Artigo Anterior

Ibiza na ponta dos dedos

Próximo Artigo

Dirigir a Arte

Cinema: Homem-Aranha: Regresso a Casa

Tendências 6. 7. 2017

by Catarina D'Oliveira

 

Facilmente o melhor Homem-Aranha da década, Regresso a Casa é o teen movieque veio comprovar que a Marvel Studios ainda consegue surpreender. 

A história já é bem conhecida: no final dos anos 90 e bem antes da Marvel Studios existir, a Marvel Comics vendeu os direitos de reprodução cinematográfica de Homem-Aranha à Sony Pictures, dando origem à trilogia original de Sam Raimi (protagonizada por Tobey Maguire) e ao malfadado (e incompleto) reboot que mais tarde contou com Andrew Garfield no principal papel. 

Quase 20 anos depois e com muitas batalhas legais pelo meio, o novo Homem-Aranha é o filho da contemporaneidade cuja custódia se divide atualmente entre a Sony e a Disney (detentora da Marvel Studios): e assim nasce o primeiro Spideycompletamente ambientado ao crescente Multiverso Marvel que deu um primeiro gostinho das suas reais habilidades em Capitão América: Guerra Civil (2016) e que tem em Regresso a Casa a primeira aventura a solo para provar o que vale.

Entusiasmado com a sua recente experiência com os Vingadores, Peter regressa a casa, onde vive com a tia May, sob o olhar vigilante no seu novo mentor, Tony Stark. Peter procura reintegrar-se na sua rotina diária, mas permanece focado no objetivo de provar a Stark que não é apenas o super-herói simpático que vive nas redondezas. Quando uma nova ameaça paira sobre Nova Iorque e tudo o que é mais importante para Peter fica ameaçado, o Homem-Aranha terá a sua oportunidade de fazer a coisa certa... se conseguir. É que mesmo com a alta tecnologia fornecida por Homem de Ferro, ele ainda não é exatamente um super-herói exemplar, tropeçando em trapalhadas não forçadas que acabam por ofuscar sempre o seu desejo maior de ser verdadeiramente útil.

Comecemos pelo óbvio: Homem Aranha: Regresso a Casa está longe de ser perfeito – os efeitos visuais que ficaram do lado da Marvel Studios pela primeira vez na história são, como esperado, impressionantes, mas a inexperiência do realizador indie Jon Watts numa produção deste arcaboiço faz-se notar particularmente na estruturação das cenas de ação que em vários momentos se tornam confusas, difíceis de acompanhar ou simplesmente pouco estimulantes. De um modo geral, o trabalho do realizador é competente, mas não particularmente memorável – os momentos altos surgem nas sequências mais meta. Ainda assim é, sem sombra de dúvidas, a melhor rendição do mais icónico personagem da Marvel, pelo menos desde Homem-Aranha 2 e, ao captar a natureza essencial do personagem, torna-se o "teen movie" que a Marvel (nem sabia que) precisava, com direito a hierarquização da beleza de Thor e Homem-Aranha e vídeos escolares de formação do Capitão América. No fundo, é como se a gigante do entretenimento tivesse realizado o seu próprio filme de John Hughes.

De facto, este Homem-Aranha é, talvez, o menos espetacular de todos – enquanto anteriormente nos habituamos a vê-lo balançar-se expressivamente por Nova Iorque, aqui torcemo-nos na cadeira ao vê-lo a destruir desastradamente jardins inteiros enquanto persegue os maus da fita e quando tem um orgasmo nerdperante uma intrincada peça de Star Wars em LEGO – e essa vulnerabilidade inequivocamente humana que joga como o seu grande trunfo.

Até ver, 2017 foi o ano mais intimista da Marvel. Para as suas duas estreias do ano – Guardiões da Galáxia Vol. 2 e Homem-Aranha: Regresso A Casa – guardou-se alguma ausência de relação direta com o Universo Cinematográfico até aqui criado, e ganhou-se na aposta em histórias que, não sendo de origem, tentam expandir consideravelmente o pathos de alguns dos seus mais adorados heróis. No caso de Homem-Aranha: Regresso a Casa, este oferece um muito bem-vindo estreitamento narrativo, afastando-se das temíveis invasões alienígenas e dos vilões megalómanos para se focar numa narrativa mais familiar e local.

