@work: PITANGA

Uma antiga fábrica de fósforos, no Beato, alberga, entre outros projetos, o atelier da Pitanga.

@work: PITANGA

Uma antiga fábrica de fósforos, no Beato, alberga, entre outros projetos, o atelier da Pitanga.
31 Out 2013 • 22 25 H



Manuela Marques, a designer, continua a trabalhar na coleção de acessórios da marca, num espaço que incorpora o espírito da mesma. Sofisticação e elegância enquadradas no coração daquele que pode ser considerado o equivalente lisboeta do Meatpacking district nova-iorquino.

 

Fala-me um pouco da Pitanga...

Foi em 2005 que criei a Pitanga, na altura com o meu namorado, que hoje é meu marido, e mais outro sócio. Abrimos um espaço, uma concept store, que tinha tudo à venda, desde a música que se ouvia, aos livros passando pelo mobiliário... Eram peças vintage, de artesanato e de moda! Entretanto, no terceiro ano da abertura da empresa, a Pitanga enquanto objeto nasceu… sob a forma de sapatos e acessórios! Mas, passados dois anos e meio instalou-se a crise no nosso pais e em 2010 decidimos parar, fazer um intervalo na manufatura dos sapatos… No entanto, a Pitanga continuou sempre com os acessórios!

 

O atelier da Pitanga nem sempre esteve instalado aqui no Beato…

O atelier da Pitanga era na parte de cima da loja By Marlene Birger. Mas, quando terminei o projeto Marlene Birger dediquei-me a 100% à Pitanga, por isso, ao sair daquele espaço tive que movimentar o meu atelier para outro espaço físico. E, esta zona (Beato) sempre me interessou muito… Adoro esta estética, esta degradação e encaro-o como um local ideal para renascer! Tenho aqui uns “vizinhos” super inspiradores… pessoas da minha geração, criativos… Portanto, este espaço caiu do céu! Ajudou-me a renascer das cinzas… Aqui solidifiquei a linha de acessórios Pitanga e impulsionei o e-commerce!

 

Fala-me deste antigo espaço industrial, onde a Pitanga está inserida?

Esta era a maior fábrica de fósforos da Península Ibérica! Data da pós-revolução industrial mas, já teve várias intervenções ao longo das décadas, porque a fábrica está desativada desde o Estado novo! O dono tem alugado o espaço e instalaram-se aqui empresas criativas e inovadoras… Quando estava à procura do novo espaço para a Pitanga, vim aqui e, esta sala chamou-me, imediatamente, à atenção… Era a antiga Enfermaria da fábrica! Quando pedi para entrar e ver melhor o espaço, apaixonei-me e… Desde então estou aqui!

 

Dividiste o atelier em diferentes áreas?

A Entrada é a zona que se pode chamar de showroom, e onde recebo algumas clientes, ou pessoas que me contactam com o objetivo de ver a coleção! O segundo espaço funciona como oficina da Pitanga!

 

É um espaço muito feminino, requintado…

Apesar de ser atelier, é como se fosse uma extensão da minha casa e da minha estética… O meu design é sempre uma mistura do velho com o novo, do romântico com o austero, de linhas direitas com linhas curvilíneas… Há sempre um contraste… e, isso traduz-se para o atelier! Mesmo os móveis que estão aqui… Fui eu que reciclei tudo após comprar em feiras de velharias… Eu, aqui, criei um ninho!

 

A tua marca é sólida, mas, este espaço é recente…No entanto, parece estar ocupado há anos! Recebemos a sensação de estar completo, em oposição a uma sensação de “work in progress”… Procuraste alcançar esta sensação de “plenitude”, desde o início?

Gosto desta sensação de “Humanidade” nos espaços!... A minha história começou aqui em Janeiro mas, as coisas que estão aqui trouxeram a minha história passada! E, por sua vez, as que não eram minhas, e que encontrei nas feiras de velharias, trouxeram as histórias de outras pessoas, e, eu depois completei-as com a minha própria história!

 

Tens alguma zona favorita no atelier?

Sim, eu gosto mais de estar na mesa, virada para a janela a desenhar! Neste momento, o meu plano de negócio é o contrário do que foi durante quase uma década! Eu, agora vou aos fornecedores, vejo o que há e começo a desenvolver ideias, seleciono uma série de coisas e, depois elas é que me contam uma história, e, a partir daí é que eu crio algo! Então, este local de desenho é um pouco nostálgico, porque desenho a partir de coisas que já existem e não a partir, exclusivamente, da minha imaginação.

 

Assim que entramos aqui… queremos ficar! É realmente assim? É um espaço onde as pessoas gostam de estar, não é!?

Sim, é! As minhas amigas, por exemplo, adoram estar aqui! É um lugar onde apetece estar, sem dúvida! E, eu adoro isso, porque aqui, às vezes, sinto-me um pouco isolada, logo gosto de ter companhia!

 

 

pub
Faltam 300 caracteres
mypitangas   15:51 - 01-11-2013
30
Obrigada Carmo e Anna, pelo encantador artigo. Texto e fotografias absolutamente arrebatadores. Sinto-me lisonjeada pela vossa visita. A minha casa, é agora também a vossa... :)
Manuela
Faltam 300 caracteres
pub
pub
topo