Sangue Novo

12 designers, 10 desfiles. O Sangue Novo trouxe o futuro do pronto-a-vestir, com as suas propostas para o outono/ inverno de 2015.

Sangue Novo

12 designers, 10 desfiles. O Sangue Novo trouxe o futuro do pronto-a-vestir, com as suas propostas para o outono/ inverno de 2015.
14 Mar 2015 • 10 38 H



Explorando novas formas e novas referências, a Plataforma Sangue Novo voltou a abrir mais uma edição da ModaLisboa. O Vogue.pt esteve à conversa com os 12 talentos desta edição e começou por falar com o selecionado deste ano. 

 

Patrick de Pádua foi o escolhido para representar Portugal no festival de moda holandês Fashion Clash. A coleção ‘Promises’ explora a proteção em que as promessas envolvem o indivíduo e o conforto para que o transportam. Com o preto, o branco e o cinzento a servir de elemento condutor do processo, o criador destaca o "bomber em ponto grande, o saco-cama, foi o que deu mais impacto. E também o primeiro coordenado, porque tinha o cão", mas admite que não consegue criar uma coleção sem "t-shirts e sou super viciado em casacos".

 

"É um grande passo, acho que é uma grande oportunidade, uma grande rampa e acho que agora só tenho é de aproveitar", comentou sobre a honra que é integrar a Plataforma Sangue Novo. "É sempre um desafio de estação para estação, mas eu adoro trabalhar o inverno".

 

Desde que apresentou a última vez na ModaLisboa - em março de 2014 - "mudou muita coisa. Mudei eu pessoalmente. Acho que fiquei um pouco mais maduro e acho que o meu traço ficou mais forte". "Estou a ver se consigo lançar a minha própria marca", mas com a perfeita noção de que é um algo complicado, nos dias de hoje.

 

Sobre a sua vitória, Patrick confessou, com um ar genuinamente humilde, que "foi algo muito estranho, não estava nada à espera".

 

Para mais informações: patrick_padua@hotmail.com

 

Cristina Real confessa adorar casacos e explorar as suas formas, mas não consegue destacar uma peça da sua coleção: "acho difícil escolher, porque cada uma tem uma particularidade da coleção. A minha foi inspirada em minerais, mais especificamente na Turmalina e Pirite, e cada uma representa uma forma diferente".

 

"É uma boa oportunidade porque acho que é importante haver este tipo de eventos. Para divulgar as marcas portuguesas e os jovens, que acho que estão a ficar cada vez melhores e mais empenhados", confessou a jovem designer.

 

Para Cristina Real, é a terceira vez que expõe o seu trabalho na ModaLisboa, mas "o nervosismo é o mesmo, como se fosse a primeira vez". É sempre um desafio, mas "acabei por ver alguma evolução. Deparamo-nos sempre com outros aspetos e há uma evolução como designer, mas também a nível pessoal".

 

A criadora confessa que têm existido algumas boas oportunidades e que se agarra a isso, para continuar com o seu trabalho e a não desistir. Quanto a próximos objetivos, confessa que "eu vivo o dia-a-dia a 100% e tento não pensar muito no amanhã. Tento aproveitar as oportunidades de hoje e vivê-las intensamente".

 

De momento, as peças da criadora podem ser adquiridas na Scar-ID, no Porto.

 

Para mais informações: cristinasofiareal@gmail.com

 

Rúben Damásio apresentou a coleção ‘Mist’, da qual destaca o primeiro e o segundo coordenados. A peça que não pode faltar na sua coleção é "um casaco, mesmo a nível pessoal. É uma peça que me diz e cativa muito".

 

"É sem dúvida uma oportunidade muito grande", confessou sorridente. "Acho que é uma mais-valia para nós, designers, termos este reconhecimento do nosso trabalho. É sempre bom termos oportunidade de expôr o nosso trabalho e de termos o feedback".

 

Para o estreante, participar na ModaLisboa, foi "um teste que coloca as nossas capacidades em prova". O jovem não esconde a vontade de continuar com os seus estudos: "eu pretendo continuar as minhas formações e a crescer a nível profissional". Para Rúben, o futuro é um livro em aberto, mas o desejo é "assumir a marca e explorá-la mais".

 

As peças podem ser adquiridas através do próprio criador, que afirma que "ainda não existe nenhum outro contacto, mas está para breve".

 

Para mais informações: ruben_damasio@hotmail.com

 

Patrícia da Costa admite que tem mudado bastante como designer, "se fosse há um ano atrás, diria que a peça-chave das minhas coleções é a camisa, bem tradicional e de estilo homem"; agora escolheria "um fato, que tivesse uma inspiração masculina, mas para mulheres".

 

"É uma honra, nunca pensei. É uma mais-valia" integrar a Plataforma Sangue Novo. Quanto a próximos objetivos, o principal é vender, mas a criadora tem mais em mente: "gostaria de ser conhecida em Portugal e na Europa. Ser uma marca que as pessoas gostem de usar e comprar".

 

Por agora, Patrícia trabalha numa base de encomendas, mas também quer abrir, para breve, a sua loja online.

 

Para mais informações: info@ppdcstudio.com

 

Tiago Loureiro e Aloísio Rodrigues – Banda – apresentaram uma coleção com inspirações japonesas. "O nosso trabalho não é desenvolvido a pensar na coleção. Trabalhamos peça a peça e por isso cada uma delas acaba por ser muito especial", afirmando ainda que as peças indispensáveis em qualquer uma das suas coleções são jumpsuits e casacos.

