Indústria do calçado vai garantir igualdade de género nos salários


O novo acordo garante "uma igualdade remuneratória para os trabalhadores que desempenham funções do mesmo nível de classificação profissional, independentemente do género". 

Portugal Fashion 2017: Luís Onofre
Portugal Fashion 2017: Luís Onofre  

Indústria do calçado vai garantir igualdade de género nos salários


O novo acordo garante "uma igualdade remuneratória para os trabalhadores que desempenham funções do mesmo nível de classificação profissional, independentemente do género". 

19 Abr 2017 • 12 24 H



A APICCAPS (Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos) e a FESETE (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Peles de Portugal) acabam de fazer história em Portugal, como a primeira indústria do país a registar a igualdade de género nas remunerações. "Ao contrário do que acontecia há alguns anos, quando as mulheres estavam mais na costura e os homens na montagem, nas fábricas dos nossos dias está tudo mais misturado: há homens nas linhas de costura e mulheres no corte e nos acabamentos", explica Paulo Gonçalves, assessor da direção da APICCAPS, aqui.

O contrato colectivo da indústria não incluía a fusão das funções entre os géneros, o que resultava numa desigualdade salarial. O novo acordo pretende, então, aproximar as remunerações dos homens e das mulheres que exercem as mesmas funções e com a mesma classificação profissional, algo que beneficiará a indústria futuramente. O acordo será assinado na presença  do ministro do trabalho, Vieira da Silva. 

pub
Faltam 300 caracteres
pub
pub
topo