Artigo Anterior

Estamos perante o potencial regresso das calças de cintura descaída

Próximo Artigo

Cinco tendências das coleções Resort que ainda pode usar

Tendências 29. 1. 2019

Porque é que os designers estão a reinterpretar os seus grandes hits?

by Beatriz Teixeira

 

A nostalgia ligou do seu Motorola com antena e pediu para lhe darmos mais um bocadinho do que já vivemos. A Moda faz-lhe a vontade, ressuscitando dos arquivos mais um vestido, uma carteira e, já que estamos nisto, uma coleção (quase) inteira. 

 

© Instagram.com/elizabethhurley1/ Composição gráfica de Sara Marques

Em 1994, estreia a comédia romântica Quatro Casamentos e um Funeral, Liz Hurley de braço dado ao então namorado Hugh Grant. Estamos situados? Foco no vestido. Sim, aquele Versace preto, com decote exuberante, impedido de revelar demasiado por alfinetes dourados colocados estrategicamente nos sítios certos, e que ficou indiscutivelmente conhecido pelo Universo como “that dress” sem ser preciso grandes explicações. Havia quem nem sequer soubesse quem era Hurley, mas que nunca se subestime o poder de um vestido. “Na altura, os vestidos na passadeira vermelha eram recatados. A visão de Hurley naquele vestido enaltecedor com laterais golpeadas e decote profundo fez dela uma estrela de imediato, apesar de poucos terem ouvido falar dela até então. De certa forma, aquele vestido lançou a cultura das celebridades como a conhecemos”, disse o The Guardian em 2012. 

Não é exagero e foram precisos 18 anos para alguém se atrever a brincar ao who wore it better (esse alguém foi Lady Gaga com a bênção de Donatella). Mas o “that dress” foi só uma espécie de princípio. Seis anos depois, nos Grammy Awards de 2000, Jennifer Lopez surgia dentro de vestido verde de chiffon fluido com decote abaixo do umbigo e nós tivemos a certeza de que a Versace era perita em fashion moments, daqueles com vida eterna e de que falaremos até que a morte nos separe. Gostamos demasiadamente disso, de recordar o melhor do passado, e sabe-se lá quando é que vamos parar de o tentar trazer para o presente. Bem, no que depender de Donatella, nunca. Foi ela que o garantiu quando encerrou a semana da Moda de Milão do verão do ano passado com uma reunião de supermodelos da classe de 1990 ao som de Freedom de George Michael; e que o recordou com mais um desfile-tributo ao irmão Gianni (seria o seu 72º aniversário), levando para a passerelle do Pre-Fall 2019 uma série de recriações da sua primavera de 1994 – “that dress” incluído – e, claro, daquele icónico vestido usado por JLo, da estação quente de 2000. 

Versace Pre-Fall 2019, Jennifer Lopez 2000, Versace Pre-fall 2019 © Getty Images

Nenhuma ida aos arquivos precisa de justificação, mas Donatella nem sequer tem lá ido sozinha. Marc Jacobs, por exemplo, viajou no tempo até 1993, recuperou a sua tão revolucionária coleção Grunge para a Perry Ellis, pô-la à venda em novembro passado exatamente igual, e até tivemos direito a voltar a ver Naomi Campbell com o mesmo look de há 25 anos com beanie arco-íris e tudo. E Jacobs finalmente reuniu os aplausos que não reuniu antes. É que, naquela altura, a Moda queria era vestir mulheres para o workspace e a crítica estava tudo menos preparada para ver Campbell, Kate Moss, Carla Bruni, Tyra Banks e Christy Turlington com ar desleixado em slip dresses, camisas de flanela, botas de combate, chinelos Birkenstock e sapatilhas Converse. As autoridades não se contiveram. Suzy Menkes disse que o grunge era medonho, Cathy Horyn comparou-o a uma maldição da Moda (“uma grande casa da Sétima Avenida fazer este tipo de statement a esse preço é ridículo”. Auch) e Jacobs acabou com uma carta de despedimento no colo. Mas também com a certeza de que este foi e será sempre o desfile da sua vida. “A coleção Grunge epitomou a primeira vez em que na minha carreira profissional estive decidido a ver a minha visão ganhar vida na passerelle, sem compromissos criativos”, confessou recentemente. 