 

Esta foi a segunda vez que apresentaram na ModaLisboa e a dupla de criadores afirma que "não é um desafio apresentar nesta ou em qualquer outra plataforma de moda, o que é um desafio é de facto construir uma coleção".

 

"A experiência foi óptima. Notou-se um evoluir do nosso trabalho. Evoluímos muito e é sempre bom expormos o nosso trabalho". Com peças no Muuda – no Porto –, o objetivo principal é vender.

 

Para mais informações: banda.maincontact@gmail.com 

 

O desfile de M HKA foi marcado por macacões – uma das peças-chave da coleção – segundo Alexandre Pereira e Felícia Macedo e ainda "as peças com os teddy bears e fluffy, que são mesmo as peças conceito da coleção".

 

A dupla participou a primeira vez na ModaLisboa e diz ser "uma experiência boa e é ver o nosso trabalho a ser reconhecido", acrescentando ainda que "aprendemos o que é fazer uma coleção real e não só em papel".

 

O objetivo principal de Alexandre Pereira e Felícia Macedo é "criar a marca, continuar e ir inovando". Confessam que "não queremos fazer sempre a mesma coisa. Queremos apresentar sempre algo novo". Por enquanto, as suas peças podem ser adquiridas através de email.

 

Para mais informações: info.mhka@gmail.com

 

Em ‘Animan’, Ana Duarte destaca "o bomber azul, o bomber verde e o casaco comprido verde, mas todas as peças representam elementos diferentes dentro da coleção". Tal como a maioria, a designer elegeu o casaco como a sua peça-chave, numa coleção: "não é aquela peça obrigatória, mas que faz todo o sentido".

 

A jovem criadora, que terminou há pouco tempo o seu mestrado em Londres, sente-se uma designer mais completa depois de integrar a Plataforma Sangue Novo: "foi a primeira vez que apresentei. Dá-me mais resistência para o futuro e mais vontade em continuar".

 

"Uma grande honra" e "uma óptima plataforma para nos lançarmos e para termos visibilidade" - é assim que Duarte descreve a sua participação na ModaLisboa. Confessa querer ter a sua própria marca, "gostava de a ter nacionalmente e vender a nível nacional e internacional" e espera que "com a ModaLisboa venham alguns contactos".

 

Para mais informações: anaduarte@anaduarte.co.uk

 

Inês Duvale, a vencedora do ano passado, adora casacos "desde bombers a sobretudos". Peças que destaca da coleção ‘Dreamers’, em conjunto com os óculos – parceria que tem com a artista de joalharia Inês Nunes.

 

"Sinto que há muito poucas plataformas de moda em Portugal e a ModaLisboa consegue oferecer-nos isso. Nós conseguimos apresentar aqui e ter uma projeção mundial. Por isso, continuar aqui é gigante e quero continuar", disse a criadora, que apresentou a primeira vez na edição passada.

 

Duvale confidenciou ao Vogue.pt que não estava à espera do prémio, mas que foi muito importante, pois "era uma coleção muito pessoal". "Pensar que a minha marca foi a escolhida por alguém internacional, é muito importante". Os próximos passos de Inês Duvale passam por "retificar algumas coisas na coleção para a Holanda, que é no que eu me foco neste momento" e "continuar com a marca Inês Duvale, continuar a apresentar sazonalmente e tentar torná-la mais internacional".

 

A nível nacional, as peças só podem ser adquiridas com a própria criadora, mas a coleção passada – "Karma" – vai estar disponível na loja britânica Unconventional.

 

Para mais informações: iduvale11@gmail.com

 

Tânia Fonseca destaca, da sua coleção ‘TailorDrop’, "os casacos, porque acho que é o que reflete mais o tema da coleção. Trabalho o lado mais clássico, com o desportivo".

 

A designer, que apresentou pela primeira vez, diz ter sido uma experiência muito positiva. Está a terminar o mestrado e por isso também é uma vantagem a nível curricular: "junta-se o útil ao agradável", foram as suas palavras. "É uma espécie de escola para o futuro" afirmou Tânia, "tanta coisa corre mal. Tanta coisa que achamos que é possível e depois na prática as coisas não são bem assim. É muito complicado, mas muito bom para nós".

 

A criadora, que também tem as suas peças à venda no Muuda, revelou o seu desejo de "continuar a apresentar e a desenvolver trabalho".

 

Para mais informações: tanianicole_00@hotmail.com

 

David Catalán começou por confidenciar a sua paixão pelas sweats: "são peças multifuncionais e que têm muito a ver com a minha marca. Adoro as sweats que são feitas em tricô".

 

Para Catalán, a ModaLisboa não é só uma boa oportunidade a nível nacional, "é muito bom a nível internacional também, porque todos os que vêm de fora conseguem ver o meu trabalho. A nível mediático é muito bom para nós, designers".

 

O criador também vai apresentar na Mercedes-Benz Fashion Week, em Istambul, com a coleção ‘No Signal’ e em seguida, "quando voltar para o Porto, vou começar a desenvolver a próxima coleção". Vai abrir a sua própria loja online, mas já possui peças no Muuda, no Porto, e em outras lojas espanholas como a U-Store.

 

Sem esconder a sua vontade, afirmou "adorei o espaço e a passerelle é incrível. Gostaria de voltar".

 

Para mais informações: davidcatalan.cm@gmail.com

pub
Faltam 300 caracteres
pub
pub
topo