Artigo Anterior

Leonardo DiCaprio: os melhores papéis no cinema

Próximo Artigo

Stella Maxwell: Getting ready GQ MotY 2018

Pessoas 12. 11. 2018

Grace Kelly: o estilo da Princesa do Mónaco

by Ellen Burney

 

De estrela de Hollywood a princesa, a vida de Grace Kelly foi uma história de encantar tornada realidade - tal como o seu guarda-roupa. A Vogue faz a retrospetiva dos seus mais mágicos momentos de estilo.

© Getty Images

"Algumas pessoas precisam de lantejoulas, outras não", defendeu a designer de Hollywood, Edith Head, ao falar sobre o seu vestido azul-gelo que Grace Kelly usou nos Óscares em 1955. A frase encaixava que nem uma luva na futura princesa moderna, cujo guarda-roupa Real englobava tudo desde as silhuetas couture de Cristóbal Balenciaga, nos anos 60, ao mote Palm Beach de Pucci, dos seventies. A atriz vencedora de um Óscar - e estrela de filmes como Rear Window, High Society e The Country Girl – partiu dos Estados Unidos da América para o seu casamento no Mónaco em 1956, em modo quase-princesa vestida em riscas da Pringle.

Depois de anunciar o seu noivado com o Príncipe Rainier III do Mónaco, no início desse ano - envergando um vestido de figura New Look assinado pela Branell of New York -, entrou no seu papel europeu com uma transição suave entre vestidos de gala Christian Dior e peças de baile em tafetá. Já reconhecida pelo seu guarda-roupa polido - a Time chamou-a de "a rapariga de luvas brancas", em 1955 -, a outrora heroína de Hitchcock trocou passadeiras vermelhas em vestidos Oleg Cassini e cerimónias de Óscares em silhuetas cheongsam por visitas à Casa Branca em conjuntos, com bolero incluído, da Givenchy.

O seu look de casamento é, talvez, o seu mais famoso. Casou numa silhueta desenhada por Helen Rose, a figurinista da MGM Studios: um fato com saia em renda sobre tafetá de seda em rosa para o seu casamento civil e um vestido em tafetá de seda com um véu para a cerimónioa religiosa. Enquanto os sixties foram passados em vestidos de cocktail couture e vestidos em seda estampados com lenços a condizer, a década de 70 pediu turbantes, polka-dot, blusas com laçada e vestidos de print geométrico com óculos XL. Usou um turbante em tangerina, com calças à boca de sino a fazer pendant, para os desportos de inverno em França, e, para o Cannes Film Festival em 1972, um look assinado por Marc Bohan para a Dior. 

Em 1981, um ano antes da sua morte, a Princesa Grace adicionou finalmente alguma pompa ao seu guarda-roupa palaciano, estreando-se num volumoso vestido púrpura com etiqueta Yves Saint Laurent.

No dia em que faria 89 anos, a 12 de novembro, a Vogue recorda o esplendoroso guarda-roupa de Grace Kelly.

Artigos Relacionados

Curiosidades 1. 8. 2018

Diz-me que perfume usas

E dir-te-ei quem és. Do L'Air de Rien de Jane Birkin ao L'Ombre dans L'Eau de Lauren Bacall, estas são as fragrâncias icónicas de doze mulheres igualmente memoráveis.

Ler mais

Pessoas 9. 7. 2018

Em nome de um ícone

As pérolas estão para Mademoiselle Coco Chanel como as cestas de vime estão para Jane Birkin. E não há volta a dar. Há acessórios que falam sem ter voz, que são sinónimos sem o ser, e que, por isso, ficaram para a história da Moda.

Ler mais

Tendências 10. 4. 2018

Carteiras com nome próprio

Não são meras carteiras, são it bags que receberam o nome de grandes personalidades da cultura popular. 

Ler mais

Tendências 26. 9. 2017

Put on your red dress

O vermelho é uma das tendências mais fortes para este inverno, mas, na 7ª arte, dos clássicos aos filmes mais contemporâneos, há muito que se tornou um ícone do grande ecrã.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK