Estudo: entre o sono e a felicidade

Novo estudo indica que quem acorda sem despertador tem tendência para ser mais inteligente, criativo e feliz. 

Breakfast at Tiffanys (1961)
Breakfast at Tiffanys (1961)   © D.R

Estudo: entre o sono e a felicidade

Novo estudo indica que quem acorda sem despertador tem tendência para ser mais inteligente, criativo e feliz. 

14 Jul 2017 • 10 51 H



Uma pesquisa inglesa intitulada Why Night Owls Are More Intelligent, e liderada por Satoshi Kanazawa e Kaja Perina, revelou que quem controla as horas a que adormece e acorda tem tendência a ser mais inteligente.

Segundo os autores do estudo, dormir mais 10 minutos depois do alarme tocar é sinal que é alguém que consegue superar os problemas e alcançar os seus objetivos, alguém com personalidade criativa e independente.

Há semelhança da investigação realizada por Kanazawa e Perina, a Universidade Southampton concluiu também que quem se deita depois das onze da noite e acorda após as oito da manhã tem tendência a ser mais bem-sucedido e a viver uma vida mais feliz.

Também a National Sleep Foundation, centro de educação e estudos sobre o sono, contribuiu com dados estatísticos para a pesquisa ao confirmar que a média de horas que um adulto deve dormir por noite ronda entre as sete e as nove horas.

Ainda no estudo Why Night Owls Are More Intelligent, concluiu-se então que deixar o corpo acordar por si mesmo é benéfico para a saúde cardíaca e mental - no entanto, dormir horas a mais do que o recomendado pode ser prejudicial para o ser humano.

Posto isto, a melhor opção para uma vida equilibrada e saudável no que toca à questão do sono é mesmo não levar o ditado "deitar cedo e cedo erguer dá saúde faz crescer", à letra.

pub
Faltam 300 caracteres
pub
pub
topo