Artigo Anterior

Os 100 anos da Tous em documentário

Próximo Artigo

O Natal chegou mais cedo à Storytailors

Notícias 10. 11. 2020

Será possível assegurar que a roupa fabricada em algodão vem de produção ética?

by Mathilde Misciagna

 

In a nutshell: é mais difícil do que parece.

Mulher camponesa numa plantação de algodão no Mali, circa 1950. © Michel HUET/Gamma-Rapho via Getty Images

As cadeias de fornecimento na indústria global de vestuário e têxteis são longas, complexas, fragmentadas, em constante evolução e notoriamente densas. Isto é um problema porque cadeias de fornecimento muito densas e fragmentadas abrem caminho à exploração do trabalhador e a condições de trabalho inseguras, ao mesmo tempo que mantêm escondido quem tem a responsabilidade e poder para as corrigir.

Ao longo dos últimos sete anos, mas particularmente nos últimos três, muitas foram as grandes empresas que, pressionadas pelo hashtag #WhoMadeMyClothes, divulgaram publicamente as fábricas a partir das quais sai o seu produto final. No entanto, há uma falta de transparência notável para lá dessa primeira camada de manufatura – onde milhões de pessoas trabalham para produzir e processar a matéria-prima que depois se transforma em fibra e tecido que usamos – nomeadamente o algodão.

O mundo está sedento por algodão. Tanto o capitalismo ocidental como o comunismo de leste têm o mesmo objetivo: seduzir mão de obra o mais barata possível a uma colheita intensiva.

Hoje a atenção do mundo volta-se para Xinjiang, uma província ocidental da China. Ali, as empresas transportam a minoria étnica muçulmana Uighurs num autocarro até aos campos de colheita sob o pretexto de criar um sentido de união e nacionalidade. Muitos são separados das suas famílias, incluindo os próprios filhos. Há testemunhos de celas sobrepopuladas, assédio sexual rotineiro, violação, esterilização forçada e tortura. Várias investigações reportam a obrigatoriedade que os trabalhadores têm de viver no local debaixo de uma supervisão total e impedidos de voltar a casa.

ⓒ Istock images

Organizações de direitos humanos estimam que um em cada cinco trabalhadores na província de Xinjiang é vítima de trabalho forçado e praticamente toda a indústria da Moda é cúmplice, do fast fashion ao setor do luxo, ignorando o problema e continuando a abastecer-se na região. Para além disto, é importante notar que o algodão produzido nesta região da China é amplamente usado noutros países produtores como o Camboja, Vietname e Bangladesh. A capacidade de identificar a origem do algodão e traçar a sua jornada pela cadeia de fornecimento continua a ser um grande desafio. Mas é um desafio possível, mediante a vontade real das marcas em investir tempo e recursos, entenda-se.

"Sem transparência não é possível ver nem proteger as pessoas mais vulneráveis."

Estes agricultores produziram cerca de 26 milhões de toneladas de algodão entre 2019 e 2020, cujo valor estima-se em 41 mil milhões de dólares, segundo a International Cotton Advisory Committee. É o produto que não se pode comer mais amplamente cultivado. O Department of Labour norte-americano lista 17 países que ainda usam trabalho infantil nas suas indústrias do algodão. Dos dez maiores produtores de algodão do mundo só os Estados Unidos da América, o México e a Austrália estão fora da lista. Pobreza rural, escolas inadequadas e poucas alternativas são motivos suficientes para os pais pensarem que as crianças, mão de obra ainda mais barata e precisa devido às mãos pequenas, têm melhor futuro a trabalhar as plantações. Sem transparência não é possível ver nem proteger as pessoas mais vulneráveis.

Várias das certificações de algodão orgânico e sustentável líderes de mercado exigem vários graus de rastreamento desde o campo ao produto final, incluindo a marca de algodão Fair Trade, o Global Organic Textile Standard (GOTS), Textile Exchange's Content Claim Standard (CCS), entre outros. Num mundo híper conectado e em constante evolução, a transparência é o novo poder.

Mapear a rede de fornecedores de uma marca é o primeiro passo, mas crucialmente, essas informações devem ser partilhadas publicamente para que a marca colha os potenciais benefícios que a transparência permite e para que um conjunto mais amplo de partes interessadas faça uso dos dados para melhorar a responsabilidade em toda a cadeia de valor.

Artigos Relacionados

Tendências 24. 9. 2019

Desperdício Zero, por Lauren Singer | Trash is for Tossers

Singer, que se formou em Estudos Ambientais e chegou a trabalhar para o Departamento de Proteção Ambiental de Nova Iorque, como analista de sustentabilidade, partilhou com a Vogue o lado bom e… - bom só há este - do estilo de vida desperdício zero.

Ler mais

Tendências 3. 9. 2019

Cinco regras para entrar no lifestyle do desperdício zero

Bea Johnson, da Zero Waste Home, acrescenta uma mnemónica fácil (os cinco Rs) para que comece a aplicar o zero waste sem dúvidas.

Ler mais

Tendências 22. 4. 2019

O que é a cosmética natural e quais são as vantagens

Comemos orgânico, fazemos reciclagem, lavamos os dentes com escovas com cabo de bambu, vamos aos mercaditos bio aos domingos de manhã e carregamos as compras do mês em eco bags. Só nos faltava mesmo um ritual de beleza que acompanhasse esta nossa tão bonita green life.

Ler mais