Artigo Anterior

O amor e um museu

Próximo Artigo

We should all care

Curiosidades 21. 6. 2018

Lana Del Rey, a videografia

by Rui Matos

 

Foi através da melancolia que transpõe para letras como Born To Die, ou Video Games, que ficámos a conhecer a cantora norte-americana. Seis anos depois do seu primeiro lançamento mais mainstream, Del Rey continua a ecoar em loop nas playlists do comum mortal. 

© Instagram.com/NeilKrug

A estética sempre foi uma das principais preocupações de Lana del Rey e os seus videoclipes são a prova disso mesmo, com imagens acompanhadas de referências à cultura literária e cinematográfica. 

Descubra, ou recorde, algumas curiosidades sobre os videoclipes de Lana Del Rey. 

National Anthem, 2012

Para a cantora, este fora o vídeo mais bonito que alguma vez fez e é difícil discordar. Nesta narrativa, recuamos até aos anos 60 e à morte de JF Kennedy, agora adaptada aos tempos modernos por Del Rey que interpretou duas personagens emblemáticas da cultura popular Marilyn Monroe e Jackie Kennedy. O par romântico ficou entregue à própria e a A$AP Rocky, que segundo se diz, não hesitou em aceitar o papel por ter uma crush por Lana. 

 

High By The Beach, 2015

Com uma crítica clara à indústria dos paparazzi, que intersetam a vida das figuras públicas para conseguir qualquer imagem, a norte-americana construiu uma história à volta do que muitos acreditam ser uma situação autobiográfica. High By The Beach foi gravado num só take em Malibu, no estado da California, onde à data Lana tinha uma propriedade.

 

Summertime Sadness, 2012

Apesar de mostrar o amor entre duas mulheres, Jaime King, a co-protagonista desta história, afirmou que o conceito era sobre não saber viver sem a pessoa que se ama, seja ela um namorado, amigo ou familiar. 

 

 

West Coast, 2014

Tem o dom da palavra e as canções que escreve são a prova disso mesmo. Para West Coast, o lead single de Ultraviolence, Lana cantou sobre uma mulher que está dividida entre o amor e o poder. Esta dicotomia é retratada entre os dois homens presentes na história: o mais jovem, que representa o verdadeiro amor, e o mais velho que representa o poder.  

 

Freak, 2016

O pintor francês Claude Monet, e uma das suas obras em movimento, serviu de inspiração para este vídeo realizado pela própria e que contou com a participação de Father John Misty. No cerne da narrativa está o consumo de LSD e o efeito das alucinações que, nesta situação, são acompanhadas ao som de Clair de Lune (1905), do compositor francês Claude Debussy.

 Ride, 2012

Uma curta-metragem ou um teledisco? Ambos. Para esta faixa, a artista aventurou-se a escrever sobre a liberdade, como descobriu o seu refúgio através de viagens e ainda sobre o facto de querer ser poetisa. 

Artigos Relacionados

Eventos 29. 1. 2018

Grammy Awards 2018: a red carpet

O Madison Square Garden recebeu, na noite de domingo, a gala anual que premeia o que de melhor se fez na indústria musical. Na passadeira vermelha, desfilou o glamour e a exuberância a que as estrelas da cultura pop nos têm habituado.

Ler mais

Eventos 4. 1. 2018

Golden Globes: o melhor da red carpet

A poucos dias da 75ª edição, recordamos os melhores momentos de estilo, da primeira à última gala, dos Golden Globe Awards.

Ler mais

Palavra da Vogue 3. 10. 2017

Heartbeat

Um vinyl vermelho em forma de coração com os singles Love e Lust For Life (com The Weeknd) de Lana Del Rey, numa edição limitada a 5.000 cópias.

Ler mais

Coleções 22. 9. 2017

Prada: primavera-verão 2018

A primavera-verão da Prada é uma história banda desenhada.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK