Muito mais que tingimento natural
Artigo Anterior

Too good to be true

Próximo Artigo

Annabelle Ferrera em discurso direto

Muito mais que tingimento natural

Entrevistas 1. 8. 2018

by Rui Matos

 

Desperdiçar é um dos vocábulos que não faz parte do dicionário de Maria Romero, a fundadora de Tintoreria Project, a iniciativa que visa dar uma nova vida aos tecidos que foram perdendo a cor. 

© Maria Romero Studio

Dos lençóis às toalhas de banho, das camisas às t-shirts, é natural que o branco-gélido vá perdendo a cor ao longo do tempo. Mas nem tudo está perdido, porque o Tintoreria (que significa casa de tingimento em espanhol) Project está pronto para reavivar os têxteis que tanto gostamos e dos quais não nos queremos ver livres. 

Aqui, a industrialização é posta de parte e o lado humano do processo é salvaguardado, sendo também um dos pontos principais do projeto. Uma vez que protege os recursos naturais, o caminho que acaba por se cruzar com a sustentabilidade“Quando falamos de sustentabilidade, ou de criar peças sustentáveis, é preciso decidir o que é realmente importante para cada um. Para mim as relações humanas são o ponto fulcral”, explicou Maria Romero, fundadora deste projeto, em entrevista à Vogue. 

© Maria Romero Studio

É através dos resíduos alimentares que Romero extrai as cores para este processo que, como nos explica, “só funciona em tecidos de fibras naturais”. Os restaurantes, mercearias e jardins de Brooklyn são os armazéns para este colheita. A designer de têxteis consegue cerca de 300 caroços de abacate, várias cascas de cebola vermelha e ainda bolotas que apanha durante o outono.

A equipa do Tintoreria Project divide-se entre o distrito nova-iorquino e a cidade mexicana de Oaxaca, onde Maria Romero aprendeu, através dos seus colaboradores e famílias locais, como extrair as cores de plantas e alimentos, um processo bastante valorizado pela designer. “Trabalhei durante muitos anos na indústria e comunicava com as fábricas através de email. Agora colaboro com famílias, famílias que conheço, sei quem é a mãe, o pai e os filhos. Temos uma relação que vai para além do trabalho.”, contou. 

Mas como é que tudo isto funciona? É um processo longo e delicado, que requer atenção e total dedicação, e que se divide em quatro etapas: polimento do tecido, tingimento, lavagem e secagem à sombra.

Perguntámos a Maria se era possível fazer o tingimento natural em casa, ao que nos respondeu: “Just do it. Vão em frente. Guardem os caroços dos abacates, colham flores, explorem os jardins. Peguem nos panos de cozinha que já não são mais brancos e façam as vossas experiências. Mas sempre com mente aberta e prontos para serem surpreendidos. O resultado final não é o mais importante, mas a conexão que têm com o processo.”. 

É possível enviar peças que pretenda tingir por correio, para o estúdido do Tintoreria Project. Recentemente, Maria Romero criou uma linha de roupa, Tintoreria Closet, que faz shipping para todo o mundo e, assim, nos dá a oportunidade de fazer parte desta história.

© Tania Apolinar

Artigos Relacionados

Tendências 18. 7. 2018

Not so typical

“Mais do mesmo não, por favor.”. Ecoa no subconsciente de cada um quando a ideia de remodelar a casa de banho surge,

Ler mais

Compras 17. 7. 2018

Tie-dye by your side

Resgatámos o tie-dye do esconderijo e levámo-lo ao altar do estilo com esta seleção das peças mais irreverentes e divertidas para a estação.

Ler mais

17. 7. 2018

To dye for

A tendência dos anos 70 cujo regresso mais temíamos está de volta.

Ler mais

Compras 11. 6. 2018

Swimwear: parque de diversões

Em nome dos dias quentes, dos banhos de sol e dos mergulhos no mar, afundámo-nos nas lojas online em busca das propostas mais divertidas de swimwear para a época balnear.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK