Artigo Anterior

Time for change: o futuro do calendário da Moda

Próximo Artigo

Os melhores momentos queer na passerelle

Notícias 29. 5. 2020

Julie Pelipas lança Bettter, uma marca upcycling de alfaiataria em segunda mão

by Julia Hobbs

 

Julie Pelipas, contributing fashion director da Vogue Ucrânia e estrela do street style, há anos que tem dado uma segunda vida aos fatos que encontra nas lojas de segunda mão. Agora, com o lançamento de Bettter, vamos conseguir trazer o guarda-roupa de Pelipas para o nosso quotidiano.


© Dudi Hasson

“Quando se trata de criar roupa, podemos fazer melhor, podemos criar coisas bonitas de uma forma ética e atenciosa”, explica Julie Pelipas, via Zoom, desde a sua casa em Kiev. “Esse é o desafio e a magia.”

Em junho, a stylist que é adorada pelos seus editoriais de Moda revolucionários e pelo seu estilo pessoal, vai lançar Bettter - uma marca de alfaiataria que Julie sonha em fundar há três anos. A primeira coleção, 00 drop, apresenta apenas 46 looks destinados ao upcyling e a uma nova makeover. E é aí que entra o nome. “Inicialmente, era um typo”, admite Pelipas, “mas, se o nosso plano é melhorar tudo, o pensamento foi: por que não melhorar a palavra ‘melhor’ [em inglês better significa melhor]?”

Então, o que é que torna Bettter melhor? Primeiro, “trata-se de roupas especiais e únicas, não são grandes coleções.” Cada peça é de segunda mão ou vintage, proveniente das lojas de segunda mão na Ucrânica, onde Julie passou grande parte do seu tempo. 

Além disso, existem as silhuetas masculinas - uma assinatura no estilo de Pelipas - inspiradas em Ernest Hemingway, Paraska Plytka-Horytsvit (“a Frida Kahlo da cena artística ucraniana”) e o artista vanguardista russo Kazimir Malevich. Cada fato foi projetado para acomodar até três tamanhos, e o facto do guarda-roupa da própria Julie ser baseado neste tipo de roupa não é uma coincidência. (Pense em coletes vintage Alaïa, usados de trás para a frente, combinados com calças como as que Katherine Hepburn usava).

Cortes espaçosos e masculinos têm sido uma obsessão para a stylist desde os tempos de secundário, quando começou a pegar nos fatos do seu avô e começou a redesenhá-los para se ajustarem à sua silhueta esguia. “Senti um surto repentino de crescimento aos 13 anos e deixei de ser a miúda mais pequena na escola para passar a ser mais alta, tudo isto num espaço de um ano”, explica Pelipas. “Era como uma girafa. Com 185 cm nada me servia.”

 © Getty Images

Anos mais tarde, na Semana de Moda de Paris, em 2018, a stylist escolheu usar um fato masculino que redesenhou e depois escolheu uns jeans volumosos brancos sob medida - ambos um protótipo da Bettter. Os fotógrafos de street style deliraram. Centenas de DMs no Instagram mais tarde, Julie já tinha um plano de negócio viável.

“Adorei como me senti quando entrei pela primeira vez na escola com um fato creme personalizado do meu avô. É isso que quero fazer com a Bettter - quero que todos sintam que a aparência que compram não é uma compra aleatória, mas algo que vai ficar com eles, como um casaco do teu avô.”

Mas não são apenas as credenciais sustentáveis sinceras ou os ajustes refinados da marca que a tornam numa marca única e moderna. Pelipas está também a redefinir a maneira como fazemos compras. Em vez de comprar uma única peça, a Bettter vende looks completos (ou “um guarda-roupa reciclado”), que consiste num fato em segunda mão único, com uma ou duas camisas - noutras palavras, blocos de construção do próprio armário de Pelipas 24/7. O bónus, é que, quando se trata de ética e estética, nunca nos precisamos de preocupar com aquilo que vestimos. 

“Nós acompanhamos tudo, desde o sítio onde encontramos o fato originalmente, até ao ano de produção, se conseguirmos encontrar essa informação, e ainda informações sobre quem inspirou a silhueta”, acrescenta Pelipas, que destaca a importância da transparência. “O meu sonho é que possamos partilhar a história por detrás de cada peça, incluindo o nome do ex-proprietário. É assim que, acredito, aprenderemos a construir um guarda-roupa mais sustentável, onde cada peça tem um significado. Eu adoraria chegar ao ponto em que as pessoas nos vão doar as suas roupas para nós as redesenharmos.”

© Dudi Hasson

O facto da “Moda honesta” inclui os preços da marca. “Vamos considerar todos os detalhes sobre o look antes do preço”, explica Pelipas, acrescentando que um visual totalmente reformulado será vendido por cerca de 500 dólares [aproximadamente € 449], com alguns looks especialmente criados com preços um pouco mais próximos dos 1000 dólares [aproximadamente € 900]. Juntamente com o plano de construir uma ferramenta algorítmica, que vai permitir que os compradores comprem o seu próprio fato Bettter sob medida e especificações pessoais, a stylist tem o objetivo de lançar uma linha de looks ultra-acessíveis para o lançamento ’03 drop’. “Estou aqui para trazer alegria às pessoas, não problemas, por isso espero que, com o tempo, possamos reduzir os preços.”

“Há anos, quando comprei aquele fato lindo rosa da Phoebe Philo para a Céline, que amo, lembro-me que dei todo o meu salário. Precisamos de consumir de uma forma mais responsável e ponderada, reconsiderando o nosso relacionamento com todas as coisas que temos ao nosso redor.”

Artigos Relacionados

Palavra da Vogue 22. 4. 2020

Não há um planeta B

É hora de proteger a Terra. Não há planeta B. Vamos enterrar os erros e plantar a esperança.

Ler mais

Tendências 30. 12. 2019

New burgeois: a grande tendência deste outono/inverno

As meninas boas vão para o céu, as más vão para todo o lado. Mas, agora, vão para todo o lado vestidas com elegantes camisas de laçada, blazers de quadrados e calças de cintura subida com pinças ultramarcadas. É um adeus às armas, ou melhor, ao streetwear, que se vai despedindo sorrateiro dos nossos armários em prol de um novo chique.

Ler mais

Entrevistas 6. 2. 2019

Julie Pelipas explica porque é que estilo e sustentabilidade são compatíveis

Julie Pelipas sabe as regras do jogo da Moda e prefere uma abordagem consciente. Conversámos com ela sobre esta forma de estar.

Ler mais