditar em nós próprios. Como é que esse ponto foi um patamar importante na sua vida e carreira?Todo o meu sucesso veio do que me torna única - sejam as minhas sobrancelhas, a minha personalidade, etc. Não teria metade do sucesso que tenho hoje se não o tivesse abraçado. 

Já está na indústria da Moda há algum tempo, também já colecionou papéis importantes no Cinema e escreveu um livro. É uma mulher muito ocupada - como arranja tempo para tudo o que quer fazer, na sua vida? 

Tenho muitas pessoas ao meu redor que me ajudam a arranjar tempo para estas oportunidades maravilhosas. 

Há alguma outra profissão que gostaria de experimentar (ou investir mais nalguma que já tenha experimentado)? 

Isso é uma pergunta perigosa para mim. Há sempre algo novo que quero fazer. 

Estar sob os holofotes significa ter o mundo inteiro a seguir os seus passos. É um ícone moderno para milhões dos seus seguidores. É algo em que pensa? O que sente em relação a isso e que tipo de exemplo gostaria que as pessoas reconhecessem em si? 

Tento não pensar muito nisso. O máximo que posso fazer é continuar a ser quem sou e, espero, outros continuarão a sentir-se confortáveis com o seu próprio eu, também. 

 

Artigo originalmente publicado na edição de setembro de 2019 da Vogue Portugal.

Rui Matos By Rui Matos

Relacionados


Atualidade  

Morreu Claude Montana, icónico designer dos anos 80

23 Feb 2024

Curiosidades   Atualidade  

Cisnes entre patos

23 Feb 2024

Moda   Street Style  

LFW | Models Off-Duty

23 Feb 2024

Beleza  

LFW outono/inverno 2024 | A beleza nos backstages

22 Feb 2024