Artigo Anterior

Dolce&Gabbana Alta Moda

Próximo Artigo

A primeira fragrância de Jason Wu

6 Reboots que fizeram história

Tendências 13. 7. 2017

by Catarina D'Oliveira

 

Reimaginar um universo cinematográfico nem sempre é fácil – como o comprovam centenas de exemplos falhados na história do Cinema... mas há quem o tenha feito (muito) bem!

Hollywood adora reciclar. Não, não estamos – com muita pena nossa – a louvar uma civilizada inclinação ambiental, mas a constatar o seu excessivo afeto pela repetição, reutilização ou reimaginação de obras pré-existentes ou até, quem sabe, pelo famigerado luto pela originalidade definhada. E assim vivemos a Era onde a Religião se rege em nome da Sequela, Remake e Reboot Santo.

Se sente confusão na terminologia, nós ajudamos: uma sequela é uma continuação, um remake é uma nova versão de um filme que usa o original como principal fonte de inspiração (mesmo que se atualize em termos estéticos, de tom, fotografia, etc) e um reboot é... um botão de reset – uma oportunidade de começar de novo, reimaginando e reinvigorando para atrair novo público e estimular o sucesso económico.

Reimaginar um universo cinematográfico nem sempre é fácil, e os resultados são frequentemente esquecíveis ou abertamente desastrosos. No entanto, há um grupo seleto de reboots prontos a salvar a alma do convento. Hoje trazemos-lhe seis. 

BATMAN – O INÍCIO (2005)

O filme que alimentou a loucura moderna pelo reboot tinha uma tarefa hercúlea pela frente: fazer esquecer as tenebrosas consequências de ter de viver com o fantasma da memória dos mamilos de Goerge Clooney em Batman & Robin (1997) – ainda hoje sentimos suores frios! Alimentando-se do tema do medo, o até então nunca testado nas peculiaridades do blockbuster Christopher Nolan criou uma trilogia épica que marcou a história do Cinema, e tudo começou na abertura humilde de Batman – O Início. Taciturno e negro, o filme de Nolan – bem como a restante trilogia do Cavaleiro das Trevas - enraíza o mito Batman num mundo áspero e profundamente real e provou que um filme de super-heróis pode, afinal, ser levado muito a sério.

007: CASINO ROYALE (2006)

Há uma crença instalada nos meandros da crosta cinematográfica de que haverá sempre espaço para um novo filme de James Bond nas salas de Cinema. Todavia, o enquadramento antiquado e, por vezes, caricaturado das aventuras do Agente Secreto mais eficiente do mundo começou a perder tração com a entrada no novo milénio e, talvez pela primeira vez na sua história, viu-se em risco de perder a sua licença para... vender bilhetes. Em 2006, Martin Campbell revitalizou a saga com uma adaptação moderna do primeiro romance Bond de Ian Flemming em Casino Royale – o filme que será semre recordado como aquele que, contraprotestos de descrentes e contestações de puristas, tornou o superespião do MI6 relevante e cool de novo.

STAR TREK (2009)

Depois da desastrosa performance de Star Trek: Nemesis na box-office e entre a crítica, muitos pensaram que o icónico franchise espacial estava definitivamente perdido. Todavia, depois de um período sabático, a Paramount decidiu voltar a apostar na saga reenquadrando-a desta feita para uma nova geração de espectadores que, convenhamos, não estavam propriamente familiarizados com a complexidade das personagens do Capitão Kirk e de Spock. Sem desonrar o passado, J.J. Abrams inspirou-se na energia clássica de Steven Spielberg e George Lucas e tornou Star Trek um poço de entretenimento, apostando num elenco totalmente renovado e levando a equipa da Enterprise na sua primeira missão de sempre. 

