Artigo Anterior

Almost famous

Próximo Artigo

Susan’s surrender

Tendências 28. 9. 2018

Os melhores coordenados animal print do cinema

by Ellen Burney

 

A moda vai e vem, mas quando o tema é o amor pelo padrão animal, Hollywood raramente muda de opinião. A Vogue reuniu os momentos mais memoráveis do animal print no cinema.

 

Hello gorgeous” diz resplandecente Barbra Streisand, num casaco padrão de leopardo e chapéu a combinar, ao seu reflexo em Funny Girl (1968). O animal print há muito tempo que persegue o grande ecrã, desde o casaco manchado de Anne Bancroft em A Primeira Noite (1967) a Patricia Arquette como vilã no filme Amor à Queima-Roupa (1993), escrito por Tarantino. E enquanto a minissaia com padrão de vaca de Arquette captura um status do culto, e o catsuit pele de cobra de Ursula Andress em Que há de novo, gatinha? (1965) certamente chegou à spotlight, o padrão leopardo é sem dúvida o mais lendário. 

Na década de 1920, peles leopardo cobriam as estrelas do cinema mudo como Clara Bow e Lilian Harvey - que as vestiam com acessórios como um monóculo e uma cartola em Qual das Duas? (1927) - mas foi só na década de 1940 que o padrão deixou a sua marca. Quando Christian Dior estreou o seu estampado leopardo (em vez de pele) na coleção para a primavera/verão 1947 - com um vestido chamado Jungle e outro Afrique - a sétima arte seguiu o seu exemplo. Shelley Winters optou por um casaco com mangas largas e boina preta em A Fera da Cidade (1948), e Veronica Lake passava o tempo em viagens no filme Uma Aventura em Saigão, do mesmo ano, também com um casaco padrão de leopardo.

A década a seguir viu a atriz de film-noir Gloria Swanson com o seu turbante leopardo em Crepúsculo dos Deuses (1950), Marilyn Monroe a arrastar a sua capa com padrão de leopardo em Os Homens Preferem as Loiras (1953) e Kim Novak, envolta em leopardo em Sortilégio de Amor (1958). Exuberante no seu casaco leopardo, chapéu pillbox e batom vermelho, Gwyneth Paltrow personificou a era da perfeição em O Talentoso Mr. Ripley (1999). Os anos 60 também foi vítima do padrão leopardo - como podemos ver em Factory Girl (2006), onde Sienna Miller deu vida a Edie Sedgwick, e ainda em Uma Outra Educação (2009), com Rosamund Pike e Carey Mulligan. E, na década de 1970, não nos esqueçamos do biquíni de Brigitte Bardot em Boulevard du Rhum (1971).

Outros looks fantásticos incluíram a maquiavélica repórter meteorológica interpretada por Nicole Kidman em Disposta a Tudo (1995), que surgiu num slip dress com estampado leopardo hiper-sedutor, e ainda a gélida Meryl Streep em O Diabo Veste Prada (2006). Num registo mais manso chega Audrey Hepburn, no seu chapéu pillbox da Givenchy no filme Charada (1963), e Doris Day em Conversa de Travesseiro (1959). Menos domesticado, talvez, na pele de Nicole Kidman em The Paperboy - Um Rapaz do Sul (1959).

Da mais majestosa à mais rebelde, a Vogue reúne as cenas onde o animal print foi protagonista no grande ecrã.

Artigos Relacionados

Street Style 24. 9. 2018

Buongiorno, Principessa!

As ruas de Milão responderam à indecisão das temperaturas com uma verdadeira lição de estilo.

Ler mais

Tendências 5. 9. 2018

Tendências FW 2018: querido, comprei o zoo

Podíamos dizer that don’t impress me much, mas não é verdade. O padrão animal é imponente, exuberante, luxuoso e sabe, definitivamente, dar nas vistas.

Ler mais

Compras 22. 8. 2018

Lei da selva

No reino da Moda, o leopardo é sem dúvida o rei da selva, mas, nesta estação fria, chega acompanhado pelo efeito pele de cobra ou ainda pelas listras do tigre e da zebra.

Ler mais

Palavra da Vogue 2. 7. 2018

Spirit animal

Pode ser um tigre, uma zebra ou um leopardo, o que realmente importa é ter um padrão destes no armário, faça chuva ou sol.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK