Artigo Anterior

Front Row: Nova Iorque

Próximo Artigo

Gucci x Dapper Dan

Tendências 12. 9. 2017

Moda e Cinema: a Friendzone

by Irina Chitas

 

Durante décadas, a Moda e o Cinema presentearam-nos com uma paixão melosa, feroz, quase irritante de tão feliz. Como (quase) todas, essa relação acabou - pelo menos, nos moldes em que a conhecíamos. Estes são os filmes que mais influenciaram a forma como nos vestimos hoje. E amanhã.

Não retiremos daqui interpretações fatalistas: o Cinema e a Moda continuam amigos. Jantam fora, bebem uns copos, publicam fotografias um do outro nas redes sociais e, volta e meia, têm uma recaída como nos velhos tempos. Faz parte. Por muito que nos custe, temos de compreender que é difícil manter uma relação tão duradoura. Quando a Moda fez de Paris a capital do estilo, o Cinema surgiu, galã (talvez com voz de Marlon Brando, se não estivermos a ir longe demais na analogia), pronto para mostrar que o que projetava nas suas telas era replicado nas passerelles na estação a seguir e nas ruas logo depois. Uma das suas maiores armas começou a ser Audrey Hepburn, primeiro no look all black de Funny Face (ainda usamos os frutos desse cruzamento hoje em dia), depois com o LBD de Breakfast at Tiffany's e terminando com os casacões de cores fortes em Charade

Não foi a única, obviamente. O Cinema continuava a fazer a corte à Moda, musa atrás de musa - Faye Dunaway, Ali MacGraw, Catherine Deneuve, Diane Keaton -, look icónico atrás de look icónico. Até aos anos 80, funcionou. Os designers reproduziam quase na íntegra a alma dos figurinos, das grandes mulheres e dos grandes homens porque era à sala de cinema que o público ia buscar inspiração para o que vestir no dia a seguir. Só que depois veio a Internet. A massificação. As influencers. A obsessão pelos clássicos. É claro que os criadores de Moda continuam a virar-se para o grande ecrã na busca pela derradeira inspiração mas, não raras vezes, só as encontram nas pedras basilares do Cinema dos anos 50, 60, 70. O Cinema contemporâneo, salvo raras exceções - e, mesmo essas, ou são figurinos de época (Marie Antoinette, por exemplo) ou desumanamente futuristas (Avatar, claro, que chegou a ser homenageado numa coleção de Jean Paul Gaultier) - não enche as medidas de quem procura revolução.

Mas não faz mal. Está tudo bem. A mesma Internet que acabou com esta relação que julgávamos para sempre também nos traz um álbum de fotografias da família feliz que a Moda e o Cinema criaram. Somos bombardeados de Paris, Texas, Belle de Jour, Grey Gardens e Laura Mars e não poderíamos venerar mais estas musas que nos fazem usar com orgulho um bob reto, um casaco de pelo e um pólo Lacoste. 

   

 

Coop Chopard

Artigos Relacionados

Tendências 6. 7. 2017

Dirigir a Arte

Estes são os filmes que nos tiram o fôlego pela estética perfeita.

Ler mais

Tendências 13. 7. 2017

6 Reboots que fizeram história

Reimaginar um universo cinematográfico nem sempre é fácil – como o comprovam centenas de exemplos falhados na história do Cinema... mas há quem o tenha feito (muito) bem!

Ler mais

Tendências 19. 7. 2017

Filmes (De)Coração

Uma carpete The Shinning, um papel de parede Marie Antoinette, um sofá Le Mépris. Se filmes fossem marcas, esta seria a nossa lista de compras para decorar a casa - mas como não são, deixemos que nos façam sonhar um bocadinho mais alto.

Ler mais

Tendências 28. 7. 2017

Sidekicks for the Win!

Os verdadeiros heróis são maiores do que a vida, mas, ocasionalmente, os seus mais fieis companheiros roubam-lhes as luzes da ribalta.

Ler mais

Tendências 30. 7. 2017

Cinema: Paterson

Jim Jarmusch, o maestro dissidente do indie, está de regresso com uma ode aos versos do quotidiano e ao dia-a-dia da criação artística.

Ler mais

Pessoas 31. 7. 2017

Até à eternidade, Jeanne Moreau

Hoje despedimo-nos de uma lenda do cinema francês, da musa de François Truffaut e Roger Vadim, de um símbolo da nouvelle vague e da elegância francesa.

Ler mais