Artigo Anterior

Frio floral

Próximo Artigo

Réveillon: 5 opções de calçado raso - e em português

Notícias 28. 12. 2017

Diretores criativos: os nomes que saíram em 2017

by Sara Andrade

 

Nem só de best ofs vive o ano: alguns dos momentos deste significou a saída de nomes que vamos sentir a falta em algumas Casas de Moda, ao longo de 2018 e mais além.

A lista seguinte faz a cronologia das saídas de 2017.

Clare Waight Keller, Chloé

A 30 de janeiro, a designer anunciava a sua saída da marca francesa. Uns dias depois, Riccardo Tisci saía da Givenchy. E dava o lugar a Keller, que passou a coordenar as coleções da marca. Depois de 6 anos na Chloé, tornava-se na primeira mulher a liderar a casa fundada por Hubert de Givenchy em 1952.

Riccardo Tisci, Givenchy

Parece uma notícia longíqua, mas ainda é uma baixa de 2017: Tisci sai da emblemática casa francesa depois de 12 anos a comandá-la criativamente. Os dois nomes estavam tão intrínsecamente ligados que uma das coleções pós-anúncio, a 2 de fevereiro, foi um tributo a Riccardo. 

Rodolfo Paglialunga, Jil Sander

A 15 de março, é anunciada a saída do diretor criativo, três anos depois de ter assumido funções. A decisão foi mútua, dizem fontes oficiais.

Bouchra Jarrar, Lanvin

Não sabemos se vai dar tempo para sentir falta: depois de apenas duas estações na maison, Jarrar sai da Lanvin. O anúncio chegou a 6 de julho. 

Christopher Bailey, Burberry

Foi uma das mais inesperadas notícias - achavámos que o casamento ia ser para sempre. Dezassete anos depois de entrar na marca británica e de tê-la trazido para o séc. XXI, apostando no digital e nas redes sociais de uma forma que poucas concorrentes o fizeram, Bailey sai para se dedicar a futuros projetos criativos. A decisão foi anunciada a 31 de outubro.

Jenna Lyons, J.Crew

A 15 de dezembro, é anunciado o cessar das suas funções na casa norteamericana. Lyons não era apenas diretora criativa - era a Presidente.

Jonathan Saunders, DVF

Jenna Lyons não foi a única baixa a 15 de dezembro: no mesmo dia, sabe-se que o britânico Saunders também deixa a marca homónima de Diane Von Furstenberg. Estava na DVF desde maio de 2016 e o ano e, segundo o comunicado, garante-se que a saída é amigável. Há quem aponte a necessidade de revitalização financeira da casa como argumento para a reestruturação.

Nicola Formichetti, Diesel

É o fecho de um ciclo de 5 anos do italiano na marca de Renzo Rosso, que justifica a saída com a vontade de se dedicar à etiqueta própria, Nicopanda. A notícia caiu a 18 de dezembro.

Phoebe Philo, Céline

Phoebe Philo foi a mais recente baixa: a criadora britânica anunciou a saída do leme criativo da francesa Céline na sexta-feira, 22 de dezembro. Estava há uma década na maison.

Cniluxury - MRec

Artigos Relacionados

Tendências 27. 12. 2017

Céline, por Phoebe Philo

Depois de ter surpreendido tudo e todos ao anunciar a sua partida da Casa francesa, já depois da coleção de outono/inverno de 2018, é agora tempo de rever e perceber o seu percurso enquanto diretora criativa na Céline.

Ler mais

Notícias 22. 12. 2017

Phoebe Philo diz adeus à Céline

Esteve 10 anos à frente da direção artística da Casa francesa e, depois de muita especulação, a confirmação chegou: é mesmo o fim de uma era na Céline.

Ler mais

Notícias 15. 12. 2017

Jonathan Saunders despede-se da DVF

Após 18 meses à frente da Casa, o designer escocês abandona o cargo de Chief Creative Officer.

Ler mais

Tendências 6. 11. 2017

Retrospetiva: a Burberry de Christopher Bailey

A saída de Christopher Bailey da Casa britânica, após 17 anos como diretor criativo, faz-nos olhar para trás e recordar os seus grandes feitos.

Ler mais