É também realmente significativo que o vilão de serviço (um competente Michael Keaton numa incursão a fazer lembrar um alter-ego malvado de Birdman) não caia nas armadilhas narrativas do costume, sucumbido ao desejo acalentado e tantas vezes tão pobremente justificado de controlar o mundo porque sim. Neste caso, as ambições são mais terrenas e, automaticamente, conferem-lhe muito mais dimensão – um pai que procura cuidar da sua família, mas cuja bússola moral já esteve mais inclinada para norte.

Tobey Maguire e Andrew Garfield foram excelentes no seu direito, mas independentemente dos gostos, Tom Holland é fisicamente o Homem-Aranha mais próximo do original da banda-desenhada que já tivemos oportunidade de ver no grande ecrã. As feições jovens do ator de 20 anos permitem-lhe enquadrar-se perfeitamente no ambiente da Escola Secundária, e as habilidades acrobáticas que tinha desenvolvido mesmo antes de ser escolhido para o papel – basta fazer scrollpela sua conta de Instagram e segurar bem o queixo - conferem-lhe uma fisicalidade e atleticismo que se sentem tremendamente orgânicos. Além disso, Holland confere a Peter Parker a imaturidade, jovialidade e vulnerabilidade que sempre lhe associamos tornando este um retrato atraente e com um charme juvenil que vamos querer revisitar muitas vezes no futuro próximo do Universo da Marvel.

Felizmente a participação de Robert Downey Jr. não é tão intrusiva como algum do material promocional fez pensar funcionando o seu Homem de Ferro mais como uma espécie de mentor à distância. Devemos ainda uma palavra de apreço que não deverá ficar por dar à Sony/Disney pelo casting diversificado que deu cor ao elenco secundário, sobretudo no ambiente escolar de Parker onde a multiplicidade de origens das personagens as torna instantaneamente mais estimulantes.

Optando por explorar a narrativa de um adolescente que se debate com as quezílias habituais do choque de hormonas da juventude e, simultaneamente, tem de aprender a controlar poderes com os quais ainda não está totalmente familiarizado, o novo Homem-Aranha é mais um passo em frente na construção do império cinematográfico da Marvel Studios e um "regresso a casa" para um dos super-heróis mais icónicos da história. 

Artigos Relacionados

Tendências 16. 8. 2017

Regresso aos 80’s em 30 Filmes

A propósito da visita ao passado do novo filme de Richard Linklater aproveitamos para relembrar néons, calças de cintura alta, materialismo consumido, Michael Jackson, Madonna e uma década de cinema simplificado para o grande público.

Ler mais

Tendências 11. 8. 2017

Cinema: Atomic Blonde – Agente Especial

Suave como Bond, desenvolta como Wick e dura como Rambo, Charlize Theron é a agente secreta ao serviço de Sua Majestade.

Ler mais

Tendências 27. 7. 2017

Cinema: Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

O realizador de Léon: O Profissional e O Quinto Elemento está de regresso com uma ópera espacial excêntrica que vai abanar os Cinemas.

Ler mais

Tendências 21. 7. 2017

Cinema: Dunkirk

Visceral, intenso e arrebatador, o épico bélico de Chritopher Nolan rompe os tradicionalismos do género para emergir como um dos grandes triunfos cinematográficos do ano.

Ler mais

Curiosidades 19. 7. 2017

Baywatch chega aos cinemas... mas onde está o elenco original?

Vinte e oito anos depois da estreia da série televisiva, o grupo de nadadores salvadores mais famoso do mundo está de regresso, desta feita, ao Cinema, com look, estilo e elenco renovado. O que nos leva a colocar a questão – onde está então o elenco original?

Ler mais

Tendências 5. 7. 2017

10 Filmes de Culto dos Anos 90 que também são Bíblias de Moda

Damos as boas-vindas à nostalgia e revisitamos alguns dos mais importantes clássicos de culto que marcaram o mundo da Moda nos anos 90.

Ler mais