X-MEN: O INÍCIO (2011)

X-Men (2000) foi uma espécie de fomiguinha pioneira dos filmes de super-heróis de configuração contemporânea e X-Men 2 (2003) é rotineiramente considerado um dos melhores filmes do género alguma vez feitos. Com este currículo irrepreensível seria difícil antecipar o chorrilho de más decisões que foi X-Men: O Confronto Final (2006) e o desastre absoluto de X-Men Origens: Wolverine (2009) que quase destruiu as hipóteses de algum dia virmos a ter uma boa encarnação cinematográfica de Deadpool. Quase! Com as mãos trémulas e a alma desfeita, chame-se o 112 e desespere-se por uma dose generosa de X-Men: O Início para reanimar a saga moribunda. Dito e feito. Surgindo como um sucesso modesto na box-office, O Início apoia-se num argumento forte, um elenco jovem e renovado e uma direção firme para alavancar o regresso à forma de um dos grupos de super-heróis mais icónicos e adorados da banda-desenhada. 

PLANETA DOS MACACOS: A ORIGEM (2011)

Quando a Fox anunciou a sua intenção de fazer um reboot de O Planeta dos Macacos, todos levamos as mãos à cabeça – nem sequer nos tinham deixado lamber convenientemente as feridas deixadas pelo também reboot de 2001 de Tim Burton. Como poucas vezes acontece em cinema, os nossos medos foram deliciosamente infundados e Rupert Wyatt abriu caminho àquela que já vai sendo chamada à boca cheia de uma das grandes trilogias da nova geração de blockbusters. Com efeitos visuais de deixar o queixo no chão, uma realização altamente personalizada e uma performance de outro mundo de Andy Serkis, Planeta dos Macacos: A Origem vê esta semana a conclusão da sua brilhante trilogia contemporânea com a estreia de Planeta dos Macacos: A Guerra.

DREDD (2012)

A Lei de Dredd (1995) não é propriamente o pior filme da história, mas a inconsistência generalizada e o afastamento do que tornou a banda desenhada verdadeiramente memorável tonou-o uma incursão cinematográfica que os fãs mais acérrimos da personagem preferiam esquecer – e graças ao reboot de 2012, já podem fazê-lo. Dredd é já um clássico de ação contemporâneo que parece arrancado de uma Era onde fazer Cinema era muito mais simples e as intenções (e atenções) não se perdiam em desnecessários fogos de vista. Explosivamente violento e à prova de viciados em adrenalina, Dredd é a reimaginação por que os fãs sempre esperaram.

 

Coop Chopard

Artigos Relacionados

Tendências 30. 8. 2017

7 Filmes obrigatórios do Festival Internacional de Cinema de Veneza 2017

Darren Aronofsky, Jennifer Lawrence, George Clooney, Guillermo del Toro e Abdellatif Kechiche vão estar em destaque na Biennale.

Ler mais

Tendências 16. 8. 2017

Regresso aos 80’s em 30 Filmes

A propósito da visita ao passado do novo filme de Richard Linklater aproveitamos para relembrar néons, calças de cintura alta, materialismo consumido, Michael Jackson, Madonna e uma década de cinema simplificado para o grande público.

Ler mais

Tendências 9. 8. 2017

10 Heroínas Modernas que provam que o lugar da Mulher é no centro da Ação

Com Atomic Blonde – Agente Especial prestes a chegar às salas, olhamos para as heroínas que abriram caminho à emancipação cinematográfica da Mulher no género de Ação.

Ler mais

Tendências 3. 8. 2017

Antestreia: cinco livros que vão dar filmes

Se ainda não sabe o que ler nas férias, a Vogue antecipa as histórias extraordinárias que, até ao final do ano, estarão num grande ecrã perto de si.

Ler mais

Entrevistas 2. 8. 2017

Entrevista: Pedro Cabeleira

De pequenino... se chega a Locarno. Pedro Cabeleira discute, em entrevista à Vogue.pt, os maiores desafios de Verão Danado, a sua primeira longa-metragem que terá honras de estreia no renomado festival suíço.

Ler mais

Tendências 5. 7. 2017

10 Filmes de Culto dos Anos 90 que também são Bíblias de Moda

Damos as boas-vindas à nostalgia e revisitamos alguns dos mais importantes clássicos de culto que marcaram o mundo da Moda nos anos 90.

Ler mais