Seria absurdo dizer que as viagens ao passado são de agora, afinal a Moda está sempre a olhar para atrás, e até podíamos recordar pela enésima vez o retorno da saddle bag da Dior, da baguette da Fendi, dos padrões dos anos 90 da Gucci e, voltando à Versace, daqueles que foram os everyday sunglasses do rapper Notorious BIG (20 anos depois, estiveram à venda durante um mês na Barneys. Conseguiu apanhar alguns?). Estamos mais nostálgicos que nunca e a métrica do Google confirma-o com um top de pesquisas de 2018 que incluiu “1980s fashion”, “grunge fashion”, “1990s fashion” e “2000s fashion”. De repente, todos os dias passaram a ser bons dias para um fashion comeback e “nos últimos 18 meses, as marcas ganharam o hábito de ressuscitar itens do arquivo para fazer deles sucessos comerciais e de Instagram”, analisou o Vogue.com. 

Mas por que andam os designers tão obcecados por trazer de volta os seus greatest hits? A pergunta também foi feita pelo The New York Times, que respondeu com outra pergunta: porque não? “Bem, os músicos fazem-no, já para não falar de Hollywood (Mary Poppins Returns, alguém?), por isso, porque não a Moda? Funcionou tão bem antes, porque não funcionaria outra vez?” É que a indústria também se agita com o que é antigo, afinal de contas, a novidade pode ser também uma novidade familiar, uma novidade que já vivemos antes e que não se esgotou de uma só vez. Leandra Medine, do Man Repeller, concorda e, numa review do desfile de Pre-Fall 2019 da Chanel com vibes de Antigo Egito, escreveu: “Isto, mais do que outra coisa qualquer, lembra-me que o que é novo nem sempre é revolucionário. Esta forma de vestir trazida do Passado, colocada no contexto do Presente, pode contar uma história interessante sobre o Futuro. E honrar, mesmo louvando o trabalho que já foi feito e trazendo-o de volta para a linha da frente, à sua maneira, uma forma de seguir em frente.” Ou não foi precisamente isso que Jacobs fez quando recuperou das cinzas 26 looks que um dia foram tão erradamente espezinhados pela indústria? Chamem-lhe nostalgia, eu digo que a vingança, por agora, serve-se vintage. 

 

*Artigo originalmente publicado na edição de janeiro de 2019 da Vogue Portugal. 

Artigos Relacionados

Roteiro 23. 1. 2019

Something old, something new: um roteiro de lojas vintage

Numa altura em que se fala da sustentabilidade na Moda, comprar em segunda mão é uma das alternativas para diminuir o uso excessivo de recursos do planeta.

Ler mais

Tendências 14. 1. 2019

Livro de História: puffer jacket

A Vogue investiga a história por detrás de uma das tendências mais faladas em 2018.

Ler mais

Vídeos 4. 1. 2019

Cantinho do vintage

Uma Chanel com história, um Alexandra Moura one-of-a-kind. Os clássicos ganham rugas mas não perdem charme e as coleções de outros tempos ganham alma numa era em que o vintage é o novo prêt-a-porter. Não é segunda mão. É segunda vida.

Ler mais

Guestlist 12. 12. 2018

That '70s Show

Inspirada no lado mais glamoroso dos anos 70, a campanha outono/inverno 2018-19 de Elisabetta Franchi é uma ode ao estilo inconfundível da década.

Ler mais

Notícias 7. 12. 2018

Quando a Burberry encontra Vivienne Westwood

Dois nomes de peso na indústria da Moda uniram-se para uma colaboração que nos apresenta uma fusão entre o punk/grunge de Westwood e o lado mais sofisticado e elegante da Burberry. Um dueto que se revelou tudo menos improvável.

Ler mais

Este website utiliza cookies. Saiba mais sobre a nossa política de cookies.   OK